Marisa Morais aconselha os cabo-verdianos a tomarem as devidas cautelas com os próprios bens

27/11/2015 07:43 - Modificado em 27/11/2015 07:43

Marisa MoraisA Ministra da Administração Interna cabo-verdiana, Marisa Morais, aconselhou os cabo-verdianos a tomarem as devidas cautelas com os seus bens, pois, no seu entender, os cidadãos precisam de educação para a segurança a todos os níveis. “Quando estamos em sociedades com algum pendor urbano como a nossa, há alguns cuidados que se devem ter e que os cidadãos devem conhecer. Penso que Cabo Verde precisa de alguma educação para a segurança em todos os níveis, a exemplo do que acontece lá fora com cidadãos de outras paragens. Há algumas cautelas que devem ser seguidas e que chamamos de medidas de auto-protecção”, sustentou a Ministra.

Marisa Morais fez estas declarações durante uma exposição que a PN fez dos materiais apreendidos pela Esquadra de Investigação e Combate à Criminalidade do Comando Regional da Praia.

Da amostra de materiais apreendidos pela polícia cabo-verdiana só na cidade da Praia nos últimos três anos, constam centenas de telemóveis, géneros alimentícios, produtos de higiene, televisores, plasmas, materiais de construção e de escritório, tablets, mobiliário, peças de automóveis, entre outros equipamentos informáticos.

Em 2014, o valor dos materiais apreendidos pela PN na Cidade da Praia foi de 24 milhões de escudos (217 mil euros). Os valores deste ano ainda não foram contabilizados.

Quanto à devolução dos bens, a Ministra reconheceu a “grande fragilidade” na devolução dos produtos roubados aos seus respectivos donos uma vez que, até agora, tal só é feito por iniciativa do cidadão, mas disse que o Sistema de Informação e Gestão Operacional (SIGO) apresentado recentemente, vai permitir à polícia de dar melhor resposta ao cidadão.

Muitos dos bens são roubados nas ruas mas, a maior parte é roubada nas residências, lojas, empresas, o que levou a Ministra da Administração Interna a dizer que a segurança é uma construção, mas também a pedir às pessoas para terem mais cuidado com os próprios bens.

  1. Manuel M. Fernandes

    De certo modo concordo com a Ministra mas os roubos são as consequências. É preciso ir mais além no diagnóstico. Senão quem construir uma casa depara-se um dia que construiu afinal uma prisão rodiada de caixas de proteção em ferro por todos os lados. O fenómeno urbano que propicia a delinquência está a ligado a migrações vindo das ilhas com acentuada vocação agricola a procura de trabalho e, ainda, crianças das pereferias a procura de subsistencia. Roubar um Telemovel, produtos de higiene entre outras, são pequenos furtos que esses jovens da e de rua fazem. Aqui há que dar respostas, pois está é uma responsabilidade do Procurador de menores que deve exigir ao Governo que cuide deles, construindo albergues onde possam estudar, ter uma refeição quente e adquirir uma profissão. Para isso é que gostaria que fossem canalizados os meus impostos.

  2. Joana Inês Sá

    Mais cautela? Senhora Ministra! Já vivemos em casas/jaulas/celas, com grades em todos os lados, alarmes, com Guarda (despesa excessiva) e apenas aqueles que o podem pagar.

    Andamos atormentados nas ruas e nos becos da cidade. Sair de casa é com o “credo na boca” Enfim. E ainda querem mais cautela?

    E quando é que os responsáveis deste País pensam investir, priorizar a sério e a fundo, a segurança dos cidadãos e dos seus bens? Foi também para isso que foram, eleitos (Deputados) e nomeados (Governo).
    Façam e cumpram as vossas obrigações e tarefas face ao cidadão.
    Não se cansem, por favor em viagens e em despesismo sem proveitos para a Nação.
    Numa palavra: TRABALHEM!
    Obrigada.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.