Familiares do jovem desaparecido no mar de “Caiéta” na esperança de encontrar o corpo

1/07/2016 07:56 - Modificado em 1/07/2016 07:56
| Comentários fechados em Familiares do jovem desaparecido no mar de “Caiéta” na esperança de encontrar o corpo

FB_IMG_1467237988756Edmilson Évora, conhecido por “Primo”, de 18 anos, residente na localidade de Campim, São Vicente, está desaparecido no mar de “Caiéta” desde a tarde desta quarta-feira quando se encontrava na companhia do pai para a habitual faina. As autoridades marítimas continuam na busca para resgatarem o corpo do jovem. Inconsolados com a perda, os familiares da vítima dizem-se esperançosos de encontrar o corpo e poderem realizar um funeral digno.  

Informações apuradas junto do Corpo dos Bombeiros dão conta que a vítima terá caído ao mar podendo ter chocado contra uma rocha. Por voltas das 16 horas e 10 minutos, os elementos do Corpo dos Bombeiros deslocaram-se ao local considerado de difícil acesso e, devido às condições do mar, não foi possível localizar o corpo e, como já se fazia tarde, as buscas vieram a prosseguir na manhã desta quinta-feira.

Edmilson terá caído ao mar na ausência do pai que estaria a pescar um pouco mais afastado. A vítima encontrava-se na companhia do pai e de outros dois pescadores. Após várias tentativas para localizar “Primo”, o pai resolveu pedir ajuda aos Bombeiros e às autoridades marítimas que saíram em busca da vítima.

Devido às condições do local do sinistro, não foi possível encontrar o corpo. Contudo, os familiares consideram terem perdido o ente querido que era o braço direito do pai, pois habitualmente saíam juntos para a pesca, uma das paixões de Edmilson.

Fátima Évora, tia da vítima, avançou ao NN que tudo terá acontecido de repente, pois não sabem exactamente em que momento o jovem terá caído ao mar. Apercebendo-se da ausência da vítima que se encontrava a pescar numa “furna”, puseram-se à sua procura mas sem sucesso. Um dos pescadores afirmou ter avistado o corpo no fundo do mar mas as tentativas para encontrar o corpo resultaram infrutíferas.

Bastante sentida, a tia diz acreditar no trabalho das autoridades marítimas, por isso, a esperança é encontrar a vítima com ou sem vida, no sentido de minimizar a dor do pai que se encontra num estado de desânimo. Os familiares descrevem a vítima como o braço direito do pai, um jovem trabalhador que ajudava o pai na criação dos três irmãos menores.

As autoridades marítimas estão no terreno empenhadas na tentativa de resgatarem o corpo do jovem e devolvê-lo aos familiares. Ansiosos pelos resultados das buscas e entristecidos com a situação, os familiares aguardam pelo resgate do corpo para poderem realizar um funeral condigno.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.