Desfalques: Mindelenses querem continuar a confiar nos Bancos

24/11/2015 07:32 - Modificado em 24/11/2015 07:32

muito-dinheiroApesar do que está a ser veiculado pelos meios de comunicação social sobre os recentes desfalques na agência da Caixa Económica de São Vicente, na Avenida 5 de Julho, Mindelo, muitos afirmam que esta questão não deve ser generalizada e chegam mesmo a afirmar que “se não podemos confiar na segurança dos bancos para manter o nosso dinheiro então, estamos tramados”. E fica no ar a questão: como é que anda a credibilidade dos Bancos em Cabo Verde?

Senão vejamos: desfalque de cerca de 270 mil euros, cerca de 30 mil contos, dos cofres da Agência da Avenida 5 de Julho no Mindelo, no mês de Julho em que o subgerente Herberto Rodrigues foi despedido por justa causa; casos de levantamentos feitos numa conta que podem atingir os oito mil contos.

Em relação ao desaparecimento dos 30 mil contos dos cofres da agência da Avenida 5 de Julho, a opinião é que os culpados são claramente funcionários da agência, já que era quase impossível ter passado despercebido e, assim sendo, foi mais do que uma pessoa.

Paulo avança que não se sabe como é que estas quantias desapareceram mas isso é brincar com as pessoas, porque se fosse um assalto onde pessoas de fora entraram sem que ninguém desse conta e levaram o valor estipulado, as autoridades seriam automaticamente accionadas e não foi o que o sucedeu.

“Eu nunca confiei nos bancos e estou sempre alerta com o meu dinheiro, tanto é que consulto regularmente as minhas contas e se notar alguma irregularidade, será logo denunciada”, afirma Jorge Gomes, e espera que a situação seja esclarecida e que seja feita uma maior fiscalização nos bancos, “para que os clientes possam sentir que podem confiar neles”. O que não é o seu caso.

“Se o subgerente está preso é porque têm fortes evidências da sua culpa, pois o Tribunal não iria prender um inocente, mas é de repensar se agiu sozinho e, se for o caso, identificar todos os culpados para que possam ser presentes à justiça”.

“Depois da investigação e presos todos os culpados, o Tribunal deve fazer com que devolvam o dinheiro e que cumpram a pena”.

Ainda sobre esta questão, Jocilene garante que apesar das notícias de desfalques ainda é cliente da Caixa Económica e acredita que tudo irá ser esclarecido.

  1. Cliente

    Sou cliente tanto da CECV como do BCA, e, enquanto cidadão mediano, posso vos dizer que nenhum dos meus saldos atraem os amigos do alheio, pois, não tenho nem 50 contos nos bancos. Mas a minha preocupação tem a ver com a responsabilização bancária, pois, perante as situações de desfalque registadas em todos os bancos comerciais, o que temos vindo a assistir é que estes bancos simplesmente não assumem a responsabilidade de restituição imediata do valor perante o cliente. Se você tiver o azar de ser roubado por um funcionário bancário, e nesse entretanto precisar de utilizar o seu próprio dinheiro, não o conseguirá fazer, pelo facto de o banco estrategicamente tentar repassar a sua responsabilidade enquanto fiel depositário do seu dinheiro para um funcionário seu, quando na verdade você nunca entregou o seu dinheiro à confiança de um funcionário bancário mas sim a um banco. E como os bancos conseguem contratar melhores advogados do que um simples cidadão, então o processo vai dormir nos trâmites judiciais, e o cidadão vai ficar a espera da justiça divina para recuperar o seu $$$.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.