As potencialidades e um plano de acção para a região Norte

18/02/2016 08:48 - Modificado em 18/02/2016 08:48
| Comentários fechados em As potencialidades e um plano de acção para a região Norte

Exmo. Sr. Presidente do Conselho Estratégico Regional Norte

Arq.to Alexandre Novais

 

UM PLANO DE ACÇÃO PARA AS POTENCIALIDADES DA REGIÃO NORTE… PRECISA-SE

 

O Rumo começa agora… “CONSELHO ESTRATÉGICO PARA O NORTE”

De tracejado a linha contínua… chegamos no ponto sem retorno.. “camin eh pa frente”…

 

Espero que se evite o erro de só falarmos e não agirmos… a faca… o queijo.. e até os pires estão nas mãos deste “NOVO CONSELHO ESTRATÉGICO PARA O NORTE”… vendo bem e, de um prisma bem diferente… será talvez a porta que abrir-se-á para a regionalização não no formato pesado e burocrático pensado até então mas, num formato ESTADO “CLOSE TO CITIZENS”… a ver vamos…

 

Da crise à oportunidade que nos assoma:

 

“Economia marinha e marítima/Azul”

 

A estratégia «Crescimento azul» tem por objectivo apoiar a longo prazo o crescimento sustentável no conjunto dos sectores marinho e marítimo, reconhecendo a importância estratégica que os mares, oceanos e regiões costeiras assumiram na formulação de um novo modelo de desenvolvimento económico.

 

Aqui, Norte de Cabo Verde, temos todas as condições para  desenvolver a chamada “Economia marinha e marítima/Azul”:

 

  • Pescas
  • Apanha de algas e de outros produtos do mar para indústria cosmética
  • Aquacultura
  • Preparação de produtos da pesca e da Aquacultura/Piscicultura industrial
  • Congelação de produtos da pesca e da Aquacultura/Piscicultura industrial
  • Fabricação de alimentos para Aquacultura/Piscicultura industrial

 

  • Fabricação de redes e anzóis
  • Construção de embarcações metálicas e estruturas flutuantes
  • Construção de embarcações não metálicas
  • Construção de embarcações de recreio e desporto
  • Reparação e manutenção de máquinas e equipamentos
  • Reparação e manutenção de embarcações
  • Bankering

 

O SENÃO está nos transportes marítimos que ainda não têm regularidade e tabela definidas para uma melhor circulação de cargas e pessoas entre as ilhas… ponto fundamental para dinamizar a economia promover a produção Nacional e claro, garantir o abastecimento de mercados e hotéis em tempo útil…

 

 

 

A chamada “Economia Verde”

 

Economia Verde está relacionada ao conceito mais abrangente de Desenvolvimento Sustentável, e formulação de políticas envolvendo ambiente e desenvolvimento. Isso para satisfazer as necessidades das gerações actuais e futuras, a distribuição justa de recursos é imprescindível

 

Certamente, a Economia Verde apresenta boas oportunidades de negócio para as PME’s. Apesar de a ampliação da produção sustentável ainda ser um desafio, os produtos ecológicos começam a deixar de ser nicho e passam a ter parcelas significativas em alguns mercados. Além disso, o estabelecimento de processos de certificação de produtos, serviços e processos de produção verde facilita a interacção fornecedor/cliente, com melhor resultado para o consumidor e menor custo para o produtor.

 

Os alimentos de base orgânica ganharam, por exemplo, mais espaço nos mercados:

 

  • Agricultura ecológica para abastecimento de Hotéis (Sal e Boavista e mesmo nos da região)
  • Desenvolvimento e produção em Estufas ao longo do ano.
  • Desenvolvimento de novas culturas (Arroz) com base nas barragens
  • Lojas especializadas em produtos sustentáveis

 

 O Turismo

 

A Região Norte tem outro turismo a oferecer, o turismo de montanha, rural e de ar livre. As ilhas do Norte pela sua complementaridade natural oferecem ao turista que as visita o deslumbramento, o qual na maioria das vezes não possui na sua terra natal. A tal complementaridade passa pelo descobrir a cidade e o campo nas suas versões quasi que originais.

 

Ecoturismo é o segmento da actividade turística que utiliza, de forma sustentável, o património natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista por meio da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações”. Isto significa que quem opera e participa de actividades ecoturísticas deve seguir os seguintes princípios:

 

  • Minimizar impactos
  • Desenvolver consciência e respeito ambiental e cultural;
  • Fornecer experiências positivas para ambos visitantes e anfitriões;
  • Fornecer benefícios financeiros directos para a conservação da autenticidade local;
  • Elevar a sensibilidade pelo contexto político, ambiental e social dos governantes;

 

Para podermos:

  • Conservar os recursos naturais e culturais;
  • Gerar benefícios para as comunidades receptoras;
  • Garantir a Educação Ambiental

 

Princípios do ecoturismo

 

  • Da natureza nada se tira a não ser fotos.
  • Nada se deixa a não ser pegadas.
  • Nada se leva a não ser recordações.

 

De notar que é o segmento turístico que proporcionalmente mais cresce no mundo, enquanto o turismo convencional cresce 7,5% ao ano, o ecoturismo está crescendo entre 15 a 25% por ano. A Organização Mundial de Turismo (OMT) estima que 10% dos turistas em todo o mundo tenham como demanda o turismo ecológico. O facturamento anual do ecoturismo, a nível mundial, é estimado em US$ 260 bilhões.

 

O SENÃO está nas condições do AEROPORTO CESÁRIA ÉVORA que ainda tem limitições de navegação aérea… quando somos bafejados com essa bruma seca que além de impedir que os aviões aterrem, também cria custos operacionais às companhias e operadores da região: levando a mais gastos em combustíveis para desviar aviões… mais taxas aeroportuárias devido ao serviço de Handling e utilização de placas… mais custos com Hotéis para realojar os passageiros nas ilhas onde a navegação nã é afectada com a bruma… mais reclamações e stress dos passageiros… e uma completa desorganização dos pacotes das agencias de turismo… nas ilhas de São Vicente, Santo Antão e São Nicolau

 

É neste sentido que devemos investir. Criar as condições básicas para deixar que o turismo no país ganhe propriedade e a devida força. Se criarmos impedimentos, outros locais estarão de braços abertos para acolher “os nossos” turistas. Pensemos melhor no futuro e, principalmente pensem: QUE TURISMO PARA AS ILHAS DO NORTE?

 

Enfim, bem haja à grande… ENORME iniciativa… do MTIDE na pessoa da Ministra Leonesa Fortes​

 

Por isso resta pedir uma coisa abertamente e sem tabus… Permitam-me Sr.s com a mais leve consciência: “MAIS TRABALHO E MENOS CONVERSA PARA UM MELHOR E MAIS DESENVOLVIDO NORTE”

 

Deluca Leite Monteiro

Fev. 2016

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.