São Vicente: Recenseamento anda a reboque das eleições

12/01/2016 08:01 - Modificado em 12/01/2016 08:01

recenseamentoDepois do anúncio das datas das eleições por parte do Presidente da República, verificou-se um aumento substancial de pessoas à procura dos serviços de apoio ao recenseamento para se recensearem. O que leva o Presidente da Comissão de Recenseamento Eleitoral de São Vicente, Humberto Mota, a afirmar que se trata de um cenário a aceitar e “que o processo de recenseamento anda a reboque das eleições”. A CRE tem um serviço de recenseamento permanente durante todo ano, mas são poucas as pessoas recenseadas durante estes períodos intermédios das eleições.

Em 2015, tratando-se de um ano pré-eleitoral, já se esperava um aumento do número de recenseados. O pico em 2015 verificou-se no mês de Julho, mês em que houve uma campanha de sensibilização. No primeiro trimestre não se registavam mais do que quarenta inscrições por mês.

Ao todo, entre 2015 e início de 2016 já foram recenseados, até ao momento da realização desta reportagem, 3.122 eleitores. “Em 215 esperava-se um aumento, mas nos primeiros dias de 2016 já temos quase o dobro de recenseados em relação a todos os anos anteriores. É um dado estranho e ficamos preocupados, o que nos leva a reafirmar que o processo do recenseamento  anda a reboque das eleições”.

Humberto Mota diz que a meta era de duas mil e quinhentas inscrições, mas já passaram as três mil. E ainda fica a tarefa de recensear mais de quatro mil pessoas. Tarefa difícil do ponto de vista do responsável da CRE em São Vicente. “Nesta semana vamos dar o nosso máximo mas vai ser difícil, isto quando se têm sete mil pessoas como potencial para ser recenseado”.

A comissão está aberta das oito às dezoito horas e destacou ainda equipas no terreno. “Em termos institucionais tem sido feito todo o possível para recensear as pessoas, mas regista-se uma falta de interesse, principalmente dos jovens para se recensearem”.

A nível de faixa etária, a faixa dos 18 aos 25 anos em percentagem conta com o maior número de novos inscritos, com 2.465, seguida da faixa 24 – 33 anos com 250 pessoas recenseadas. Ainda se destaca o número de transferências para o círculo eleitoral de São Vicente, 385 pessoas.

Nos últimos dias verificaram-se grandes filas à porta da CRE. Humberto Mota explica que na maior parte dos casos, as filas foram constituídas por pessoas que foram buscar o comprovativo de recenseamento para a emissão gratuita do bilhete de identidade.

  1. roxana aguilera

    Cibercrimen e’ Piratear online

  2. Oliveira Santos

    Não hà dùvida nenhuma que para que o nosso povo se interesse pelos destinos da Nação, o serviço de recenseamento deve ser melhor organizado percorrendo vales e montes, e o voto deve ser obrigatôrio. Gastam-se dinheiros demais em festivas e outras leviendades que podiam ser transferidos para este fim de maior importância para o Pais.
    Igualmente obrigatôrio deve ser documento de identidade a todo o cidadão maior de idade, quer nacional e estrangeiro, o que permite o melhor contrôle das entradas.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.