Ministro das finanças: “O OGE teve de colmatar irresponsabilidades do Governo anterior”

14/07/2016 08:16 - Modificado em 14/07/2016 08:16
| Comentários fechados em Ministro das finanças: “O OGE teve de colmatar irresponsabilidades do Governo anterior”

OLAVO-CORREIAO Ministro das Finanças, Olavo Correia, justifica que o Orçamento de Estado é ambicioso face aos compromissos que o Governo tem pela frente. Tendo ainda que colmatar “algumas irresponsabilidades do Governo anterior”, prevê-se um crescimento da economia entre os 3,5% e 4,5%.

“O Orçamento de Estado (OE) de 2016 está estimado em cerca de 60 milhões de contos, sendo 40,1 milhões de contos para o funcionamento e 19,5 milhões de contos para investimentos. A proposta de OE para 2016 prevê um crescimento económico entre 3,5 e 4,5 por cento e um défice orçamental de 5,2 por cento. A Inflação deverá situar-se entre os 0,8 e os 1,2%”, prevê Olavo Correia, Ministro das Finanças, de acordo com a RCV.

O Ministro justifica que o Governo ainda teve de fazer frente a responsabilidades assumidas pelo executivo anterior e que “não obstante a margem fiscal mínima e diria quase nula, tendo em conta os compromissos fiscais de 2015 e 2016, alguns de forma irresponsável do Governo cessante quer em forma de orçamento de funcionamento e quer de investimento, esta proposta procura ser ambiciosa”.

O Ministro das Finanças assegura que o Governo estipula um programa de emergência no valor de 900 mil contos. A proposta inclui ainda medidas urgentes de política fiscal para melhorar a competitividade, o ambiente de negócios e o nível de rendimento. O relançamento do crescimento e o aumento do emprego deverão ser feitos num ambiente de graves restrições fiscais, todavia, Olavo Correio e Silva assegura que o Governo fará para que haja um desenvolvimento inclusivo em todas as ilhas. O Ministro acrescenta que “contamos com todos para que os mais jovens encontrem trabalho, temos de corrigir os desequilíbrios, relançar o crescimento e recuperar o emprego”. Neste sentido, o Ministro das Finanças frisa ainda que os desafios são enormes e que cabe ao Governo concretizar os objectivos com a inclusão no OE.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.