Recenseamento eleitoral: MpD acusa Governo de inoperância propositada

29/10/2015 08:02 - Modificado em 29/10/2015 08:02

Filomena-GonçalvesO terceiro dia de trabalhos da Assembleia Nacional fica marcado pela discussão à volta do processo de recenseamento. No período antes da ordem do dia, a deputada do MpD, Filomena Gonçalves, na sua intervenção afirmou que não se tem trabalhado de forma eficiente na condução do processo de recenseamento eleitoral. “Sendo o recenseamento oficioso, o Governo tem de fazer mais e melhor para que os cabo-verdianos possam recensear-se e exercer os seus direitos”.

Para a deputada, nestes quatro anos, o Governo não se deu ao trabalho de regulamentar as previsões do código eleitoral, principalmente no princípio de obrigatoriedade do recenseamento. “Não se deu ao trabalho de reparar e fazer manutenção de kits de recenseamento para que quando qualquer cidadão necessitar de se recensear isso possa ser feito no melhor tempo possível. Não disponibilizou todos os meios necessários que permitam o normal funcionamento das CRE’s”, argumenta a deputada.

Para Filomena Gonçalves, o impacte desta “inoperância propositada pode ser tremendo nas eleições de 2016 e na sociedade cabo-verdiana”. E diz que o risco de abstenção pode ser duplamente reforçado: por um lado, pelas pessoas que não quiserem votar, por outro lado, pelas que quiseram e que não puderam porque não lhes foi permitido. “A mensagem que passa é que o direito ao voto parece não estar totalmente acautelado”.

Tendo em mente a preocupação do financiamento das comissões de recenseamento, Filomena Gonçalves deixa um apelo ao Governo, “para impedir vicissitudes no processo de recenseamento” exige que “todos os financiamentos enviados para associações ‘camaradas’ para a compra de votos e da consciência dos eleitores, devem disponibilizar imediatamente todos os meios necessários para que as CRE funcionem na sua totalidade e que haja emissão de bilhete de forma gratuita para que sejam inscritos e, assim, deixar a postura de tolerar a democracia”.

  1. cabo-verdiano

    povo abri os olhos porque nunhum deputado está preucupado com nosco,veja a regalia dos lider das bancada parlamentar,tenhem um salario de 109.249$00 liquido+13.600$ de subsidio de comunicação,+20.400$00 de representação+70.000$00de renda de casa+90.000$00de carro e combostivel+89.250$00de deslocação+16.667de pasagem para exterior,todo esse denheiro cai na conta deles todo mês.mas o salari minimo pra nós é de 11.000$00,aqui em cabo verde quem consegue viver com 11.000$00 durante um mês?porque só renda toma tudo.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.