Cantina Escolar: A contribuição dos pais é abaixo dos 50%

23/10/2015 08:24 - Modificado em 23/10/2015 08:26

cozinheiraO Programa Alimentar Escolar em Cabo Verde conta com a participação dos pais e encarregados de educação. A contribuição monetária dos encarregados é de cem escudos mensais ou mil escudos anuais. Contudo, nem todos os pais têm vindo a contribuir para melhorar a refeição dos seus educandos. Os dados da FICASE apontam que a contribuição dos encarregados tem sido abaixo de cinquenta por cento.

Os directores das Escolas do Ensino Básico em São Vicente têm-se deparado com grandes dificuldades para manterem as cantinas escolares. Para além dos apoios das agências das Nações Unidas como a FAO, a OMS, o PAM e a UNICV, não tem sido fácil a gestão  das cantinas escolares.

O NN sabe que esta realidade acontece em todas as escolas do Ensino Básico. Os directores têm vindo a adoptar medidas no sentido de sensibilizarem os pais e encarregados de educação sobre a importância da contribuição.

De acordo com Nilton Soares, Coordenador Regional da FICASE em São Vicente, a participação dos pais está aquém do esperado. A quantia de cem escudos mensais ou mil escudos anuais representa apenas dez por cento do programa. Apesar disso, a participação dos pais está abaixo dos cinquenta por cento. “Uma vez que não é obrigatório e as escolas são gratuitas, muitos pais acham que não devem contribuir e, efectivamente, não o fazem”.

O responsável avança que a “FICASE tem testando vários modelos de abastecimento das cantinas escolares adquirindo géneros alimentícios de agricultores locais, constituindo assim um nicho de mercado para os pequenos agricultores, no sentido de quebrar o ciclo da pobreza rural”.

Niton Soares considera que a participação dos pais não deve ficar somente pela contribuição monetária. Devem também acompanhar o funcionamento das cantinas escolares visto que a alimentação escolar é uma questão muito sensível, assim, é necessário o diálogo entre a família e a escola. Para além disso, os pais devem mobilizar recursos para as cantinas, contribuindo para a melhoria da dieta alimentar dos seus educandos.

Existe uma certa resistência dos pais em contribuir com a quantia referente às cantinas. As direcções das escolas, particularmente os gestores, são obrigadas a fazerem grandes engenharias para garantirem uma refeição com qualidade aos alunos. Para o responsável, graças a este esforço, têm conseguido resultados satisfatórios o que tem encorajado a darem passos firmes rumo à sustentabilidade do Programa Nacional de Alimentação Escolar – (PNAE).

Torna-se necessário mostrar a importância da alimentação escolar que tem como objectivo melhorar as condições nutricionais das crianças e diminuir os índices de reprovações, consequentemente, a melhoria do rendimento escolar.

Em parceria com o Programa Conjunto das Nações Unidas e CERAI, a FICASE tem vindo a desenvolver várias iniciativas de compras locais juntamente com as escolas no sentido de contribuir para a formação de uma nova geração de consumidores incentivando o consumo dos produtos locais, criando dinâmicas na economia do agronegócio e com reflexos positivos para a saúde.

  1. Américo BritoTavares

    Os pais têm razão.Muita coisa precisa ser esclarecida em relação as cantinas escolares.
    A comida muitas vezes nem dá para pos porcos comer, quanto mais os humanos.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.