Os bens de Putin? Dois apartamentos e um lugar de estacionamento

8/02/2016 08:36 - Modificado em 8/02/2016 08:36
| Comentários fechados em Os bens de Putin? Dois apartamentos e um lugar de estacionamento

VladimirPutin2Sobre o Presidente russo paira uma aura de mistério em que a realidade convive com o mito, e isso estende-se à sua fortuna. Pode o líder de uma sociedade onde a corrupção se generalizou manter-se à parte?

A conta bancária do Presidente russo, Vladimir Putin, tornou-se no mais recente campo de batalha da rivalidade que opõe os Estados Unidos e a Europa à Rússia. A emissão de umareportagem da BBC que acusa o líder russo de ter acumulado uma fortuna pessoal considerável, à custa de vários esquemas de corrupção, lança luz sobre uma sociedade dominada por uma estrutura de poder que já foi descrita como um “Estado-máfia”.

Em si, a investigação da BBC, com o título As riquezas secretas de Putin, não revela nada de inteiramente novo que já não tivesse sido avançado nos últimos anos por opositores do Presidente russo ou por antigos colaboradores caídos em desgraça. Mas, pela primeira vez, um membro da Administração norte-americana acusa directamente Putin de ser corrupto. Adam Szubin, responsável do Departamento do Tesouro para o terrorismo e crimes financeiros, reconheceu que os EUA já sabem há “muitos e muitos anos” das alegadas práticas de enriquecimento ilícito do Presidente russo.

O Kremlin considerou as declarações de Szubin “pura invenção” e exigiu provas concretas de que Putin tenha realmente acumulado uma fortuna abusando dos recursos públicos. A Casa Branca veio reforçar a posição do responsável do Departamento do Tesouro, assegurando que esta reflecte a opinião da Administração Obama.

Sobre Putin – como em muitos outros temas relacionados com a Rússia – somam-se os rumores acerca da sua riqueza pessoal. As estimativas variam entre os 36 mil milhões de euros e os 180 mil milhões – uma quantia que faria do Presidente russo o homem mais rico do mundo, bem acima da fortuna do fundador da Microsoft, Bill Gates, valorizado pela Forbes em 70 mil milhões de euros.

Nenhum destes cálculos é, porém, suportado pela força das provas físicas e inelutáveis. Oficialmente, o homem que tem dominado o aparelho de Estado russo nos últimos 16 anos, e que é visto como um dos mais poderosos do mundo, é alguém de recursos modestos. A declaração de rendimentos de Putin relativa a 2014 mostra que o Presidente recebeu 7,6 milhões de rublos (900 mil euros) em salários, para além de possuir dois apartamentos e um lugar de estacionamento.

No círculo do poder
A crer na riqueza declarada, os cofres pessoais de Putin estão muito longe de proporcionar um “estilo de vida próprio de príncipes sauditas”, como é qualificado na reportagem da BBC. Entre os luxos que rodeiam Putin estão relógios de edição limitada – que um documentário de 2012 da Al-Jaziraestimou valerem mais do que o seu rendimento anual –, fatos de treino com tecnologia de ponta, palácios gigantescos e um iate muito especial, oferecido, segundo a estação britânica, pelo empresário e dono do Chelsea, Roman Abramovich.

Um dos episódios mais marcantes em torno de Putin é o do seu alegado palácio no Mar Negro – uma propriedade que, segundo a Reuters, contém uma mansão de estilo clássico italiano, uma pista de helicóptero, um teatro ao ar livre e túneis subterrâneos, rodeados por uma imensa floresta. A construção foi financiada através de um esquema de desvio de dinheiros públicos, segundo Sergei Kolesnikov, um antigo aliado de Putin, que denunciou o caso e actualmente vive na Estónia, onde recebe regularmente jornalistas para dar conta dos abusos do líder russo.

Em 2005, Putin anunciou um grande investimento para equipar 15 hospitais com os melhores materiais do mercado – uma medida amplamente aplaudida num país em que a esperança média de vida estava em queda livre. Kolesnikov foi chamado para servir de intermediário nos negócios de aquisição de equipamento, que seriam financiados por doações privadas. Abramovich foi o primeiro mecenas, com cerca de 186 milhões de euros, de acordo com o relato da jornalista russa Masha Gessen na biografia de Putin The Man Without a Face (2012).

O plano proposto por Putin incluía o “desvio” de 35% do dinheiro acumulado para uma conta no estrangeiro que seria usada para “investimentos na economia russa”, escreve Gessen, que investigou o caso. Havia ainda um “pequeno projecto pessoal” – a mansão no Mar Negro, inicialmente orçamentada em 14 milhões de euros, mas que ultrapassou largamente mil milhões.

Kolesnikov tem, desde então, denunciado o golpe de Putin, mas o Kremlin tem optado por desvalorizá-lo, qualificando o antigo aliado do Presidente como um homem “ressentido” pelo insucesso nos negócios.

Mais do que o gosto de Putin pela orla do Mar Negro, a história do seu palácio mostra a importância do seu círculo íntimo. Entre eles estão os dois intermediários no negócio do palácio. Nikolai Shamalov conheceu Putin ainda durante a época em que o futuro Presidente exercia funções influentes na Câmara Municipal de São Petersburgo. Segundo a Reuters, Katerina, a filha milionária de Putin, casou-se com um dos filhos de Shamalov. O outro intermediário foi Dmitri Gorelov, que nos anos 1990 tinha fundado uma empresa de equipamento médico, em parceria com o Comité para as Relações Externas do Município de São Petersburgo, liderado por… Putin.

É inevitável não notar um traço comum no percurso de alguns dos homens mais poderosos da Rússia – em alguma altura da sua vida tiveram relações pessoais ou de negócios com o Presidente. Desde logo, Gennadi Timchenko (9,8 mil milhões de euros, segundo a Forbes), co-fundador de um clube de judo em São Petersburgo juntamente com Putin e que se tornou dono da exportadora de petróleo com sede na Suíça, Gunvor, na qual Putin terá uma participação considerável. A ligação do Presidente russo a uma das maiores exportadoras petrolíferas do planeta foi sublinhada pelo embaixador dos EUA em Moscovo, John Beyrle, segundo um documento secreto revelado pela Wikileaks, apesar dos desmentidos da empresa.

O judo também uniu Putin aos irmãos Arkadi e Boris Rotenberg. O primeiro é o dono da construtora SGM, um dos maiores parceiros do gigante estatal Gazprom, e ambos têm participações no Banco Rossiya – no seu conjunto, os dois valem 2,7 mil milhões de euros.

Iuri Kovalchuk é o maior accionista do Banco Rossiya, um elemento crucial entre a oligarquia russa que o Departamento do Tesouro dos EUA descreve como o “banco pessoal dos dirigentes da Federação Russa”. Físico de formação, Kovalchuk adquiriu o Banco Rossiya no início dos anos 1990 e rapidamente se estabeleceu junto da elite de São Petersburgo, ou seja, de Vladimir Putin. O novo milénio – e o início da era Putin – viu o banco crescer exponencialmente, fortemente associado à Gazprom – o seu maior cliente.

“Putin confia mais do que ninguém” em Igor Sechin, o presidente da gigante petrolífera Rosneft, de acordo com o analista Mark Galeotti – e talvez por isso a Forbes o tenha colocado entre as 50 personalidades mais poderosas do mundo. Até 2012, quando passou a liderar a empresa, Sechin exerceu vários cargos influentes no Kremlin, incluindo vice-primeiro-ministro durante o período em que Putin era chefe do Executivo.

A aplicação de sanções económicas pelos Estados Unidos e pela União Europeia a muitas destas figuras, na sequência da anexação da Crimeia pela Rússia e da guerra civil ucraniana, mostra que os governos ocidentais partilham a noção de que este grupo tem uma influência forte.

“Estado mafioso”
A lista poderia continuar por vários parágrafos, num sistema que mais se assemelha a um organigrama de uma organização criminosa do que de um Estado. A comparação não é feita por um analista ou por um membro de um lobby anti-Russo, mas sim por José Grinda González, um procurador espanhol que durante uma década investigou as actividades criminosas de gangues russos em Espanha. Num memorando revelado pela Wikileaks, o procurador refere-se à Rússia como um “Estado mafioso virtual”, no qual “não se consegue diferenciar entre as actividades do Governo e dos grupos” de crime organizado.

Os documentos divulgados pela Wikileaks mostram que o dinheiro movimentado em subornos anualmente ascende a 300 mil milhões de dólares. Um sintoma de que as informações reveladas pela fuga maciça de informação do Departamento de Estado norte-americano abalaram o establishmentrusso foi a deportação em 2011 de Luke Harding, o correspondente do jornal The Guardian em Moscovo, por causa da sua cobertura dos documentos publicados pela Wikileaks relativos à Rússia – o primeiro caso de um jornalista ocidental deportado da Rússia desde o final da Guerra Fria.

Que a corrupção é um facto quotidiano do país, praticamente ninguém o nega. E o primeiro a referir-se de forma enfática a este tema é o próprio Presidente, que nos últimos anos lançou uma campanha anti-corrupção. Mas os seus críticos notam que o seu objectivo é puramente instrumental, servindo para afastar figuras incómodas para a Presidência ou para o seu círculo íntimo.

Um dos casos mais noticiados foi a demissão do antigo ministro da Defesa, Anatoli Serdiukov, acusado de “negligência” na execução das suas funções. Porém, vários observadores notaram que a queda em desgraça do ministro terá sido causada sobretudo por um caso extraconjugal. Algo que não seria grave, não fosse a mulher de Serdiukov ser filha de um ex-vice-primeiro-ministro.

As campanhas anti-corrupção não têm surtido efeito, observa a Freedom House no seu relatório sobre o país. “Para as medidas anti-corrupção serem eficazes, é preciso haver um escrutínio pelos deputados da oposição, media independentes, e ONG, para além de adjudicação por tribunais imparciais. No entanto, o Governo tem resistido a tolerar estas instituições autónomas”, conclui a organização.

Perante a ausência de instâncias de escrutínio independentes, resta o trabalho isolado e parcelar de alguns activistas. É o caso de Alexei Navalni, que começou a dar nas vistas como um popular bloggera denunciar casos de corrupção e se tornou num dos principais símbolos da oposição a Putin. Navalni acabou acusado de fraude por irregularidades num contrato de distribuição de produtos com a empresa de cosméticos Yves Rocher. Enfrenta agora uma pena de prisão domiciliária, mas isso não o impede de continuar a alimentar ambições políticas.

Um destino pior teve Sergei Magnitski, um jovem advogado que descobriu uma rede de corrupção de larga escala em que participavam inspectores fiscais em conluio com tribunais em três cidades diferentes e que terá desviado mais de 220 milhões de euros. Magnitski tinha sido contratado pelo investidor britânico William Browder – que era acusado pela Justiça russa de fuga ao fisco – para fazer uma auditoria interna à sua empresa, a Hermitage Capital Management.

O jovem advogado acabou por descobrir que a fuga foi orquestrada pela máquina fiscal e judicial. Depois de ter apresentado 15 queixas diferentes, a mira das autoridades virou-se contra ele. Magnitski foi preso em Novembro de 2008 e, um ano depois, acabaria por morrer na prisão.

“O actual sistema na Rússia é baseado não na corrupção no sentido tradicional, mas na total fusão do serviço público e dos interesses económicos privados”, explicou à Reuters o director do Instituto de Estudos Pós-Industriais em Moscovo, Vladislav Inozemtsev. As sementes para este estado de coisas foram lançadas após a queda da União Soviética, numa década marcada pela abertura acelerada à economia de mercado.

Mas a ascensão de Putin veio marcar ainda mais este traço do regime político russo, que o analista Mark Kramer, da Universidade de Harvard, define como “patrimonialismo”: “Um sistema em que o Estado central é propriedade pessoal do líder (ou de alguns líderes), que não distingue entre a propriedade pública e privada e que é visto como tendo a autoridade para dispor de toda a propriedade que desejar”, explica num relatório recente do Programa para Novas Abordagens para Pesquisa e Segurança na Eurásia (PONARS, na sigla inglesa), da Universidade George Washington.

Uma explicação menos convencional é dada pelo jornalista Anton Orekh, no jornal de oposiçãoIezhednevni Zhurnal, a propósito do trabalho da BBC sobre Putin. Do ponto de vista russo, “corrupção é algo como uma palavra importada”. “No Ocidente, o dinheiro dá poder, mas entre russos é ao contrário: o poder dá dinheiro e também o leva.”

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.