1ª Confissão Pública da Sra. Vera Brito

24/05/2016 09:48 - Modificado em 24/05/2016 09:48
| Comentários fechados em 1ª Confissão Pública da Sra. Vera Brito

Vera BritoAlguma vez Você Já Desconfiou Que Eu seria capaz de fazer todas as Malícias abaixo nesta minha Confissão?

 

Leia por favor com muita atenção e calma, tudo o que está apresentado nas minhas confissões públicas, que começa a partir do fim das lições bíblicas abaixo apresentadas, para que possais tirar lições importantes para a sua futura proteção dos terríveis e mortais enganos do mundo religioso, porque o engano que eu conservei você e muitos outros nele, a respeito da minha própria pessoa ao longo da minha aparente vivência religiosa, está muito além da sua imaginação e compreensão ainda. E a esse respeito, a palavra de DEUS diz:

 

Mateus 24:4 – (…,): Acautelai-vos, que ninguém vos engane;

Marcos 13:22 – Porque se levantarão falsos cristos, e falsos profetas, e farão sinais e prodígios, para enganarem, se for possível, até os escolhidos.

 

Quem são esses tipos que surgirão para enganar multidões de pessoas nestes últimos dias?

 

I Timóteo 4:1-2 – (…,) espíritos enganadores, e (…,) homens que falam mentiras, (…,);

II Tessalonicenses 2:10 – E com todo o engano da injustiça (…,). Atos 13:10 – (…,) cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, (…,)?

 

Será que os que aceitam a incumbência dos Espíritos Malignos para realizarem essa missão de enganar os outros e desvia-los da salvação para a perdição eterna, dedicarão ao engano como todo gosto e alegria, ou não?

II Pedro 2:13 – (…); pois que tais homens têm prazer nos deleites quotidianos; (…,) deleitando-se (2º) em seus enganos, (…,);

Será que esses enganadores terão sucesso nas suas maldades e nos seus enganos sobre a face da terra nestes últimos dias?

Mateus 24:5 – (…,); e enganarão a muitos. Hebreus 3:13 – (…,) pelo engano do pecado;

II Pedro 3:17 – Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados, e descaiais da vossa firmeza;

 

Porque muitas pessoas serão enganadas nesse período, pelos tipos acima apresentados?

I Timóteo 4:1 – (…,) dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;

 

Que tipo de pessoas é que serão enganados por esses falsos cristos e falsos profetas?

 

II Tessalonicenses 2:10 – (…,) os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. Romanos 16:18 – (…,); e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples.

 

Que métodos são usados pelos enganadores (falsos Cristos e falsos profetas) para enganar muitas pessoas nestes últimos dias?

 

Romanos 16:18 – (…,) com (1º) suaves palavras e (2º) lisonjas enganam os corações dos simples.

Efésios 4:14 – (…,) pelo engano dos homens que com (3º) astúcia enganam fraudulosamente.

Colossenses 2:4 – E digo isto, para que ninguém vos engane com palavras persuasivas.

 

O que esses enganadores dizem sempre como defesa, para tranquilizar a consciência dos que eles mesmos viram, que já se aperceberam que eles são enganadores, para armarem-lhes um próximo melhor engano?

Provérbios 26:19 – (…) engana o seu próximo, e diz: Fiz isso por brincadeira.

 

Que comportamentos devemos adotar como uma tática básica, para a pretensão destes homens?

 

Provérbios 26:24-26 – Aquele que odeia dissimula com seus lábios, mas no seu íntimo encobre o engano; Quando te suplicar com voz suave não te fies nele, porque abriga sete abominações no seu coração, Cujo ódio se encobre com engano, a sua maldade será exposta perante a congregação.

 

Mas como irão as andanças de vida destes homens publicadores da mentira e do engano?

 

II Timóteo 3:13 – Mas os homens maus e enganadores irão de mal para pior, enganando e sendo enganados.

Enganar-nos uns aos outros é condenado ou é apoiado por DEUS e seus fiéis?

Salmos 34:13 – Guarda a tua língua do mal, e os teus lábios de falarem o engano.

I Tessalonicenses 4:6 – Ninguém oprima ou engane a seu irmão em negócio algum, porque o SENHOR é vingador de todas estas coisas, como também antes vo-lo dissemos e testificamos.

Salmos 101:7 – O que usa de engano não ficará dentro da minha casa; o que fala mentiras não estará firme perante os meus olhos.

 

Que tipo de galardão esses enganadores receberão da parte de DEUS daqui a pouco?

II Pedro 2:13 – Recebendo o galardão da injustiça; pois que tais homens têm prazer nos deleites quotidianos; (…,) deleitando-se (2º) em seus enganos, (…,);

 

O que é necessário para DEUS agraciar uma pessoa que dedicou profundamente à vida religiosa do engano como eu, com a sua misericórdia?

 

Provérbios 28:13 – O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.

 

Será que a Bíblia Sagrada nos mostra algum exemplo de confessores que publicaram as suas confissões, como nós da CRASDT fazemos?

 

Mateus 3:1 – E, NAQUELES dias, apareceu João o Batista pregando no deserto da Judéia,

Mateus 3:2 – E dizendo: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus.

Mateus 3:5-6 – Então ia ter com ele Jerusalém, e toda a Judéia, e toda a província adjacente ao Jordão; E eram por ele batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados.

Atos 19:18 – E muitos dos que tinham crido vinham, confessando e publicando os seus feitos.

    É exatamente para tirar a minha pessoa das práticas do engano religioso, que eu Vera Ambrosina Delgado de Brito, em plena consciência adotei em mim mesma ao longo da minha vivência religiosa como membro da CRASDT, com a única finalidade de enganar e conservar todos os fiéis de DEUS da CRASDT e os demais, no engano a respeito de quem realmente eu sou, a fim de liberta-los do meu engano religioso e tirar a minha pessoa da lista dos que vão receber da parte de DEUS, o galardão (prémio) da Injustiça, é que estou a confessar tanto para a igreja como para o público, a verdadeira vivência que vivi ao longo da minha manifestação religiosa na CRASDT.

   Porque na verdade, nunca fui membro da Congregação Reformada dos Adventistas do Sétimo Dia de Tendas (CRASDT), nunca aceitei, nunca gostei, nunca amei, nunca concordei com os mandamentos de DEUS e nunca senti bem com as pessoas que praticam, defendem e promovem uma vivência de vida, baseada nos dez mandamentos de DEUS, assim como é o Inácio Cunha; mas sempre odiei e desejei mal a tais tipos, e sempre gostei de Satanás e dos demónios residentes em mim e dos seus imundos e desonrosos princípios. E também, desde os primeiros tempos da minha estadia nesta Congregação religiosa, fui secretamente, uma das mais fiéis e ativas membros de um grupo de jovens da CRASDT, que fizeram pacto com os demónios residentes neles, assim como eu também fiz com os demónios residentes em mim, para eliminarmos o Inácio Cunha, apoderar completamente da Igreja e acabar com todas as doutrinas e reuniões de ensino das leis de DEUS, e os apelos à sua prática e à prática desta mesma lei, que ali já estão implementadas e conservadas pelo Inácio Cunha, para que assim pudéssemos implementar todos os princípios da imoralidade e crimes que os Demónios residentes em nós nos deram e nos pediram para praticar escondido do Inácio Cunha e dos que o apoiam, enquanto ainda ele (Inácio Cunha) estiver vivo, e implementarmos no seio da CRASDT a fim de transformá-la numa Congregação puramente demoníaca.

     Mas quando comecei a unir-me aos demónios residentes em mim para tirar a Igreja dos cuidados do Inácio Cunha, que a conduz com os mandamentos de DEUS, para coloca-la nas minhas mãos e conduzi-la com os mandamentos dos demónios residentes em mim? E como começou esta luta secreta e desesperada contra DEUS e o Inácio Cunha e a favor de Satanás e seus demónios? Observa a resposta nas minhas confissões que se seguem.

1- Quando eu já tinha entrado na Igreja (Adventistas do 7º Dia de tenda), mas morava no Brasil, em Dezembro do ano 2005 em que eu vim passar férias em Cabo Verde, então eu e a Delicia (atualmente esposa do Inácio Cunha) fomos junto com a Igreja para um acampamento numa localidade do interior da ilha de Santiago cujo nome é Mangue de monte negro, passar ali o fim desse ano, na companhia dos membros da Igreja de tenda das diversas ilhas e localidades de Cabo-verde e da diáspora. Então, no primeiro dia do ano 2006, lembro que o Inácio estava no palco e lá ele falava de alguns irmãos para a Igreja, apresentando-os e publicando breves historiais a respeito desses irmãos perante todos os presentes, e a certa altura o Inácio apresentou-me para a Igreja, e disse para a Igreja que eu era uma grande missionária da Igreja no Brasil. Quando o Inácio fez isso, os demónios deram-me orgulho por dentro e eu concordei com os demónios e fiquei orgulhosa por dentro. Os demónios disseram-me para eu ver como os irmãos olhavam-me com admiração e respeito. Eu ouvi os demónios com atenção e fiquei observando o rosto das pessoas, e concordei com os demónios que de facto as pessoas estavam a olhar para mim com admiração e respeito. Depois os demónios perguntaram-me na mente se eu gostaria de liderar a Igreja como o Inácio, eu disse aos demónios que sim. Os demónios me disseram a seguir, que um dia eles iam dar-me a Igreja da Tenda nas minhas mãos. Quando eles demónios disseram-me isso, eles me deram vontade para isso acontecer (para um dia eles demónios me darem a Igreja da Tenda nas minhas mãos), eu concordei com os demónios e senti vontade para um dia os demónios me darem a Igreja da Tenda nas minhas mãos.

2- Quando eu voltei do curso no Brasil, pouco tempo depois eu fui para São Nicolau. Então eu lembro que um dia de noite, eu estava com o Amândio no seu quarto. O Amândio me disse que ele queria dominar a Igreja, e que ele já tinha um plano através do qual ele iria dominar a Igreja. Ele disse-me que ele ia montar pequenos temas, com versos da Bíblia, e espalhar esses temas pelas Igrejas da CRASDT, de forma que todos acreditassem que ele era muito sábio, e que assim ele prepararia o terreno para dar golpe ao Inácio. Que esse trabalho ele já tinha até começado, mas que ele precisava avançar mais. Que também ele tinha projecto de vir a solicitar debates religiosos na rádio ou mesmo televisão, para assim ele convencer a Igreja, que ele Amândio era um Profeta como o Inácio, e que assim a Igreja passaria a lhe obedecer. Quando o Amândio disse-me isso, os demónios me disseram que o Amândio tinha razão no que tinha me dito, e eu concordei com os demónios e pensei que o Amândio tinha razão no que ele tinha me dito. Então os demónios disseram-me para eu dizer ao Amândio que eu ia apoiar-lhe no seu plano. Eu concordei com os demónios e eu disse ao Amândio que eu ia apoiar-lhe no seu plano.

3- Um dia eu estava na cozinha da casa do Amândio no Fogo. Era de tarde. Então o Amândio me disse que o seu plano estava a correr lindamente, que o Inácio tinha acreditado que ele estava a ter visões de DEUS e que tinha se tornado um Profeta de DEUS, que agora faltava pouco para ele tomar a Igreja. Os demónios me deram alegria porque o plano do Amândio estava a correr lindamente, e eu concordei com os demónios e senti-me alegre porque o plano do Amândio estava a correr lindamente, então os demónios disseram-me para eu dizer ao Amândio que eu lhe daria todo o apoio nesse plano, eu concordei com os demónios e eu disse ao Amândio que eu lhe daria todo o apoio nesse plano.

4- Um dia eu estava no escritório da casa do Amândio no Fogo, e o Amândio estava furioso nesse dia, ele disse-me que estava aborrecido, porque ele tinha falado com o Inácio, e o Inácio mostrou-lhe que ele já sabia que o Amândio não estava a ter visões de DEUS, mas sim que ele estava a ser enganado pelos demónios. Então o Amândio me disse que se o Inácio não acreditasse que ele estava a ter visões de DEUS, que ele não conseguiria convencer a Igreja que ele era um Profeta de DEUS. Então os demónios disseram-me para eu dizer para o Amândio para ele ficar calmo, que mesmo que esse plano não desse certo, que um dia nós dominaríamos a Igreja, quer o Inácio quisesse, quer o Inácio não quisesse. Eu concordei com os demónios e eu disse para o Amândio para ele ficar calmo, que mesmo que esse plano não desse certo, que um dia nós dominaríamos a Igreja, quer o Inácio quisesse, quer o Inácio não quisesse.

5- Um dia, lembro que eu estava na casa do Amândio no Fogo, e que era de dia. Então o Amândio disse-me que ele tinha um plano novo para dominar a Igreja. Que o plano de São Nicolau não funcionou mas que este não iria falhar. Ele me disse que os demónios tinham lhe instruído quanto ao que ele deveria fazer para tirar a Igreja dos cuidados do Inácio. Ele me perguntou se eu lhe apoiaria no seu plano. Os demónios dentro de mim disseram-me para eu dizer ao Amândio que eu lhe apoiaria no seu plano sim. Eu concordei com os demónios e eu disse ao Amândio que eu lhe apoiaria no seu plano. O Amândio me disse que dentro em breve ele iria enganar ao Inácio que ele estava a ficar bloqueado pelos demónios e que por meio desse engano, ele bateria nos membros da Igreja, e lhes levaria a revoltar contra o Inácio, pois ele iria lhes enganar que tudo o que ele lhes fazia era por ordem do Inácio, e que o Inácio estava do seu lado. Que assim os membros da Igreja se revoltariam contra o Inácio e largariam a Igreja, e o Inácio pelo contrário ficaria sempre pensando que ele Amândio era inocente. Que os da Igreja que sobrassem apoiariam a ele Amândio e ficariam contra o Inácio. Ele me disse se eu lhe apoiaria no seu plano. Os demónios disseram-me para eu dizer-lhe que eu lhe apoiaria no seu plano, eu concordei com os demónios e eu disse ao Amândio que eu lhe apoiaria no seu plano sim.

6- Um dia, quando já morávamos no cenáculo, lembro que eu estava no apartamento do Inácio, então eu fui até ao quarto do Inácio, mas quando eu entrei eu vi que o Inácio estava deitado e coberto com um lençol branco. Quando eu olhei para o Inácio, os demónios me disseram para eu apanhar uma faca e para eu encravar no peito do Inácio, sem ninguém se aperceber. Eu ouvi os demónios calmamente, e sabendo bem que eram os demónios que falavam comigo, e que eu não devia concordar com os demónios que são malignos e mentirosos, mas sim com DEUS e o Inácio que sempre foram misericordiosos comigo, mesmo assim eu conscientemente e livremente disse-lhes que eu faria isso sim, mas quando eu concordei com os demónios para fazermos isso, eu pensei em como fazer isso, e pareceu-me logo difícil porque eu não tinha comigo faca, e nem sabia aonde encontrar uma faca para fazer isso naquele momento, então os demónios me disseram para eu deixar, que faríamos isso então numa outra altura. Isso aconteceu na época em que eu fingia menos que estava bloqueada.

7- Lembro que algum tempo antes do Inácio ter falado comigo sobre a necessidade que temos de fazer a confissão dos nossos pecados, teve um dia que eu estava no quarto do Inácio bloqueada fisicamente pelos demónios residentes em mim, mas por acordo e não por força, com a mente completamente livre e com poder de decisão, vendo, ouvindo e sentindo tudo à minha volta. Então enquanto os demónios falavam com o Inácio, eles me mostraram uma pedra de mar que estava sobre a mesa do Inácio, e disseram-me na mente para eu apanhar essa pedra e para eu atirá-la na cabeça do Inácio. Quando os demónios me disseram isso, eu concordei logo com os demónios para fazermos isso, e lembro que eles demónios iam andando comigo dentro da sala do Inácio enquanto me mostravam constantemente a pedra para eu apanhar e atirar na cabeça do Inácio, só que eu depois de ter concordado com os demónios em fazer isso, quando eu olhei para o Inácio, eu perdi toda a coragem em fazer isso, porque na minha mente veio a lembrança de muitas coisas boas que o Inácio tinha feito para mim, então eu disse aos demónios que não faria isso naquele dia, e eles me disseram que não tem problema que deixaríamos isso para outra altura. E os demónios me disseram, para eu dizer ao Inácio que eles demónios tinham me dito para eu pegar na pedra que estava sobre a sua mesa e para eu atira-la na cabeça do Inácio, então para ele tirar essa pedra da sua sala, que assim pelo menos, eu ganharia mais confiança do Inácio, e espaço para mata-lo numa outra altura. Eu ouvi os demónios calmamente, consciente que era algo que o Inácio não merecia por todo o bem que o Inácio sempre me fez, e que eu não devia concordar com os demónios mas sim com DEUS e com o Inácio, mas mesmo assim, conscientemente, livremente e sem remorsos nenhuns, eu concordei com os demónios em fazer isso, e na prática, eu disse ao Inácio que os demónios tinham me dito para eu pegar na pedra que estava sobre a sua mesa e para eu atira-la na sua cabeça (dele Inácio), então para ele tirar essa pedra da sua sala. Eu disse isso para o Inácio, para eu ganhar mais a confiança do Inácio, e assim espaço para mata-lo numa outra altura. Os demónios me disseram só para eu não contar ao Inácio que eu tinha concordado com eles em atirar a pedra na cabeça do Inácio, eu concordei com os demónios e disse-lhes que eu não ia contar ao Inácio que eu tinha concordado com eles demónios em atirar-lhe a pedra na cabeça.

8- Lembro que quando eu aparentava para a Igreja estar bloqueada e sem poder de decisão na mente, um dia, eu estava deitada na sala da casa do Amândio, Então o Amândio me disse: Vera, quando o Inácio vier para o Fogo, certamente o Inácio vai procurar desmascarar-nos perante a Igreja do Fogo, dizendo-lhes que na verdade não estamos bloqueados por força, mas que estamos fazendo tudo isso em acordo com os nossos demónios. Os demónios que moram em mim me disseram que o Amândio tinha razão no que ele tinha-me dito, e eu concordei com os demónios que o Amândio tinha razão no que ele tinha me dito. Então os demónios disseram-me para eu dizer ao Amândio que certamente era isso que o Inácio ia fazer, eu concordei com os demónios e disse ao Amândio que certamente era isso que o Inácio ia fazer. Então o Amândio me disse que antes disso nós tínhamos de matar-lhe. Os demónios que moram em mim, me disseram novamente que o Amândio tinha razão no que ele tinha me dito, eu concordei com os demónios que o Amândio tinha razão no que ele tinha me dito e concordei com o Amândio e com os demónios que tínhamos de matar o Inácio. Os demónios do Amândio então naquele momento falaram através do Amândio e disseram-me que não precisávamos nos preocupar, que eles demónios não iam nos deixar perder a honra que tínhamos ganhado na Igreja do Fogo graças a eles. Quando eu ouvi os demónios do Amândio me dizendo isso, os demónios que moram em mim me deram alegria com o que eles disseram, eu concordei com os demónios e fiquei alegre com o que os demónios do Amândio me disseram. Também naquele momento os demónios que moram em mim deram-me vontade para o Inácio não vir para o Fogo, para eu não perder a honra que eu tinha ganhado entre os irmãos do Fogo, eu concordei com os demónios e senti vontade para o Inácio não vir para o Fogo, para eu não perder a honra que eu tinha ganhado entre os irmãos do Fogo. Os demónios do Amândio me disseram que já tinham preparado todo um plano à volta da vinda do Inácio para o Fogo, que eles iriam nos comunicar na devida altura. E assim naquele momento terminaram a conversa e de novo continuamos a falar eu e o Amândio, mas esse assunto terminou por aqui.

9- Um dia de manhã, às 9:00, eu e o Amândio estávamos na sala da sua casa, então o Amândio disse-me que tínhamos de trazer o Titi e o Branco de volta para a Igreja, porque não conseguiríamos dominar a Igreja do Fogo e a Igreja de Ponta D’Água só nós os dois (eu e o Amândio). Os demónios disseram-me que o Amândio tinha razão, eu concordei com os demónios que o Amândio tinha razão e eu disse ao Amândio que ele tinha razão. Então o Amândio disse-me que tínhamos de falar com o Cando, para dizermos-lhe que ele tinha de ir buscar o Branco lá na Tenda El Shaday, porque o Branco tinha de voltar para a Igreja. Os demónios disseram-me que o Amândio tinha razão, eu concordei com os demónios e eu disse ao Amândio que ele tinha razão. O Amândio disse-me que iriamos depois enganar o Inácio que o Branco tinha de voltar para a Igreja por ordem de DEUS, porque ele tinha de passar por testes, os demónios disseram-me que o Amândio tinha razão, então que devíamos fazer isso, eu concordei com os demónios e eu disse ao Amândio que ele tinha razão, que nós devíamos fazer isso. O Amândio disse-me então para telefonarmos ao Cando na Praia, e para dizermos-lhe que tinha chegado o momento que ele deveria ir buscar o Branco na Tenda El Shaday, os demónios disseram-me que o Amândio tinha razão, então para eu dizer-lhe para fazermos isso, eu concordei com os demónios e pensei que o Amândio tinha razão, e eu disse ao Amândio para fazermos isso. Então o Amândio pegou o seu móvel e ele telefonou ao Cando na Praia, quando o Cando atendeu o móvel, o Amândio disse-lhe que já tinha chegado a hora dele Cando ir buscar o Branco lá na Tenda El Shaday, então que contávamos com o Cando para ele fazer-nos esse trabalho. O Cando nos disse que não tinha problema, que ele iria buscar o Branco lá na Tenda El Shaday. O Amândio disse-lhe para ele dar-nos depois informações quanto a se ele fez isso ou não. O Cando respondeu-nos e disse que ele iria dar-nos informações sim. Então o Amândio despediu-se dele e desligou o móvel. Quando o Amândio desligou o móvel, ele disse-me que agora era uma questão de tempo até termos a nossa equipa pronta para o trabalho arrancar em alta. Ainda o Amândio disse-me que teríamos de nos preparar para quando o Branco viesse para o Fogo, para fazermos-lhe a cabeça para ele revoltar-se contra o Inácio e contra a Igreja e para ele obedecer-nos em tudo. Quando o Amândio disse-me isso, os demónios disseram-me para eu dizer ao Amândio, que ele podia deixar comigo, que quando o Branco chegasse no Fogo eu iria seduzi-lo de tal forma, que o Branco nos obedeceria cegamente, eu concordei com os demónios e eu disse ao Amândio que ele podia deixar comigo, que quando o Branco chegasse no Fogo eu iria seduzi-lo de tal forma, que o Branco nos obedeceria cegamente. Os demónios deram-me vontade de rir, eu concordei com os demónios e eu ri e o Amândio também riu.

10- Mais tarde, mas nesse mesmo dia, estando eu na casa do Amândio, ele Amândio disse-me para telefonarmos ao Cando, para sabermos como iam as coisas, os demónios disseram-me para eu dizer ao Amândio para fazermos isso, eu concordei com os demónios e eu disse ao Amândio para fazermos isso. Então o Amândio telefonou ao Cando e quando o Cando atendeu o móvel, o Amândio perguntou-lhe se ele já tinha ido buscar o Branco, o Cando respondeu-lhe que sim e que ele estava junto do Branco, então o Amândio pediu-lhe para ele passar o móvel ao Branco, e o Cando disse que sim e passou o móvel ao Branco. Quando o Branco tomou o móvel, o Amândio saudou-lhe e o Amândio perguntou-lhe como é que ele estava. O Branco disse ao Amândio que ele estava bem, e que ele não estava a entender bem o porquê de ele ser chamado de volta para a Igreja já que ele era anátema, então o Amândio disse-lhe que ele não era anátema, mas que ele tinha uma grande missão a desempenhar na Igreja, mas que ele não comentasse essa parte da conversa com o Inácio e que quando ele Branco chegasse no Fogo, ele Amândio lhe explicaria tudo. Então o Branco disse tudo bem. O Amândio disse a seguir ao Branco que ele Amândio ia passar-me o móvel para eu Vera falar com o Branco. O Branco disse ok, então o Amândio passou-me o móvel, e os demónios me disseram para eu saudar o Branco simpaticamente e para eu perguntar-lhe como ele estava, mas tudo de forma meiga para seduzir-lhe, eu concordei com os demónios e eu saudei o Branco simpaticamente e eu perguntei-lhe como ele estava de forma meiga, para eu seduzir-lhe. O Branco disse-me que ele estava bem e que nem acreditava que estava a ouvir a minha voz de novo. Então os demónios disseram-me que o Branco era fácil demais, que ele já estava caçado já, eu concordei com os demónios e pensei que o Branco era fácil demais, que ele já estava caçado já. Então os demónios disseram-me para eu dizer ao Branco que eu ansiava em vê-lo, então para ele vir logo para o Fogo e para ele não contar ao Inácio nada sobre a conversa que ele tinha tido comigo e com o Amândio, eu concordei com os demónios e eu disse ao Branco que eu ansiava em vê-lo, então para ele vir logo para o Fogo e para ele não contar ao Inácio nada sobre a conversa que ele tinha tido comigo e com o Amândio. Quando eu disse isso para o Branco, o Branco disse-me que ele faria tudo como eu lhe disse. Então os demónios disseram-me para eu despedir-me do Branco, eu concordei com os demónios e eu despedi-me do Branco. Então o Amândio disse-me que Graças a DEUS tudo estava a mostrar-se a nosso favor, então os demónios deram-me vontade de escarnecer porque o Amândio disse Graças a DEUS, eu concordei com os demónios e eu escarneci do Amândio porque ele disse Graças a DEUS. Então os demónios disseram-me para eu dizer ao Amândio que o Branco já estava no papo, que ele já estava já caído por mim, então que quando ele chegasse no Fogo nós lhe faríamos a cabeça contra o Inácio e contra a Igreja facilmente, eu concordei com os demónios e eu disse ao Amândio que o Branco já estava no papo, que ele já estava já caído por mim, então que quando ele chegasse no Fogo nós lhe faríamos a cabeça contra o Inácio e contra a Igreja facilmente. O Amândio me disse para nós esperarmos, para vêr como o Branco reagiria ao chegar no Fogo, e ao entender bem o seu chamado por nós, os demónios disseram-me que o Amândio tinha razão e eu concordei com os demónios que o Amândio tinha razão.

11- Um dia de noite, eu estava sentada na mesa da sala do Amândio no Fogo, eu, o Amândio e o Branco. Então o Branco disse-nos que ele tinha um plano para executar em Ponta D’Água dentro em breve, que levaria o Inácio a perder o poder na Igreja. Quando o Branco disse isso, os demónios dentro de mim deram-me vontade para aquilo acontecer, para o Inácio perder o domínio da Igreja e eu em consciência concordei com os demónios e quis que o Inácio perdesse o domínio da Igreja. Então o Amândio perguntou ao Branco que plano era esse. O Branco disse que ele ia açoitar os membros da Igreja e que ia roubar-lhes bens, e que sempre que fizesse isso, ia dizer-lhes que estava a fazer isso, porque o Inácio é que tinha-lhe mandado fazer isso. Ele disse-nos, que assim a Igreja se revoltaria contra o Inácio e quando o Inácio fosse preso, eu o Amândio e o Branco dominaríamos a Igreja como desejamos. Quando o Branco disse isso, o Amândio disse que era um bom plano e que certamente ia funcionar. Os demónios me disseram que o plano do Branco era um bom plano, e eu em consciência, de forma livre e sem qualquer pena do Inácio ou da Igreja que sempre me fizeram bem, eu concordei com os demónios que o plano do Branco era um bom plano.

12- Um dia de noite, eu e o Amândio estávamos na sala da sua casa, mas com a luz apagada. Então os demónios do Amândio disseram-me que eles sabem que eu quero mandar na Igreja e ficar no lugar do Inácio. Nesse momento eu estava desbloqueada, mas só o Amândio é que sabia que eu estava desbloqueada, a Igreja não sabia nessa altura que eu na verdade passava algum tempo desbloqueada. Os demónios que moram em mim disseram-me para eu responder-lhes que sim, que eu queria isso sim. Eu concordei com os demónios que moram em mim e eu respondi aos demónios do Amândio que sim, que eu queria isso sim. Então eles me disseram que para isso eu poderia ter de matar o Inácio, se eu estava disposta. Os demónios que moram em mim disseram-me para eu dizer aos demónios do Amândio que eu estava disposta sim. Eu concordei com os demónios que moram em mim, e eu respondi aos demónios do Amândio que eu estava disposta sim. Eles me disseram que para isso, eles iriam-me instruir rigorosamente o que eu tinha de fazer para matar o Inácio. Eles me disseram que eu não deveria deixar que o Inácio e ninguém soubesse que eu estava bloqueada por vontade própria, mas que eu deveria continuar a fingir para todos que eu estava bloqueada por força, que mais à frente eles me diriam quando é que eu iria fingir para todos que eu tinha ficado livre pela primeira vez. Que nessa altura, eles iriam me instruir quanto aos passos que eu tinha de dar para matar o Inácio. Que por enquanto eu deveria apenas fingir que eu estava bloqueada por força. Os demónios que moram em mim, disseram-me para eu dizer aos demónios do Amândio que eu faria assim como me disseram, que eu fingiria estar bloqueada por força e não por vontade própria. Eu concordei com os demónios que moram em mim, e eu disse isso para os demónios do Amândio. Os demónios do Amândio ainda me disseram, que se eu lhes ajudasse, eles me dariam um cargo elevado na Igreja. Nesse momento, os demónios que moram em mim, deram-me por dentro vontade de ter uma posição elevada na Igreja, e eu em consciência, de forma livre, concordei com os demónios, e senti vontade de ter uma posição elevada na Igreja.

 

12- Quando eu bloqueei por vontade própria, lembro que na primeira semana, teve um dia de sábado de noite, que estando eu no rés-do-chão da casa de sacerdotes, Então os demónios me disseram que eles iam dar-me a Igreja na minha mão para eu dominar. Eu de forma atenta e com toda a disposição, ouvi os demónios e em consciência concordei com os demónios para eles me entregarem a Igreja para eu dominar. Também nesse momento, os demónios deram-me vontade que eles demónios me dessem a Igreja para eu dominar, e eu concordei com os demónios, e quis que os demónios me dessem a Igreja para eu dominar.

13- Um dia de noite, eu e o Branco estávamos na casa de sacerdotes. Estávamos deitados no quarto. Então os demónios colocaram-me na mente para eu perguntar ao Branco quando é que nós mataríamos o Inácio, eu concordei com os demónios e eu perguntei ao Branco quando é que nós mataríamos o Inácio. O Branco disse-me que ele tinha um plano para matar o Inácio e que quando ele fosse para a Praia ele iria colocar esse plano em prática. Os demónios disseram-me para eu perguntar ao Branco que plano era esse. Eu concordei com os demónios e eu perguntei ao Branco que plano era esse. O Branco me disse que quando ele fosse para a Praia, ele iria fingir para o Inácio que ele estava bloqueado a maior parte do tempo. Que então num dia em que ele estivesse a sós com o Inácio no seu quarto, ele fingiria estar bloqueado, e então mataria lá o Inácio, de forma que o próprio Inácio morreria pensando que tinham sido os demónios que o tinham matado e não ele Branco. O Branco disse-me ainda que depois ele choraria perante os membros da Igreja desesperadamente e diria que não tinha sido ele quem matou o Inácio, mas sim os demónios que moram dentro dele, que ele não queria fazer isso, mas que os demónios que moram dentro dele é que lhe fizeram fazer isso. O Branco disse que ele faria isso de tal forma, que a Igreja se compadeceria dele e ele iria ficar exaltado dentro da Igreja, e que a própria Igreja certamente lhe ajudaria a abafar esse pecado. Depois que o Branco falou isso, ele escarneceu, e os demónios dentro de mim deram-me vontade de rir e escarnecer também. Eu concordei com os demónios e ri e escarneci também junto com o Branco.

14- Um dia, eu estava no quarto do Inácio em Ponta D’Água, era de tarde. Então os demónios disseram-me para eu dizer ao Inácio que eu ia dar uma volta dentro de casa, eu concordei com os demónios e eu disse ao Inácio que eu ia dar uma volta dentro de casa. Nessa altura eu fingia para o Inácio que eu estava bloqueada pelos demónios à força. Quando eu saí da frente do Inácio, os demónios me disseram para irmos no Orfanato das meninas, para eu ir lá bater nalgumas meninas e depois dizer que tinha sido o Inácio quem tinha-me mandado bater nelas. Eu concordei com os demónios para irmos fazer isso. Para eu ir no Orfanato das meninas para bater nalgumas meninas e depois dizer que tinha sido o Inácio quem tinha me mandado bater nelas. Então eu desci até ao Orfanato das meninas e quando eu entrei lá, e passei em frente a porta da sala do Orfanato das meninas, eu vi a Denise, a Neia e a Esther dentro daquela sala. Então os demónios encheram-me de fúria contra a Denise e a Neia, e disseram-me para eu ir bater na Denise e acusar-lhe que tinha pecados, que por isso eu batia nela a mando do Inácio. Eu concordei com os demónios e eu bati na Denise com socos e acusei-lhe que tinha pecado, que por isso eu batia nela a mando do Inácio. Depois que eu fiz isso com a Denise, os demónios disseram-me para eu bater na Neia e para eu acusar-lhe que tinha pecados, inclusive de adultério contra o Tony, que por isso eu batia nela a mando do Inácio. Eu concordei com os demónios e eu bati na Neia e acusei-lhe que tinha pecados, inclusive de adultério contra o Tony, que por isso eu batia nela a mando do Inácio. Depois os demónios disseram-me para eu ir bater na Esther, eu concordei com os demónios e eu fui até à Ester para bater-lhe, mas quando eu ia fazer isso, os demónios me disseram para eu não fazer isso, porque a Esther estava do nosso lado. Eu concordei com os demónios e eu não bati na Ester porque pensei que ela estava do nosso lado (do meu lado e do lado dos demónios).

_______________________________________________

Vera Ambrozina Delgado de Brito de Pina

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.