São Vicente/legislativas: Vencedores

24/03/2016 08:04 - Modificado em 24/03/2016 08:04

mpdTodas as eleições têm vencidos e vencedores. Às vezes, não é clara a fronteira entre a derrota e a vitória, outras vezes, há um abismo entre vencidos e vencedores e parece ser este o caso de São Vicente.

Vencedores:

Ulisses Correia e Silva

A sua estratégia para São Vicente foi de risco, a começar pela escolha do cabeça de lista que saiba que não era uma figura consensual. Também por optar por um marketing político centrado na sua pessoa “AMI é Ulisses” em detrimento do partido. Isto porque se na Praia a figura de Ulisses trazia uma mais valia ao partido, em São Vicente não parecia ser assim. Mas em política, como no futebol, a melhor estratégia é a que vence. O resto é conversa atirada ao vento. Ulisses sabia que vencer em São Vicente não seria fácil, mas soube aproveitar os erros do adversário, trabalhar com humildade e firmeza. Acabou por contrapor a uma certa arrogância e agressividade do seu adversário uma dose q.b. de tranquilidade e humildade que conquistou a maioria do eleitorado mindelense. É verdade que o PAICV fez a sua parte para perder em São Vicente, mas Ulisses fez a sua para vencer.

João Gomes

É sem dúvida o principal vencedor em São Vicente. Primeiro, porque se propôs de ganhar e ganhou. Cumpriu o objectivo que o partido lhe entregou e ainda por cima serviu o bolo da vitória com a cereja no topo, com o terceiro lugar do PAICV e mais de 15 mil votos e 5 deputados. Mas João Gomes é vencedor porque poucos acreditavam que ele fosse capaz de tal façanha, depois de 15 anos onde figuras de proa do MpD naufragaram nas três ondas amarelas do PAICV. É vencedor porque teve de gerir os vários egos do MpD, quando todos queriam lugares elegíveis e outros mesmo elegíveis queiram outras posições. Cedeu onde devia ceder, conciliou e fez das fraquezas forças. Não era um cabeça de lista forte, mas tornou-se num líder que aglutinou as vontades e os egos.

Augusto Neves

O Presidente da Câmara Municipal de São Vicente meteu férias e colocou-se à disposição do seu partido. Sempre que foi chamado a intervir não virou a cara ao confronto político. Podia ter-se escudado no seu papel de Presidente da CMSV, mas vestiu a pele de militante fez o porta a porta, foi à luta política nos bairros onde se movimenta melhor, deu luta ao PAICV e aos seus parceiros da UCID na Câmara. Augusto Neves é um activo do MpD em São Vicente, quiçá o maior e colocou isso ao serviço do seu partido e da mudança política que se operou na ilha. Fez bem? Fez mal? Os resultados do dia 20 dizem que sim. Veremos o que o eleitorado diz sobre isso nas próximas eleições municipais.

  1. Julio Goto

    … das personagens saovicentina que mais ter criticado o governo de Jose Maria Neves pelas chicotadas que a ilha tem levado nas costas .Sao eles o Monteiro, o Cuxim e o Augosto Neves.

  2. Melanie Évora

    João Gomes, Augusto Neves, o Grande Ulisses Correia e Silva, e outros tantos, porque não há espaço para nomear os respectivos nomes, estão todos de parabens por terem conduzido o povo para esta necessária mudança. Desejo-vos força, coragem porque “eles comeram a fruta, comeram a fruta e não deixaram nada”, mas os do MPD têm inteligência e força suficientes para tirarem o nosso querido país da lama. Trabalhem pela descentralização e pela unidade do Povo, porque se derem a Deus o que é Dele e a César o que também é dele, o Povo de CV estará unido, não haverá problemas. O José Maria Neves é que estava a conduzir o país para o abismo, aumentando as diferenças entre as ilhas e com a sua política centralista. Força e sucessos!!!

  3. hl

    O Noticias do Norte a acender Uma vela para deus e uma para o Inferno (PAI e Mpd). Digo que a vitoria foi do povo de Cabo Verde. Que ficou a espera calado para o dia do voto e o fez tão bem. Em São Vicente vê-se bem quem Ganhou Foi a Ucid que só não ficou em primeiro lugar pq muita gente só pensava em tirar o PAICV do poder dando o voto ao Mpd. Vamos parar de dar graxa aos politicos pq não passam de meros servidores do Povo. Sera que ninguem consegue ver que a unica alternativa era votar o MPD. ó inteligencia rara.

  4. Nelson Cabral Lopes

    A CMSV fez o mandato inteiro a fazer oposição ao Governo e sem querer, a penalizar SV. E agora? vamos ver.

  5. Silva

    O Alcides (Txébss) Graça, um dos grandes pressentes-ausentes perdedores nessas legislativas, em vez de OIÁ PÁ LADO, e ver como é que as coisas corriam do lado do MpD, fez precisamente o contrário ao Augusto (Guste) Neves – impor a sua “estratégia” de Líder Local à estratégia da Líder Nacional do PAICV. Enquanto Guste metia férias para se entregar de corpo e alma ao Ulisses e ao João Gomes (aquele da Praia a outrora tão mal-fadada Cidade Capital do País na Ilha que “engole os recursos do país”, este adversário virolento numa disputa interna da liderança dos Ventoínhas na Ilha do Monte Cara), Txebss punha o seu egocentrismo ao mais alto nível, a ditar regras ao Partido, de que, quem devia formar listas paras as legislativas, apresentar moções (plataformas eleitorais), digirir e conduzir campanhas eram as Comissões Políticas Regionais. Logo fogo aberto {Alcides, Franklim, Tonga, Filomena, Modesto, Hermes 1, … } x {João do Carmo, Inocêncio, Graciano, Nilton, Vanda, Patxa, Antero, Hermes 2 …}. E foi assim durante 6, mas 6 meses de guerra (política, claro) aberta em dezenas de reuniões, de deserções, de dissertações, de ofensas, de cartas abertas, de campanhas internas (para a causa de um e de outro) … ou seja o PAICV não defrontou o MpD e a UCID em São Vicente. O PAICV defrontou-se a si próprio. Mais enquanto a Janira Hopffer Almada, Líder incontestável do PAICV tentava fazer vincar uma estratégia inclusiva para a temporada eleitoral – Legislativas, Autárquicas e Presidenciais, procurando renovar na continuidade as hostes tambarinas, associar experiência e “novas caras” (incluindo juventude), mediando as tentativas bélicas, demonstrando que o partido é formado de milhares de militantes, e que cada um pensa pela “própria cabeça”, tem quadros suficientes para formar listas totalmente diferenciadas para cada pleito, tem a missão de servir as pessoas, mas não de servir-se a si mesmo, etc., cada um dessas partes fazia o seu finca-pé, importando só por demonstrar que estava certa e que “a outra parte é que estava errada”. Mais, a estratégia usada pelo Augusto, muito bem conseguida, de fazer campanha como militante de alta craveira, não (necessariamente) como candidato, foi totalmente renegada pelo Txebss, que dissertou que, para passar por um teste autárquico, primeiro tinha que ser eleito Deputado Nacional. Mas quo vadis Deputado Nacional a tomar posse em Abril para renunciar em Julho, para se tornar candidatável ao Orgão Executivo Autárquico, para as eleições de Agosto ou Setembro. … ou seja o PAICV não defrontou o MpD e a UCID em São Vicente. Defrontou-se a si mesmo! Com isso, o partido tambarina passou a ter apenas 24% de chances de ganhar São Vicente nas autárquicas que se aproximam. Só um milagre pode melhorar esse score, e há quem acredite nele … quem sabe as várias sensibilidade se unam … entre elas sensibilidades “Inocêncio”, “Aristides”, “Cristina”, “Zé Maria”, “Filú”, “Júlio”, “João do Carmo”, “Filomena Martins”, “Alcides”, “Antero”, … ou estão mandar muita dessa gente para a reforma e preparar-se para o novo ciclo político partidário de oposição construtiva em toda a parte, como bem e cantou a Líder JHA. Autodestruição ou desagregação de certeza que não haverá, pois há valores e princípios defendidos por todos. A questão é como materializa-los, em unidade. Espero, a próxima revisão da carta-magna do partido tambarina dê mais prerrogativa à Presidente à semelhança da que os ventoinhas deram ao seu Líder, de escolher até 30% dos candidatos, respeitados alguns critérios objectivos.

  6. dirce

    Pois é, andaram a prometer um governo por cada ilha e agora “descobriram” que tal so é possível se o paicv e a ucid aprovaram.

  7. Melanie Évora

    Acham que o Povo iria atribuir um 4º mandato aos PAICVistas? Hum, o Tchéps estava raivoso porque com o quarto lugar na lista sabia de antemão que não seria eleito deputado. E o dinheirinho como deputado cairia muito bem vindo nos bolsos dele. E os outros velhos, procuraram ocupar os três primeiros lugares da lista porque sabiam que o PAICV já não seria Governo, logo mesmo o vencimento como deputados iria cair-lhes bem nnos bolsinhos,não é assim Manuel Inocente, Filomena Martins Emprestado e João do Carmo Cabeça de Mármore? Hum, passaram a perna aos mais novos!! Ó Manuel Inocente, qual será a sensação de brevemente deixar de receber o xorudo vencimento da CV Telecom em troca do vencimento de deputado inocente? Hum, gostosa a sensação! Boa sorte e trabalhem pelo menos uma vez na vida, pocha!!!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.