ULCS: “Os dois pontinhos” que Cabo Verde subiu no IMC não dão para fazer festa

1/10/2015 07:42 - Modificado em 1/10/2015 07:42

Ulisses-Correia-da-Silva-2O Presidente do Movimento para a Democracia considerou que “os dois pontinhos” que Cabo Verde subiu no Índice Mundial de Competitividade (IMC) não dão para fazer festa, antes pelo contrário, são motivo de preocupação”, pois, no seu entender, “o País continua na ‘cauda mundial’ dos países menos competitivos do mundo, com classificação baixa nos sectores relacionados com o Estado, nomeadamente competitividade fiscal, dificuldades de acesso ao crédito e eficiência administrativa”.

Para Ulisses, a culpa é do Estado que hoje é o grande obstáculo à economia do País, “por isso é que não há motivos de festa com esta classificação do IMC, antes, de preocupação, pois deveríamos estar a dar saltos de 10, 20, 30 posições para podermos estar em condições de competir com o mundo”. O líder do Mpd citou exemplos como o Ruanda que, no espaço de cinco anos, deu “saltos significativos” no índice, o que se reflecte no crescimento económico, na atracção de investimentos e na criação de empregos, aspectos que fazem falta a Cabo Verde.

De acordo com o relatório do Fórum Económico Mundial (FEM) divulgado hoje, Cabo Verde “melhorou timidamente” a sua posição no índice mundial de competitividade de 2015-2016.

Contudo, de acordo com o documento, a realização de negócios no arquipélago continua a ser penalizada por variáveis como a carga fiscal.

Cabo Verde ocupa o 112º lugar, num total de 140 do ranking mundial de competitividade subindo, assim, duas posições relativamente ao ano passado.

O difícil acesso ao financiamento, a carga fiscal elevada e a falta de eficiência administrativa são os principais problemas, de acordo com o relatório do FEM. Em 12 pilares de avaliação, Cabo Verde consegue nota máxima em apenas um, Saúde e Educação Primária. Noutro, Dimensão de Mercado, fica pouco acima da classificação mínima.

  1. Mindelense de Géma

    Enquanto o Sr. foi Ministro das Finanças nos anos 90, quantos “Pontinhos” Cabo Verde desceu, chegando mesmo a não merecer confiança de ninguém, isso não motivo de preocupação. Haja saco Sr Ulisses Correia e Silva!

  2. Desespero

    Este homem esta desesperado, ou então desorientado, numa altura de crise na zona euro, num pais que vive de ajuda externa 2 pontos são ganhos significativos, agora chama-lo “2 pontinhos” acho que é falta de respeito,ética e mural, sobretudo saido da boca de uma pessoa que quer ser primeiro ministro de Cabo Verde. Como disse e bem, o comentarista (Mindelense de Géma), eu concordo e conclui que o Sr. Ulisses não lembra de que quando ele foi ministro de Finanças nos anos 90 Cabo Verde não subiu nenhum “pontinho” pelo contrario caiu “muitos pontões” até que perdeu a credibilidade…, eu acho que o homem deveria ficar calado porque como dizem os antigos “Galinha escrovedera tudo poeira te cail na Lombo.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.