Salário mínimo das cozinheiras, uma “herança” do PAICV para Maritza Rosabal

10/08/2016 08:04 - Modificado em 10/08/2016 08:04

cozinheirasAs cozinheiras da FICASE ainda aguardam por um vencimento mínimo que já está estipulado em Cabo Verde e, com a mudança do Governo, o Secretário Permanente do SISCAP pede que a Ministra da Educação, Maritza Rosabal, contemple no Orçamento de Estado de 2017 a proposta de 15 mil escudos.

O Sindicato da Indústria, Serviços, Comércio, Agricultura e Pesca (SISCAP) propõe à Ministra da Educação uma remuneração das cozinheiras da FICASE com o salário mínimo que se pratica na Função Pública que é de 15.000$00. Isto porque as cozinheiras tinham um salário convertido em bens alimentares e que foi progredindo para valores em dinheiro de 6 mil escudos.

As cozinheiras lutam para receberem um salário digno e deixarem de ser escravizadas, uma vez que trabalham das 07h30 às 17h30. Assim sendo, o dirigente sindical coloca a questão sobre a mesa da nova Ministra, visto que as cozinheiras também não se encontram inscritas no INPS e, por isso, não usufruem da assistência médica e medicamentosa e também estão privadas do atestado médico porque não têm um rendimento, refere a Inforpress.

  1. Francisco Andrade

    E é justa a luta dessa classe batalhadora, que está sujeita a vários riscos e acidentes de trabalho,sem contar que deviam ter direito ao ” seguro” ( INPS).
    Essa situação devia ser contemplada no orçamento de 2016 pois que faz tempo ue lutam para valer os direitos dessa classe. que deus abencoe as cozinheiras como qualquer outra classe trabalhadora e que está sendo injustiçada.

  2. popta

    O caracter das pessoas se revela pelo trato aos fragiles e desfavorecidos . O Sind dos Professores tem q incorporar este reclamo q se alastra desde o Gov de JMN .

  3. popota

    *** e’ Popota ,não popta . Sorry 🙂

  4. Adriano Silva

    15.000$00, para quantas horas de trabalho semanal ? se for no regime actual que trabalham menos 3 horas por dia e ainda uma refeição para toda a família e produtos para a confecção do jantar, elas aceitam. Mas se for o trabalho que as empregadas de limpeza fazem não irão aceitar. As cozinheiras reclamam porque os sindicatos a isso obrigam. Mas elas sabem das regalias subterrâneas que têm. Não podem ir cozinhar, vai uma filha, uma irmã ou amiga fixe. Os sindicatos exigem aumento salarial das cozinheiras e ao mesmo tempo que haja refeições grátis nas escolas. NÃO HÁ PAÍS NO MUNDO QUE AGUENTE. Tudo sem aumento de impostos

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.