Mindelo é solidário e apela à liberdade dos activistas presos em Angola

12/10/2015 07:51 - Modificado em 12/10/2015 07:51

Mindelo abraça a causa “uma vigília pela solidariedade” a favor da libertação dos presos políticos em Angola. Na sexta-feira, reuniram-se algumas pessoas junto do Palácio do Povo, na rua de Lisboa, tendo trazido roupa branca e uma vela acesa como apelo à liberdade, uma vez que um dos activistas, Luaty Beirão, se encontra em greve da fome há 21 dias e está a correr risco de vida.

São Vicente mostra que a solidariedade não tem barreiras e alguns mindelenses participaram na campanha pela libertação do grupo conhecido por 15+1. Esta manifestação transcendeu os limites geográficos e foi realizada em Angola, Lisboa e São Vicente, com o lema “Nem mais um dia. Deixar morrer é matar” e com o apelo “o silêncio mata, queremos Luaty vivo. Liberdade Já.” A mulher de Luaty após tomar conhecimento da solidariedade na ilha do Monte Cara disse nas redes sociais que, “Eu, como mulher do Luaty agradeço a Cabo Verde e ao Mindelo pela iniciativa nobre de darem seguimento à vigília em solidariedade ao meu marido. A distância entre Angola e Cabo Verde é apenas um número. Estamos ligados pela língua e, sobretudo, por uma causa: A libertação de Luaty VIVO e que as autoridades angolanas respeitem os direitos e que se cumpra a lei”. Também alguns cabo-verdianos partilham nas redes sociais e já assinaram uma petição online que será enviada juntamente com uma carta dirigida ao Procurador-Geral da República, João Maria Moreira de Sousa, solicitando a libertação dos activistas, e ao Ministro da Justiça e Direitos Humanos.

Luaty Beirão está no centro dos apelos visto que o activista está preso há 114 dias e está há 22 dias em greve da fome, porque em Junho, Beirão e outros 15 jovens foram presos na capital angolana, Luanda, acusados de prepararem uma rebelião contra o Governo do Presidente José Eduardo dos Santos, no poder desde 1979. Eles rejeitam a acusação e dizem-se presos políticos, isto de acordo com o site do BBC Brasil. Ainda acrescenta que “Beirão iniciou a greve da fome em Setembro, após completar 90 dias de prisão, prazo máximo da legislação angolana para detenções provisórias. O Ministério Público só apresentou uma denúncia formal contra o grupo nesta semana”. Neste sentido, são feitos vários apelos para a sua libertação e dos outros activistas, nos quais a cidade do Mindelo marca presença.

Mindelo Solidario

  1. CV

    estão a fazer bem,porque o que justiça angolana está a fazer é a injustiça,o que NELSON MANDELA passou pensei que nunca mais alguem passava por isso,a historia de NELSON MANDELA marcou o mundo todo,LIBERTEM OS JOVENS E DEIXA DE ABUZAR DOS DIREITO HUMANU,

  2. Mendes

    12 pessoas, e “São Vicente mostra que a solidariedade não tem barreiras”. 12 pessoas não fazem São Vicente, até quando a causa é justa e nobre. Foi um fracasso e é preciso dizer que foi um fracasso, para convencer mais pessoas, para São Vicente sentir vergonha da sua passividade.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.