Google vai investir US$ 50 milhões no tratamento de doenças cardíacas

18/11/2015 07:54 - Modificado em 18/11/2015 07:54
| Comentários fechados em Google vai investir US$ 50 milhões no tratamento de doenças cardíacas

googleA Google acaba de anunciar que fará um investimento enorme na área da medicina. Segundo o site WIRED, a Google Life Sciences, juntamente com a Associação Americana do Coração (“AHA”, em inglês), vai dar 50 milhões de dólares para ajudar no tratamento de doenças cardíacas – um valor considerado como um dos maiores financiamentos para uma iniciativa do tipo em quase um século.

Mas porquê um investimento tão grande? O facto é que os problemas cardíacos tornaram-se demasiado comuns no nosso meio e estão-se a manifestar em número cada vez maior de dia para dia (só para se ter uma ideia, são mais de 17 milhões os mortos por ano). Para piorar, mesmo as diversas pesquisas feitas na área não ajudaram a desvendar o mistério das causas e tratamentos desse tipo de doença; logo, é aí que a gigante pretende mudar as coisas.

Uma vez que estamos a falar da Google – uma empresa bem conhecida pelas suas investidas ousadas, grandiosas, pouco convencionais e, acima de tudo, extremamente bem-sucedidas –, esse dinheiro não será dividido para diversos centros de pesquisa nem nada parecido. Em vez disso, ela vai entregar os US$ 50 milhões para uma única equipa, com o valor entregue ao longo de cinco anos.

“Modelos tradicionais de financiamento de pesquisa são frequentemente incrementais e proporcionados, tornando difícil estudar um assunto multifacetado de longo prazo”, disse Andrew Conrad, presidente da equipa Life Sciences. “A AHA e a Google Life Sciences comprometeram-se a essa abordagem nova e ousada”, continuou.

Para decidir quem levará todo esse dinheiro, a Google vai proceder da maneira mais óbvia possível: um concurso. Se quiser participar, deverá enviar a inscrição a partir de Janeiro de 2016, apresentando toda a sua ideia em apenas uma página de texto. Os vencedores, por sua vez, serão anunciados em 14 de Fevereiro.

Vale notar também que a Google não vai ter participação de nenhuma propriedade intelectual ou financeira dos resultados da pesquisa.

Agora, será que isso vai dar certo? É difícil dizer – afinal, o dinheiro nem sempre se traduz em maiores avanços científicos da mesma maneira como ocorre no mundo da tecnologia. Mesmo assim, estamos a falar de uma quantidade realmente massiva de recursos, suficiente para tornar realidade muitos projectos incrivelmente ambiciosos.

Resta esperar e torcer para que isso tenha resultados positivos. Mas é provável que, independentemente do resultado, registemos um bom avanço nessa área num futuro próximo.

Fonte: tecmundo.com.br

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.