Cristina Fontes e a tarefa de recuperar a CM da Praia

24/06/2016 08:56 - Modificado em 24/06/2016 08:56

Ministério da Saúde Cristina FontesNos dois últimos mandatos a Câmara Municipal da Praia tem sido presido pelo MpD. A CMP já foi em tempos liderada pelo PAICV, por Felisberto Vieira. Depois da escolha do nome de Cristina Fontes como próxima candidata, o objetivo é recuperar a maior câmara do país para o PAICV, num período em que o Governo central pertence agora ao MpD.

Depois da saída do Governo, Cristina Fontes foi apontada como possível candidata a Presidência da Republica, facto que nunca confirmou, e emerge dentro vários nomes fortes do PAICV na capital para assumir uma candidatura.

A aposta do partido recai sobre um nome que tem ligações diretas aos anos de governação do país. Ela que já ocupou as pastas da Justiça, Administração Interna, Defesa, Presidência do Conselho de Ministros, Reforma do Estado e, nos últimos cinco anos, foi ministra-adjunta e da Saúde.

Em termos de candidatura pública a um cargo político, este vai ser o primeiro para a antiga Ministra. Concorreu para as eleições internas tendo sido derrotado pela atual presidente. Mesmo com a derrota fica ligado ao partido, promovendo a união. Esta atitude parece ganhar forma agora que assume a responsabilidade da sua candidatura:

 Assim a CMP vai ter dois novos candidatos, Óscar Santos pelo MpD e Cristina Fontes Lima pelo PAICV. E sendo uma das câmaras mais importantes do país a tarefa não aparenta nada fácil para nenhum dos dois candidatos, no sentido que as eleições autárquicas são em suma diferentes das legislativas.

  1. Silvério Marques

    A tarefa não é fácil justamente porque há uma ligação ao Governo que em 15 anos levou o país á falência, com a corrupção em todos os sectores, enormes índices de violência e uma tentação enorme para as falácias. Não. Aqui na Praia, NÃO PASSARÃO.

  2. Silva

    Uma luta renhida à dois espera-se entre Óscar Santos e Cristina Fontes Lima, para a qual deixo uma receita: menos ataques pessoais, menos focalização no “Tempo de Partido Único”, “Na Década de 90” ou na “Agenda de Transformação de Cabo Verde” ou seja “Na Era de JMN”. Não sejam nem Pedro Pires, nem Carlos Veiga, nem José Maria Neves. Tudo isso é passado, faz parte da história económica, social, política e cultural de Cabo Verde. Os jovens, os adultos e os velhos da Praia esperam outro discurso para o povo da Praia. A Cristina, boa executiva, perdeu muita pujança que outrora teve. O carisma de líderes como Pedro Pires, Carlos Veiga, José Maria Neves, Onésimo Silveira, Ulisses Correia e Silva, Jorge Santos ou Basílio Ramos srevem de uma boa disciplina para o Óscar e para a Cristina. Agora, o debate deve ser sério, forte com mais propostas e menos retórica, pois não irão dar aulas no Liceu ou na Universidade. Por isso, meus caros a RECEITA É: 20% do passado, 10% do elenco e 70% do Futuro!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.