UNTC-CS insatisfeita por não participar na discussão do Orçamento

14/07/2016 07:59 - Modificado em 14/07/2016 07:59

julio ascenção silvaPara a UNTC-CS, através do seu Secretário-geral, Júlio Ascensão Silva, a não convocação do Conselho de Concertação para análise do Orçamento de Estado antes de ser levado ao Parlamento, foi uma quebra de uma regra e princípio que tem vindo a ser seguido.

“O Governo apresentou as justificações para a não convocação e não discussão prévia do Orçamento em sede de concertação social, razões que têm a ver com o prazo apertado para a elaboração e a apresentação no Parlamento, segundo o Primeiro-ministro, por regime de urgência. Obviamente que apesar de compreender algumas das argumentações, não concordo que o Orçamento de Estado seja levado ao Parlamento sem passar pelo Conselho de Concertação Social”.

Para Ascensão Silva, a discussão prévia é uma reivindicação dos parceiros socais, que antes analisavam o Orçamento só depois de aprovado.

Um dos assuntos que geram preocupação à Central Sindical, segundo o Secretário-geral, é o facto de “não constar do orçamento o aumento do poder de compra através do aumento salarial. O Governo fala do aumento para a classe docente e a Polícia Nacional: congratulamos e apoiamos, mas o que se passará com os restantes trabalhadores da administração pública?”

  1. Adriano Silva

    Uma reivindicação atendida poderá transformar-se num direito ? De notar que quem cedeu e aceitou a reivindicação já não está presente ou no poder. Por outras palavras: a discussão na Concertação Social é uma obrigação, não é direito, a não ser que se considere que uma prática reiterada transforma-se num direito adquirido

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.