Cidadão nigeriano acusado de tráfico de droga condenado a 3 anos e 6 meses de prisão

3/11/2015 08:34 - Modificado em 3/11/2015 08:34
| Comentários fechados em Cidadão nigeriano acusado de tráfico de droga condenado a 3 anos e 6 meses de prisão

cela-prisaoO Tribunal de São Vicente condenou um cidadão nigeriano a cumprir uma pena de prisão de três anos e seis meses. O arguido estava acusado de tráfico de droga de forma qualificada, mas viu a pena reduzida, pois em causa está a quantidade de droga encontrada na sua posse.

O 1º Juiz da Comarca de São Vicente procedeu, na manhã desta segunda-feira 02, à leitura da sentença do cidadão nigeriano encontrado na posse de 802,8 gramas de cocaína. O arguido que estava a ser acusado de tráfico de droga de forma qualificada, viu a sua pena reduzida, tendo em conta a quantidade de droga encontrada na sua posse.

Assim sendo, o arguido que estava em prisão preventiva deverá cumprir uma pena de três anos e seis meses de prisão.

O caso remonta a Março do ano passado altura em que o arguido foi surpreendido e detido na posse de droga na sequência de uma busca realizada pela Polícia Judiciária movida por uma denúncia que informava que a droga viria do Brasil através do Correio em nome de um outro cidadão também nigeriano e que dantes vivia na residência onde a droga foi apreendida.

O mandato de busca era destinado a um outro cidadão que dantes residia na casa, mas a droga acabou por ser encontrada na cozinha e no armário do actual inquilino. A Polícia Judiciária terá encontrado na residência do arguido, na zona de Espia, 802,8 gramas de cocaína distribuídas em saquetas e cápsulas, 28.500 escudos, cinco telemóveis, duas máquinas fotográficas e dois altifalantes.

O arguido que negou ser o dono da droga e desconhecer o suposto dono, agora vai ter de cumprir a pena atrás das grades apesar do seu advogado ter considerado durante o julgamento “estar perante um inocente em vez do culpado, pois não houve nada que dissesse que o seu constituinte se tenha dedicado ao negócio das drogas” e acredita que o arguido poderá saber quem é o dono da droga mas, por razões desconhecidas, poderá estar a encobri-lo.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.