ADECO promove encontro de reflexão para discutir OGE 2016

22/07/2016 02:24 - Modificado em 22/07/2016 02:24
| Comentários fechados em ADECO promove encontro de reflexão para discutir OGE 2016

adecoAprovado na sua generalidade, o Orçamento Geral do Estado de 2016 não convence todos os sectores da sociedade civil e, por isso, a ADECO, juntamente com parceiros como a plataforma das ONG e a Câmara de Comércio do Norte de Cabo Verde, representantes da sociedade civil e sindicatos, promoveu esta quinta-feira em São Vicente, um encontro de reflexão sobre “Análise do Orçamento Geral do Estado de Cabo Verde 2016 – Implicações na Sociedade Civil: OSC, Sector Privado e Sindicatos”.

 

Para o Presidente da ADECO, António Pedro Silva, que falava na abertura do encontro, o mesmo tem como finalidade discutir os aspectos mais importantes do OE para este ano.

António Silva afirma que, sendo um instrumento fundamental na vida das pessoas e numa sociedade democrática participativa, os cidadãos têm algo a dizer quer sobre onde ir buscar os recursos para fazer o Estado funcionar, quer sobre como e onde aplicar esses recursos para o bem de todos.

 Portanto, acredita que é imputável ao Parlamento realizar sessões deste tipo e até do Governo, antes de serem discutidos no Parlamento. “Na sociedade, existem pessoas com capacidade que podem contribuir para que este País tenha uma ferramenta muito melhor porque o Orçamento de Estado é uma ferramenta”.

 “Criar soluções para que a sociedade possa participar activamente devendo as autoridades, o Governo e o Parlamento dispor dessas ferramentas para que possam ser discutidas com a sociedade, são algumas das recomendações da ADECO, que afirma não ter uma visão geral do Orçamento para avaliar a “bondade ou a deficiência” do mesmo, mas existem posições firmes sobre determinados aspectos.

Este Orçamento, conforme explica, é um problema de toda a sociedade e não de “uma meia dúzia de pessoas, porque basta uma bancada para aprovar em nome de todos os cabo-verdianos”, critica este responsável.

Questiona como é possível que o País gaste só para a Assembleia Nacional quase 180 mil contos com despesas de deslocações e estadas quando no hospital não há mil contos para ter um aparelho para uma intervenção cirúrgica maxilo-facial e não entende também como é aceitável que haja ajudas de custos de 10 mil escudos por dia para deputados.

 Este encontro serve também para criar bases para discussões futuras sobre esta ferramenta.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.