Cabo Verde em Marrocos à procura da “revange”

28/03/2016 08:29 - Modificado em 28/03/2016 08:29

tubaroes azuisDepois da derrota frente a Marrocos no sábado passado, Cabo Verde pretende, esta terça-feira, dia 29, dar a volta ao resultado e garantir de novo a liderança do grupo F de qualificação para a Copa de África das Nações (CAN2017).

O seleccionador Nacional, Beto, acredita que a selecção pode reassumir a liderança do grupo apesar das dificuldades que possam ser encontradas em Marraquexe.

Contudo, alguns mindelenses questionados sobre a prestação da selecção agora considerada como o número um em África, no jogo frente a Marrocos, onde perdeu por 1-0 com o único golo da partida apontada na primeira parte por intermédio de El-Arabi que joga no Granada (Espanha) na conversão de uma grande penalidade após falta de Kay, antigo central do Belenenses, mostram-se pouco optimistas e críticos em relação ao jogo disputado este fim-de-semana.

De acordo com Jerson Rodrigues, para uma selecção que está no topo das melhores selecções de África, fez um jogo aquém do esperado e daquele com que tem acostumado o povo das ilhas. “Temos de criticar porque quando vemos uma equipa perder a sua identidade, mal estruturada tacticamente e que não pressionava o adversário, algo que o treinador garantiu que seria a forma de jogar da equipa, que praticamente jogou recuada”.

Para este adepto da selecção nacional, “Beto” falhou gravemente em casa e não consegue imaginar a prestação da equipa fora, mas como cabo-verdiano, está esperançoso num bom resultado em Marraquexe.

Paulo também é da mesma opinião e avança ainda que Cabo Verde atingiu um patamar elevado no futebol internacional e, sendo assim, as exigências são outras. “Quando não joga bem e não joga de acordo com a sua posição no ranking tem de ser criticado. Não jogámos como a melhor de África, longe disso”.

Para além da prestação dos jogadores em campo, Zé Luís foi o jogador que mais foi alvo de críticas dos adeptos que consideraram “falta de respeito” a atitude do avançado do Spartak de Moscovo que abandonou o relvado sem autorização do árbitro e sem dar tempo suficiente para o seu substituto aquecer.

Com a derrota, Cabo Verde, cai para o segundo lugar do grupo, São Tomé e Príncipe está em terceiro lugar do grupo com três pontos, enquanto que a Líbia é última sem qualquer ponto.

Cabo Verde tem 6 pontos, 9 golos marcados e 3 sofridos, dando um saldo positivo de 6 golos. É o segundo melhor classificado da fase de qualificação para o CAN 2017.

Recorda-se que para além dos 13 primeiros classificados de cada grupo, os dois melhores segundos classificados mais o Gabão, que é o anfitrião, completarão a lista de 16 selecções apuradas para a fase final do CAN 2016.

Os outros segundos melhores classificados são as selecções da Mauritânia e do Burkina Faso, todos com 6 pontos e um saldo positivo de 2 golos marcados.

Convocados:

Guarda-Redes: Nilson (Bairro – Cabo Verde), Vozinha (Zimbru – Moldávia) e Somada (Gil Vicente – Portugal);

Defesas: Gegé (Arouca – Portugal), Kay (Universidade de Craiova – Roménia), Carlitos (Omónia Nicósia – Chipre), Fernando Varela (Steaua de Bucareste – Roménia), Stopira (Videoton – Hungria), Steven Fortes (Le Havre – França) e Tiago (Belenenses – Portugal);

Médios: Calú (Zimbru – Moldávia), Babanco (Estoril – Portugal), Jamiro (Cambur – Holanda), Marco Soares (Limassol – Chipre), Nuno Rocha (Universidade de Craiova – Roménia), e Sténio (Cherno More – Bulgária).

Avançados: Garry (PAOK de Salónica – Grécia), Nhuck e Kuca (Rio Ave – Portugal), Ricardo Gomes (Nacional da Madeira – Portugal), Júlio Tavares (Dijon – França), Odair (Reims – França) e Ryan (Nottingham Forest – Inglaterra).

  1. Djack

    Cabo verde com três médios defensivos e sem a dupla de central Gegê e Varela fica difícil ganhar seleções fortes como o Marrocos.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.