Edilter: Acidente com funcionário foi uma fatalidade

11/07/2016 08:20 - Modificado em 11/07/2016 08:20
| Comentários fechados em Edilter: Acidente com funcionário foi uma fatalidade

nota-de-esclarecimentoEm resposta à notícia “Explosão de compressor: Homem perde braço em acidente de trabalho”, a Edilter reage lamentando a situação, considerando tratar-se de “uma fatalidade” com o funcionário que é considerado o braço direito da empresa, uma vez que, “sem razão aparente, o dispositivo que tinha a função de desligar automaticamente, simplesmente deixou de funcionar, causando a explosão do compressor”. Ilir Dedja, responsável pela empresa garante que a vítima tem recebido todo o apoio psicológico e que todos os seus direitos estão salvaguardados. Quanto às medidas de segurança, o responsável garante ter seguido todas as normas prescritas.

De acordo com o responsável Ilir Dedja, o operador de máquinas da Edilter, César Cruz sofreu o acidente após ter notado uma avaria no compressor com 2 motores eléctricos de 5KW que, por motivos ainda desconhecidos, deixou de funcionar de forma correcta, culminando numa grande explosão que, lamentavelmente, acabou por atingir o seu funcionário “braço direito da empresa”.

A vítima sofreu ferimentos na cabeça, nas pernas e nos braços. Devido à agressividade da explosão que atingiu o braço esquerdo do trabalhador, o mesmo acabou por ficar sem o membro. César continua hospitalizado no serviço de traumatologia do Hospital Baptista de Sousa.

Ilir Dedja considera que o acidente foi uma fatalidade pois, sem razão aparente, a máquina deixou de funcionar e na tentativa de a desligar, “o braço direito da empresa” acabou por ser atingido, “no momento errado e na hora errada”.

Questionado sobre as medidas de segurança no local do acidente, o responsável garante que a empresa tem seguido todas as regras de segurança, incluindo botas, capacete e luvas. O mesmo afirma que o compressor teria recebido manutenção dias antes do acidente mas que, infelizmente, “nem um fato militar poderia defender o trabalhador”.

Ao mesmo tempo, o entrevistado lamenta o facto da inexistência de entidades específicas para a manutenção e vistoria das máquinas. O responsável promete ter maior atenção, criando manobras manuais sem ter de confiar em sistemas automáticos, aumentando a segurança dos trabalhadores.

Apesar do acidente e das consequências advenientes, o responsável garante que a Edilter salvaguarda todos os direitos da vítima e que, para além disso, tem disponibilizado apoios psicológicos e que após a recuperação, a mesma deverá continuar a exercer as suas funções.

Todavia, o caso está sob a alçada da Inspecao Geral  do Trabalho que se deslocou ao local para se inteirar do sucedido.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.