Escola de Monte Sossego: Pais não aceitam transferência dos alunos e Delegado responsabiliza-os em caso de acidente na escola

15/09/2015 07:11 - Modificado em 15/09/2015 07:11

anildo monteiroA transferência dos alunos da Escola de Monte Sossego, conhecida por “Escola Velha” continua a gerar confusão. Os pais e encarregados de educação teimam em não aceitarem a transferência dos filhos para outras escolas. O Delegado do Ministério da Educação em São Vicente, diz que caso os pais não aceitarem a medida, os mesmos devem-se responsabilizar pelas consequências.

Os alunos que frequentam a “Escola Velha”de Monte Sossego, Pólo número 9, correm risco devido ao estado em que a escola se encontra. Isto porque as paredes encontram-se em ruínas e os tectos ameaçam a ruir. Depois de longos anos de degradação da Escola de Monte Sossego, “Escola Velha” e muita reclamação por parte dos pais e encarregados de educação, o Ministério da Educação decidiu recuperar o edifício. As obras começaram, mas vão ser feitas por fases. Esta situação obrigou o Ministério da Educação de São Vicente a transferir os alunos do 5º e do 6º ano para outras escolas. Uma decisão que não agradou aos pais que dizem afincadamente não aceitar a transferência mesmo que seja provisória.

Para o Delegado de Educação de São Vicente, Anildo Monteiro, a situação da escola não garante segurança aos alunos, daí a necessidade de intervenções no edifício de modo a não se depararem com os mesmos problemas nos próximos anos.

Decididamente os pais e encarregados de educação teimam e dizem que se assim for não vão permitir que os seus educandos frequentem as aulas em escolas distantes das suas residências. A situação é de desentendimento, não há consenso entre os pais e o Ministério da Educação.

Dada a situação, Anildo Monteiro diz compreender a revolta dos pais, mas “não é preferível deixar os alunos numa escola onde o tecto pode cair sobre as crianças”. Por isso, era necessário criar alternativas e “é impensável fechar a escola”, pelo que as obras devem ser de forma faseada.

O mesmo pediu aos pais para medirem entre deixar os filhos numa escola sem qualquer segurança ou perder 10 minutos para deixarem os alunos numa escola que garanta a segurança dos mesmos. Não havendo aceitação por parte dos pais, estes serão responsáveis pelas consequências. Pois é esta a alternativa que o Ministério tem para resolver a situação da escola.

O responsável esclarece que tendo em conta a idade dos alunos do 1º do 4º ano, deverão estes continuar as aulas no mesmo local em salas com melhores condições. Para além disso, o Ministério da Educação disponibilizou uma verba para recuperar mais quatro salas de aula.

O delegado não precisou uma data para a conclusão das obras de recuperação da escola mas esclarece que a transferência dos alunos do 5º e do 6º ano é provisória e que os alunos deverão regressar à Escola de Monte Sossego antes do término do ano lectivo.

Algumas das salas já se encontram em recuperação, os tectos antigos estão a ser retirados e deverão receber novos telhados com tectos falsos e as salas vão receber pinturas.

  1. atento

    mas porquê só agora os trabalhos nas escolas de Monte Sossego e Praça Nova? porquê não fizeram o trabalho durante as férias? A escola de Praça Nova já lá vao 4 anos a espera da dita obra de remodelação!! Ai esse Goveno

  2. maria

    será que o problema são os 10 minutos que as crianças vão andar a pé?
    se for isso não é problema. anda faz bem á saúde. seria bom que as crianças em portugal andassem mais a pé. não é por acaso que estão mais gordinha.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.