São Vicente: UE financia 500 mil euros para desenvolver turismo rural

19/04/2016 08:19 - Modificado em 19/04/2016 08:19

euros

“Rede de Promoção do Turismo Solidário e Inclusivo do Desenvolvimento Sustentável e Valorização do Território da Ilha de São Vicente”. O lançamento do projecto aconteceu no Mindelo, nesta segunda-feira, na sala de conferências do Hotel Porto Grande e foi presidido pelo Embaixador da União Europeia em Cabo Verde e pelo Presidente da CMSV.

Financiado pela União Europeia, o projecto terá a duração de dois anos e meio e o montante do financiamento ronda os 500 mil euros. O projecto tem como objectivo a valorização e o fortalecimento das práticas do turismo de base solidária e comunitária nas zonas isoladas de São Vicente.

Em entrevista aos jornalistas, o coordenador do projecto e presidente da Associação Amigos da Natureza, Aguinaldo David, diz que o projecto serve para “quebrar” um ciclo vicioso que existe, onde as comunidades rurais não participam na riqueza que se cria com o turismo que se desenvolve a nível nacional.

Para isso, “pretendemos, actuar em três eixos, sendo o primeiro a Governança a nível do turismo comunitário e solidário, o segundo a economia solidária e o último, a sensibilização, a educação e também a investigação académica”.

Pretende-se com o projecto, segundo David, capacitar as organizações da sociedade civil para que possam estar preparadas para desenvolverem os seus negócios rurais e capacitá-los a nível de recepção de guias turísticos para que possam participar no processo de desenvolvimento turístico do País.

Para a valorização do território, serão desenvolvidos roteiros turísticos que passam pelas comunidades de forma a trabalhar certos recursos ecológicos e complementando esses investimentos com investimentos em termos de infra-estruturas comunitárias de forma a melhorar o atendimento aos turistas e fazer com que se fixe alguma riqueza no território.

José Pinto Teixeira, Embaixador da União Europeia em Cabo Verde, avança que pelo crescimento do turismo em Cabo Verde e pelo potencial que se está a desenvolver a nível turístico, há muito para diversificar e, conforme refere, “até agora o turismo em Cabo Verde é um turismo de massa, centrado maioritariamente no Sal e na Boavista, pelo que o resto do País tem beneficiado muito pouco”.

Para tal, é preciso melhorar a atractividade turística dessas ilhas, com ofertas e diversidades, para fazermos conhecer e atrair turistas, afirma o Embaixador.

  1. Francisco andrade

    Boa iniciativa. Tenho fé que agora com pessoas competentes e qualificadas SV sairá do marasmo que tinha sido colocado. Agora é pensar no desenvolvimento da ilha e quiçá elaborar estratégias para as outras ilhas.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.