Morte no Matadouro: juiz coloca suspeito em liberdade que nega ter morto o colega

4/11/2015 07:37 - Modificado em 4/11/2015 15:25
ø;

ø;

Juiz do primeiro juízo crime do Tribunal de São Vicente decidiu colocar em Termo de Identidade e Residência e obrigação de apresentação semanal as autoridades o suspeito de ter morto com um golpe de faca o colega de trabalho no Matadouro de São Vicente.

O juiz entendeu que não existem, ainda, provas  resultantes de pericías   que mostrem que foi Hipolito que desferiu a facada que matou  Vàva. Pois, de acordo com as declarações do arguido  ele foi atingindo pela vítima com uma facada  nas costas e nas mãos .Sustenta que  a vitima    ao tentar fugir terá  tropeçado , caído e espetado a própria faça no estômago. Ao NN Hipólito, antigo pugilista, disse que não estava armado ” sou um desportista , não ando com facas”. Defende  que quando chegou ao trabalho o colega estava embriagado e começou a provoca- lo . ” Eu disse-  lhe : rapaz para com insultos  e virei as costas para ir embora. Foi quando ele me atingiu com uma facada nas costas , virei-me  e defendi-me  de outros golpes e acabei ferido na mão direita”. Hipólito assegura que perante a sua reacção  o colega estava embriagado fugiu  tropeçou e  acabou por espetar a faca que usou para lhe agredir.

O NN pode comprovar, ver foto, que o suspeito foi atingido nas costas e nas mãos. Testemunhas oculares entrevistadas pelo NN corroboram  os argumentos de Hipólito. De acordo com informações recolhidas no local, o agressor terá agido em legitima defesa, depois de ter sido agredido pela vitima . De acordo com essas testemunhas  foi atacado com uma faca  .

Os dois  trabalhavam por turnos, para garantir a segurança do local. “Hipólito” estava escalado para “render”, “Vàva”.

As informações sobre o que despoletou a briga entre os dois homens são escassas, mas certo é que terminou em tragédia.

Ao contrário daquilo que foi noticiado e segundo alguns moradores a agressão aconteceu fora do local de trabalho e a arma utilizada foi uma faca e não instrumentos usados no Matadouro.

Vavá, que reside na zona de Horta Seca, morreu ainda no local .

  1. Coitado

    Me engana que eu gosto! Tropeçar e a faca espetar no peito mortalmente? Só em filmes meu ‘caro’! Ninguém agride outra pessoa por simplestemente esta lhe ter dito para parar com insultos! Aos leitores: já repararam que as facadas atingiram o Hipólito apenas nas zonas boas?
    Justiça seja feita. Quem conhece os dois envolvidos no caso, sabe que o Hipólito sendo desportista e ex-pugilista, tinha capacidades para se defender do Vává (homem de pequena estatura e não desportista) imobiliza-lo e chamar a polícia.

  2. Suzy

    Antes de mais as condolências à família do Vavá, independentemente de culpa ou não.
    Não posso deixar de comentar esta peça jornalística “muitíssimo bem escrita”, sem erros ortográficos (gostaria eu e certamente alguns leitores que assim fosse)… Não consigo continuar a ser hipócrita lisongeando um texto que não respeita acentuações nem pausas e está cheio de contradições. Algumas passagens tive que reler algumas vezes para conseguir apanhar o sentido da frase.
    Então se “Vává estava escalado para render Hipólito”, como é que é Hipólito que chega ao trabalho e encontra o colega embriagado?
    Quem é o agressor aqui: “o agressor terá agido em legitima defesa, depois de ter sido agredido pela vitima”? Já o rotularam de agressor? E não é ele também uma vítima? Ou só quem morre é que se torna vítima? Então onde está a máxima de inocente até prova em contrário? Deveria estar: “o alegado agressor…”
    Espero que com esta crítica melhorem o desempenho e não a vejam simplesmente como não construtiva.

  3. verdade seja dita

    verdade seja dita e eu não duvido da declaração do Sr. Hipolito uma vez que conhecia ambos os envolvidos (Hipolito e Osvaldo). Bom posso dizer que Osvaldo era uma pessoa de dupla personalidade uma vez que apresentava uma quando se encontrava embriagado e outra quando se encontrava sobrio. Moro perto do local do crime e tenho o sr Hipolito como um grande homem, uma pessoa amiga, compreensiva, educada, e um homem muito culto incapaz de matar um ser humano.
    Osvaldo encontrava-se escalado no turno da tarde, mas perante o seu estado de embriagues foi cortado e mandado para casa pelo seu responsavel mas mesmo assim permaneceu no local armado e pronto para confusão com qualquer um que lhe aparecesse na frente, entrou em conflito com o sr que foi posto pra terminar o turno que osvaldo tinha começado e este teve que abandonar o local para não ser agredido. Hipolito é um funcionario pontual chegava sempre mais cedo para liberar o colega e logo que ele chegou osvald o confrontou com insultos e acredito na versão do hipolito pk sempre qdo osvaldo ficava embriagado não tinha condições de andar normalmente ainda mais de correr.
    Não comentem asneiras antes de falarem devem tentar entender ambos os lados

  4. Jô.

    Suzy seria bom que apontasse os erros e as contradições q encontrou. Dizer q há erros e não aponta -los não fica bem nem ajuda como pretende.

  5. justiça

    que a justiça seja feita com é possível alguém tropeçar e espetar um faca em si mesmo.pelo amor de Deus. hipolito e um homem frio e praticava artes marciais (boxe) e vava com eu o conhecia desde que eu era criança ele bebia mais ele nao tinha condições para golpear alguém, no seu estado serio pior ainda embriagado visto k ele tinha um mão deficiente devido a um acidente de viação.e agora o esse hipolito vai ficar inpuno.Deus e grande algum dia a justiça vai ser feita divinamente.reparem no golpe de ipolito e vejam que pode ser feito por ele mesmo .vava foi assassinado…

  6. Suzy

    Caro Jô,

    Não sou de apontar e não indicar. Os erros e contradições que disse estarem no texto foram indicados no meu comentário que, se o ler vai lá encontrá-los esmiuçados de forma muito simples para ser percebido.

    Obrigada.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.