Regionalização: OS diz que Mindelo não será o quintal da Assomada

27/08/2012 01:48 - Modificado em 27/08/2012 01:48

Silveira, também, aponta o dedo a  uma certa elite  “que nega qualquer protagonismo à cidade do Mindelo, que dentro de dez anos, profetizam, deixará de ser a segunda cidade de Cabo Verde para ser um quintal da Assomada. Eles, que não sabem subtrair e somar em assembleias de voto, são deveras mestres na arte de confundir

 

Num artigo de opinião publicado na semana passada, no jornal a Asemana, Onésimo Silveira  defende a regionalização com  carácter de urgência  e de salvação nacional . No seu entender  é a “a única solução que nos possa evitar fracturas sociais, profundas assimetrias económicas e desequilíbrios políticos acentuados, capazes de causar estragos irreparáveis à unidade nacional” Silveira defende uma  regionalização  “materializada na ilha-região, essa realidade geográfica, social e cultural, criada longe do poder central com plena autonomia de iniciativas, que é testemunho vibrante da tenacidade dos homens e mulheres das ilhas”. O ex – deputado nacional defende a que “A regionalização parece-nos também como a única forma de esconjurar o despotismo para longe do nosso país.Por isso, há um sentido evidente de urgência na necessidade de actuar para definir o tipo de regionalização que sirva melhor os superiores interesses de Cabo Verde.”

Mas Onésimo tem identificados aqueles  , que no  seu entender , se apresentam como obstáculos  a regionalização. E o carro-chefe tem a  cabeça aqueles que chama de fundamentalistas.Silveira diz que são contra a regionalização porque “Para eles, não há ilhas, mas sim uma ilha-continente; não há sociedades cabo-verdianas, mas sim a sociedade da sua ilha; não há crioulos, mas sim um crioulo, o seu, que a “língua materna”  tem de impor às ilhas periféricas. Silveira também aponta o dedo a  uma certa eleite  “que nega qualquer protagonismo à cidade do Mindelo, que dentro de dez anos, profetizam, deixará de ser a segunda cidade de Cabo Verde para ser um quintal da Assomada. Eles, que não sabem subtrair e somar em assembleias de voto, são deveras mestres na arte de confundir…., é a macrocefalia no seu zénite, programando actividades que dificilmente conciliam eficácia, direito e ética. “

 

Com este artigo Onèsimo  Silveira posiona-se para o debate spbre a regionalização  que o primeiro-ministro diz que vai lançar, repudiando como ponto de partida “a tirania da maioria legal” Pois como ele defende “Tenhamos, no entanto, em linha de conta que a definição da democracia não se esgota com a maioria e que a democracia constitucional, que foi nossa conquista, afasta qualquer ideia de ditadura mioritária, já que esta só poderia consubstanciar uma ameaça séria para a vida social. “Não, a lei não pode destruir o Estado”

 

  1. Cidadão

    «…que (…) Mindelo (…) deixará de ser a segunda cidade de Cabo Verde…». Mas há algum mal nisso? Não será mentalidade de gente complexada que pensa que tal cidade TEM DE ser a segunda (ou primeira) do país? Não é mais importante pensar noutros problemas? Que uma cidade ou vila, por menor que seja, tem mas é de garantir condições condignas para a vida dos seus habitantes, e não interessa o tamanho? Mais uma vez, Onésimo Silveira no seu melhor, populista e inflamatório!

  2. JAILSON

    Esse Onésimo é grande parvo e palerma e acha-se que é intelectual. Quem é você para faltar ao respeito aos santacatarineses. Por acaso, achas que és mais intelegente do que todos os santacatarinenses. Fique sabendo que um homem intelectual nunca generaliza o que quer que seja nas suas observações ou análises, aliás o acto de generalizar não tem nada de científico. O que é que você tem contra os santacatarinenses? Inveja?

  3. Manuel S. Mendes

    Simplesmente genial e fantástico!Onésimo Silveira no seu melhor!De facto se vivemos numa democracia,as potencialidades têm de ser exploradas para o desenvolvimento harmonioso do país lá onde elas se encontram e com a participação daqueles que estão ao seu alcance.Estou de acordo com este posicionamento do Dr.Onésimo Silveira em como nenhuma Ilha deve sobrepôr às outras,visto que cada um tem a sua potencialidade e deve estar ao alcance e na autononomia dos seus habitantes.

  4. Caboverdiano

    Felizmente que este discurso é apenas dos extremistas como o senhor Onésimo, e não do povo de Mindelo. Mindelo nunca vai ser quintal de Assomada pela simoples razão que Assomada não precisa desse quintal. A ser quintal de alguém, seria antes de Santo Antão que, aliás, já possui um parte considerável da sua população em S.Vicente. Mais: Santo Antão está a desnvolver com auto-estima, com trabalho e com perseverança, o que nem sempre acontece em SV. Não há «ilha continente» e nem há crioulo «papão». Há ilhas onde o trabalho é um desígnio de todos e onde a luta pela afirmação e valorização da expressão linguística local é um desafio e não uma alienção, como aquela que só existe em mentes obtusas como aquelas dos extremistas e demagogos como … (advinhem o nome). Caboverdianamente, MSM.

  5. Carlos Fontes

    Essa mania, que já parece psicose, dos sanvicentinos culparem o seu atraso à ilha de Santiago, irrita. A maioria dos quadros em posição destaque são originários das ilhas de Barlavento – São Vicente principalmente. Esta raça é preguiçosa e só gosta da boa vida. Por isso o cartão postal é festival BG, Carnaval e Mindelect. Capital cultural? Nem por isso, Mito! O que se produz (qualidade e quantidade) em termos de cultura em Santiago ultrapassa de longe. As pessoas têm que perceber que são dinâmicas. Boa Vista e Sal já estão ultrapassar São Vicente… E a culpa é de quem? Parem com isso.

  6. Pereira

    O sr. Onésimo Silveira quando diz que Mindelo não será o quintal de Assomada, onde eles não sabem subtrair e somar em assembleias de voto, o homem sabe muito bem o que quer dizer ! Também sabe muito bem que lá para as bandas do STJ não sabem subtrair e somar ! Agora só resta ao sr. Onésimo Silveira perguntar a si próprio o que lhe levou a escrever o livro “A tortura em nome do partido único” e o que lhe levou a voltar a comer no mesmo prato com os camaradas.

  7. José Badiu

    Desenvolvimento se constroi com pessoas. Como é que S. Vicente quer se desenvolver se as pessoas querem viver na cidade da Praia?

  8. Naiss

    Todo o mundo assistiu a essa triste novela das ultimas eleições, onde duas assembleias de voto do concelho de Santa Catarina não acertaram nas contas de somar e subtrair para o apuramento dos resultados! O Dr. Onesimo Silveira, como intelectual e homem arguto que é, aproveitou para ilustrar o seu ponto de vista. É que foi escrito num dos jornais da terra, há algum tempo atràs, que Assomada dentro de dez anos será a segunda cidade do país! Ora, se levarmos em linha de conta que todo o concelho de

  9. Naiss

    Santa Catarina não tem o numero de habitantes que tem a cidade do Mindelo e que se trata de um concelho predominantemente rural e interior, portanto sem porto e sem industrias, fàcilmente se vê que se trata de uma falácia. Mindelo foi sempre um polo irradiador de cultura para todo o arquipelago e não é só de festivais, agora reproduzidos por todas as ribeiras e cutelos mas tambem do carnaval, do fim do ano, das festas Joaninas, do Mindelact etc. Possui industrias como a Cabnave, a Frescomar que

  10. Naiss

    representam mais de 60 por cento das exportações do país, a Moave cuja farinha e derivados é distribuida por todo o pais, isso para só falar de algumas. Os outros exportam “farinha” mas doutro tipo e para outros fins. E não nos venham falar nesses empresários como exemplos de sucesso porque já não nos enganam! Que apareçam mais Drs Onesimo Silveira para denunciarem essa situação que é já mais do que conhecida de toda a gente? Respondam-lhe mas não com insultos!

  11. Naiss

    Peço desculpas pela repetição mas pensei que a primeira intervenção não tinha sido publicada! Obrigado

  12. S Vicente

    Sabem porque o Silveira é bairrista?
    O 1º compacto do MCA ficou práticamente em santiago.
    O 2º pacote segue o mesmo caminho
    O investimento feito na agricultura na luta contra a pobreza no meio rural
    O investimento e formação profissional feito no sector das das pescas e entregas de “Ns” botes aos pescadores no ambito da luta contra a pobreza
    A construção de dezenas de Kms de estrada construída em Santiago, quando S.Vicente recebeu apenas e só 6 km de estrada, que devia pagar apenas uma

  13. silvia rocha

    alto la senhor CARLOS FONTES , eu sou de sao vicente , gosto de trabalhar nunca vou a discotecas , e nem sou preguicosa. nao se deve generalizar as pessoas ao fazeres um comentario pois nem todas estao incluidos nesse saco que tanto alguns santiaguenses envolvem os sao vicentinos. se fossemos tao preguicosos e se gostavamos de boa vida , nao iriamos a santiago trabalhar , gracas a deus nem todas as pessoas em santiago sao ignorantes como alguns dos comentadores nessa pagina… fca dret

  14. JCO

    Meus senhores o meu comentário em relação a este assunto é a de que nem todos os participantes deste fórum estão a altura do mesmo, até o promotores deste debate “NN e OM”, o primeiro porque aceita comentários de bairristas que não traz nada a este fórum, o segundo porque ele próprio é um grande bairrista, ora vejámos quem conferiu legitimidade para que o PAICV traçasse as melhores políticas para CV, no seu entender????

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.