Monte Tchota: Entany ameaçou matar oito colegas e foi colocado de vigia com uma metralhadora AKM

2/05/2016 08:11 - Modificado em 2/05/2016 08:11

entany silvaO Comandante da Guarda Nacional, coronel Jorge Martins Andrade, considera que as investigações preliminares indicam que a matança de Monte Tchota teve origem em confrontos físicos seguidos de troça por parte de outros colegas.

“Conclui-se que esteve na origem do ocorrido um desentendimento do soldado Ribeiro com um colega, que culminou com um confronto físico, donde saiu derrotado, ficando no posto de serviço em vez de outro, tendo sido alvo de gozo por parte dos restantes colegas. “O responsável pela Guarda Nacional adiantou ainda que o soldado se considerou injustiçado e “ameaçou matar a todos, ameaça que não foi levada a sério pelos demais”. Estas conclusões, baseadas apenas nas declarações do suspeito/confesso, pois os outros estão todos mortos e levantam várias dúvidas.

A primeira: então um militar ameaça matar oito colegas e é colocado de vigia com uma metralhadora AKM  com um carregador de 32 balas? Segunda: houve uma briga entre dois soldados num destacamento e  estes não foram detidos? Não houve participação ao comando? O castigo foi fazer o serviço do soldado que não foi considerado culpado? Isto está de acordo com os procedimentos e regulamentos militares quando há confronto físico dentro de um quartel entre militares de serviço?

O suspeito/confesso das onze mortes foi detido na quarta-feira e presente a Tribunal Militar na sexta-feira, aguardando julgamento em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional Militar.

  1. atento

    Mas sim se ele tinha confrontado um colega e este levou-lhe de melhor porque matar todos? ele ajustava as contas só com aquele que tinham brigado. O quê que os dois espanhóis e o Dany tinham haver com a sua briga la na tropa com os seus colegas? Ele fez tão de propósito que segundo os jornais, o Dany correu, escondeu e ele foi la acertar-lhe um tiro? Ainda ele teve coragem de tirar fotos e exibir as fotos ?

  2. Um soldado ameaça os colegas de morte e mesmo assim é posto de sentinela a noite e armado com um AKM, e os outros foram dormir tranquilamente sem levar em conta a ameaça. O mesmo soldado depois de assasinar todos os colegas manteve no local até amanhecer e assasinou os três civis ao chegarem ao local que não tinham nada a ver com o assunto, depois, disso apoderou de todas as armas e munições trouxe para a cidade da praia o que veio a ser encontrado abandonado na cidadela-palmarejo. e para finalizar aparece um taxista “réfém” na comunicação social com um resumo muito bem feito e decorado, para gozar com os cabo verdianos. Por favor senhores da investigação criminal não caem nessa história de tio patinhas, e descartar outras hipóteses. esse taxista vai ser um bom elemento a partir do qual podem começar a fazer uma boa investigação e trazer a verdade ao povo e as famílias das vitimas.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.