Homicida do ex-segurança condenado a 17 anos de prisão

15/03/2016 08:28 - Modificado em 15/03/2016 08:28
| Comentários fechados em Homicida do ex-segurança condenado a 17 anos de prisão

cadeiaO Tribunal da Comarca de São Vicente condenou o jovem Hernâni Barbosa a 17 anos de prisão. O jovem de 20 anos estava a ser acusado da prática de homicídio agravado e por posse de arma. O mesmo deverá ainda indemnizar a família da vítima no valor de 800 mil escudos.

O acto final do processo do julgamento do crime de homicídio perpetuado pelo jovem Hernâni Barbosa em Fevereiro do ano passado aconteceu na manhã desta segunda-feira. O 2º Juiz Crime entendeu acusar o arguido a uma pena de prisão de 17 anos, devendo o mesmo pagar uma indemnização de oitocentos mil escudos à família da vítima Nelson Jorge Nascimento dos Santos, ex-segurança da Silmac de 26 anos.

O corpo do ex-segurança da Silmac foi encontrado no chão já sem vida nos arredores do Tribunal. O jovem terá sido brutalmente assassinado no dia 17 de Fevereiro de 2015, madrugada do Carnaval. Sem qualquer motivo aparente, o agressor, Hernâni Barbosa, terá desferido um golpe de faca contra o pescoço da vítima que se encontrava fantasiado com uma máscara e um chapéu.

Perante o juiz, o arguido alegou que tinha sido ameaçado pela vítima e, movido pelo medo, agiu agredindo-a com uma faca que trazia no bolso. Contam os autos que, após a agressão, o arguido ter-se-á dirigido a casa onde escondeu a arma do crime comportando-se como se nada tivesse acontecido.

Contudo, o 2º Juiz considerou que o arguido agiu por livre vontade cometendo um “acto traiçoeiro, grave e sem nenhum motivo”. Ainda de acordo com o juiz, os factos ficaram provados, as declarações das testemunhas foram verdadeiras e claras de modo que não ficaram quaisquer dúvidas perante os factos.

A vítima, Nelson dos Santos, era considerada uma pessoa pacífica, por isso, para o juiz, “não parece razoável que o arguido tenha sido ameaçado pela vítima”. Portanto, agiu com predisposição para a agressão cometendo um acto cruel”.

O Tribunal entendeu condenar o arguido que é réu primário a 16 anos e seis meses de prisão pelo crime de homicídio e ainda mais 1 ano e seis meses por posse de arma totalizando uma pena de 17 anos de prisão. Aos familiares da vítima, Hernâni deverá pagar uma indemnização de 800 mil escudos.

Ao NN, Agnilson de Pina, advogado que assegura a defesa do arguido avançou que o Tribunal “não levou em conta as circunstâncias que levaram à prática do crime”. O mesmo explica ainda que a vítima terá passado pelo arguido trajado com um chapéu e com o rosto coberto por uma máscara. A vítima voltou a aproximar-se do arguido tendo-o colocado contra a parede.

Sentindo-se intimidado, retirou a arma e desferiu um golpe contra o pescoço da vítima que, infelizmente, acabou por falecer. A defesa considerou “excessiva” a pena atribuída ao seu constituinte, por isso, irá recorrer da sentença.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.