Carta do fundador do Partido Popular aos cidadãos

19/08/2015 09:43 - Modificado em 19/08/2015 09:43

Carta do fundador do Partido Popular aos cidadãos

Caro cidadão,
Desde Janeiro de 2015, nós, um grupo de cidadãos preocupados e descontentes com o exercício do poder político em Cabo Verde, vínhamos reunindo e discutindo a criação de um novo partido político.

Assim, agora está criado o PARTIDO POPULAR DE CABO VERDE – PP.

Mas para quê criar mais um partido? É apenas mais um Partido que chega pela ânsia dos seus criadores enriquecerem à custa do povo, como tem sido hábito nessa terra!?

Não, nunca! Rejeitamos categoricamente esta forma de encarar a política!

Para o PP, o exercício do poder político é uma missão voluntária e patriótica, que jamais promove um estatuto particular ao político, garantindo-lhe a possibilidade de enriquecer-se à custa do erário público, ou ter quaisquer outras vantagens extras não compatíveis com a justiça, com o Estado de Direito e com o bem comum.

Aceitamos, todavia, que a razão fundamental da descrença na política, fazendo com que grande parte dos cabo-verdianos estejam descrentes e frustrados com o exercício do poder político em Cabo Verde, tem como causa os problemas da representação. Existem exemplos convincentes de que votamos em alguém para representar os interesses da colectividade, alcançado o poder, esta pessoa passa a representar os seus próprios interesses.

Nós do PP, rejeitamos categoricamente esta forma de encarar a política!

O PP defende:

• Defendemos que o Estado deve ser moderno, eficiente e eficaz, cumpridor cabal das suas atribuições e nesses 40 anos de Cabo Verde como Estado Soberano, o PAICV e o MPD provaram já que são contra o Estado que cumpre as suas atribuições.

• Um Estado que promove a justiça social,coisa que não existe, nunca existiu e nem existirá com os governos do PAICV e do MPD;

• Um Estado que promove a criação do rendimento e da riqueza e que estabelece políticas da sua distribuição de forma justa, evitando a assimetria do rendimento e da riqueza na sociedade, coisa que não existe, nunca existiu e nem existirá com os governos do PAICV e do MPD;

• Um Estado que promove a paz social, que promove a segurança pública, a educação, a saúde, que promova a integração social das crianças, dos jovens, das mulheres, dos idosos e dos doentes,coisa que não existe, nunca existiu e nem existirá com os governos do PAICV e do MPD;

Defendemos que o Estado deve lutar contra a corrupção, um mal venenoso capaz de impedir que os nossos filhos tenham as melhores escolas, bons hospitais, uma justiça célere e competente e uma segurança pública capaz de resgatar a paz social perdida.

• Um Estado que respeita a lei, a ética no exercício da política, a transparência dos actos e negócios do Estado, que privilegia apresentação das contas, premiando o bom desempenho, mas também reprimindo o mau desempenho;

• Somos contra um Estado, cujos agentes em virtude da não prestação de contas e da falta de transparência nos negócios públicos, entram pobre na política e saem ricos à custa dos negócios públicos, sendo a corrupção a origem das suas riquezas;

• Somos, ainda, contra um Estado que exerce as suas atribuições, sem a participação do cidadão contribuinte;

O Estado de Cabo Verde hoje padece de muitas falhas:

• abipolarização partidária caracterizada por um enorme défice da democracia e da participação popular nos negócios do Estado,

• O descontentamento popular com o sistema político vigente,

• Favorecimento das empresas estrangeiras e discriminação do empresário nacional,

• Corrupção a olhos vistos, pessoas que entram pobres na política e que hoje os sinais de riqueza dessas pessoas mostram logo a origem da riqueza – a corrupção,

• Cabo Verde hoje tem duas classes de cidadãos:

Cidadãos de 1ª, aqueles que estão na vizinhança do poder, beneficiando de privilégios amplos, tais como:
• (1) Estão acima da lei;
• (2) Dispõe de privilégios amplos: acesso ao emprego público e a cargos de comando nas instituições do Estado, ganham todos os concursos, tudo é trabalhado a favor dos cidadãos de 1ª;

Cidadãos de 2ª, aqueles que, previamente, são destituídos de igualdade de oportunidade na disputa com os cidadãos de 1ª.

O Partido Popular nasceu em decorrência dessas discrepâncias na sociedade cabo-verdiana e propõe dar combate sem tréguas a essas desigualdades que tem provocado feridas e desequilíbrios na sociedade, feridas essas que levam tempo a serem saradas.

O Partido Popular propõe iniciar esta dura caminhada, visando a justiça social, o equilíbrio social e a paz social, para legarmosas gerações futuras um país próspero e com equilíbrio social e económico.

Assim, contamos com o seu envolvimento nessa caminhada e esperamos que nos acompanhe nessa luta.

  1. Oraculo da Silva

    Cmeça bem. Um carta não assinada. Ninguem sabe quem são: mercrinha de cum pelod, partid anonima

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.