Domésticas: “prefiro ficar sem INPS do que ficar sem trabalho”

22/06/2016 07:42 - Modificado em 22/06/2016 07:42

domesticaNa conferência nacional sobre o “Trabalho doméstico em Cabo Verde”, presidida pela Ministra do Trabalho e da Justiça, Janine Lélis, estima-se que há milhares de trabalhadores domésticos, na sua maioria mulheres, mas só 1586 têm cobertura do Instituto Nacional da Previdência Social (INPS).

Das domésticas entrevistadas, todas sabem que têm direito ao INPS, todavia, Lizita assegura que prefere ver um dos seus direitos violados como trabalhadora do que ficar sem trabalho. A mesma acrescenta que recebe 8 mil escudos, trabalha de segunda a sábado das 9H às 15h reconhece que “o salário é pouco, mas tenho três filhos para criar e em vez de ficar sem um vencimento, prefiro ganhar mal do que não ter dinheiro para sustentar os meus filhos”.

Solange, por sua vez, conta que para além do trabalho doméstico ainda vende bolos que ajudam a dignificar o salário, pois ganha 9 mil escudos por mês como empregada doméstica. A mesma garante que “é o que nós temos em Cabo Verde, é a nossa realidade e entre exigir o INPS e ficar sem trabalho, prefiro ficar sem seguro e rezar a Deus para que nem eu nem os meus dois filhos adoeçam”. Todavia, Solange afirma que “a minha patroa é uma boa pessoa, pois ela ajuda-me sempre com os materiais escolares e se algum deles adoece, às vezes paga-me os medicamentos”.

As empregadas domésticas sabem que têm direito ao INPS, diz Sheila que está numa situação favorável porque os patrões fazem o desconto para o seguro e pagam-lhe o salário mínimo. Contudo, ela diz que “trabalho de segunda a sábado, das 8h às 16h e ainda cuido das crianças. Acredito que sou uma privilegiada porque a maioria que eu conheço não tem seguro, mas que é um trabalho explorado é”. Por outro lado, Karine diz que há muitos patrões da alta sociedade que têm conhecimento da lei e que recebem bem, mas preferem não pagar o seguro e apela para que seja feita uma fiscalização nas casas e justifica que “nós empregadas não reivindicamos porque temos medo de represálias e de ficarmos sem trabalho. Visto que se eu reclamar existem mais 20 pessoas à espera do meu emprego sem cobertura no INPS”.

  1. Cristina

    Até parece que ela são umas Santas. Têm Café, almoço, lanche e até banho antes de irem para casa garantido. Esforça-se para as ajudar no que for preciso. E o que que se recebe em troca? roubam aqui que não lhes pertence. Chegam atrasadas no trabalho. Faltam desnecessariamente. Destroem os utensílios da casa e temos pena de as incutir responsabilidade porque o salário já não é grandes coisa.
    A questão que se coloca é “como é salvaguardado também o direito do patrão/patroa?. É por isso que quem pode está a optar por serviço a dias (2 ou três vezes por semana).

  2. roxana aguilera

    Quantas horas de trabalho regula a Lei das trabajadores domesticos em CV? Em Brasil são 44hrs /semana mais em CV as empregadas trabalham os sabados mais de 4 hrs Isto e’ Escravidom moderno de pais do “3 mundo” . acho q deben ter tudas as trabalhadoras domestica uma carteira laboral como em Brasil ,para respeitar mais os dieitos dessa clase trabalhadora. isso esta dando resultado naquele pais . Os novos ricos” do 3er mundo . tem q cumprir as Lei

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.