Oito estudantes da Uni-Mindelo no Equador querem voltar para casa

5/05/2016 07:50 - Modificado em 5/05/2016 07:50
| Comentários fechados em Oito estudantes da Uni-Mindelo no Equador querem voltar para casa

estudantes universitariosA informação foi avançada em conferência de imprensa pelo Reitor da Uni-Mindelo, garantindo que os estudantes cabo-verdianos podem permanecer no país e concluir os seus estudos sem qualquer problema.

Entretanto, Graça explica que apesar do país estar a recuperar do sismo de 16 de Abril que matou pelo menos 659 pessoas, oito dos estudantes querem voltar, para já, segundo “dizem, para um curto período de férias” e os restantes não querem vir ainda, para Cabo Verde.

Neste processo, há 19 estudantes que estão, neste momento, no Equador a estudar Medicina, seis estudantes estão na Universidade Técnica de Machala e treze estudantes na Universidade Laica Eloy Alfaro De Manabi, em Manta, esclarece Graça.

Os estudantes cabo-verdianos estão no Equador no quadro da criação do processo do curso de Medicina na Uni-Mindelo que deverá estar pronto no máximo dentro de 10 anos sendo que já lá vão seis anos, de acordo com Albertino Graça, que realça o facto que as instituições universitárias do Equador, dentre as que foram contactadas, foram as que melhores condições ofereceram para o curso de medicina aos estudantes da Uni-Mindelo.

“Os nossos estudantes no Equador vão daqui com uma média de 15, mas fazem aqui em Cabo Verde, um curso pré-universitário de medicina e só depois é que têm acesso às universidades no Equador”.

Uma questão importante, como fez questão de realçar, advém do facto que os “nossos estudantes vão ao Equador fazer apenas o curso de Medicina, enquadrado efectivamente na nossa estratégia de ter, num futuro de aproximadamente de 10 anos e, neste momento, já lá vão seis, o curso de medicina em Cabo Verde.

De acordo com o reitor da Universidade do Mindelo, os estudantes cabo-verdianos recebem uma bolsa do Governo do Equador e não pagam qualquer propina nas universidades onde estão e não pagam à Uni-Mindelo nenhum “tostão”.

“São bolseiros, mas podem ter uma ideia que o Governo do Equador gasta 36 mil dólares, três milhões e quatrocentos mil escudos com cada estudante cabo-verdiano a fazer o curso de medicina no país”.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.