EUA prevêem temporada de furacões menos activa que o normal no Atlântico

7/09/2015 08:11 - Modificado em 7/09/2015 08:11
| Comentários fechados em EUA prevêem temporada de furacões menos activa que o normal no Atlântico

Grande-tempestadeA temporada de furacões no Atlântico, que começou oficialmente no dia 1 de Junho , será menos activa que o normal com a formação de entre seis e onze tempestades tropicais, das quais entre três e seis se tornariam furacões, segundo as previsões do governo dos Estados Unidos.

De acordo   com  as previsões da Administração Nacional de Oceanos a temporada ciclónica na bacia atlântica, que começou no dia 1º de junho poderá produzir dois furacões poderiam ser de categoria maior (intensidade 3, 4 ou 5 na escala de intensidade de Saffir-Simpson).

Esta previsão mostra que apesar de se esperar “uma temporada abaixo do normal não significa que nos livramos. Como vimos em anos anteriores, as temporadas com menor atividade ciclónica podem produzir impactos catastróficos em nossas comunidades”, alertou Kathryn Sullivan, administradora da NOAA, em referência à passagem do poderoso furacão “Andrew”, em 1992. Com seus devastadores ventos de mais de 252 km/h, “Andrew”, de categoria 5, varreu as cidades de Homestead e Florida City, deixou 15 mortos, destruiu 25.500 casas, danificou outros 100.000 imóveis e deixou 250.000 pessoas sem-teto, além de danos no valor de US$ 25 bilhões.

Os cientistas atribuíram a menor atividade de furacões prevista este ano à presença do fenómeno “El Niño” no Pacífico, que inibe a formação de ciclones na bacia atlântica, e que está “afetando os ventos e os padrões de pressão atmosférica”, explicou Garry Bell, líder da equipe responsável pela elaboração da previsão da NOAA.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.