A Hora da Verdade e do Seu Brilho Resplandecer em Mim Chegou – III Parte

4/08/2015 14:01 - Modificado em 4/08/2015 14:01
| Comentários fechados em A Hora da Verdade e do Seu Brilho Resplandecer em Mim Chegou – III Parte

pinaDepois do casamento do Branco, lembro me de uma viagem que eu tinha feito na companhia do Branco para o fogo, e que depois de alguns dias da nossa estadia no fogo, o Branco ficou no fogo e eu regressei sozinho para o centro da Congregação Reformada dos Adventistas do 7º dia, de Tendas, em Ponta D’Água. No primeiro dia que cheguei no centro, encontrei com Titi ali. Isso levou-me a perguntar a alguns irmãos do ministério, porque é que o Titi estava no centro novamente, se ele tinha sido proibido, pelo Inácio, de entrar no centro. Eles me disseram, que foram o ministério e Deus quem deram-lhe mais uma oportunidade. Logo em seguida, subi para o meu quarto no apartamento das mulheres. No dia seguinte, fui procurar o Titi no seu quarto, que ficava no fundo do apartamento de recuperação. Quando cheguei ali, perguntei-lhe se ele estava bom. Ele me disse que ainda ele estava despistando que estava calmo, mas, que em breve ele começaria a batucar os irmãos da igreja com pau. Os demónios me disseram que o Titi estava certo e eu concordei com eles (demónios) e disse ao Titi que estava certo. Mais tarde, fui outra vez, ter com o Titi no seu quarto. Ele me disse que ele já tinha a lista dos irmãos que iria açoitar, e que no dia certo ele lhes daria resposta. Os demónios me disseram que o Titi estava certo, concordei com eles, e eu disse ao Titi que ele estava certo. Passado alguns dias, encontrei com o Titi no corredor do apartamento de recuperação e ele estava muito chateado. Por isso, perguntei-lhe o que se passava. Ele me disse que o Inácio não queria que ele casasse com a Ester, mas que ele o mataria. Os demónios me disseram que o Inácio é confiado e que ele não gosta que as pessoas se casem. Concordei com os demónios no que disseram, e disse ao Titi que o Inácio é confiado e que ele não gosta que as pessoas casem. O Titi me disse para não preocupar, que ele iria montar um plano que o Inácio não aguentaria. Os demónios me disseram que o Titi estava certo, e me apelaram a unir com ele para montarmos aquele plano que apanharia o Inácio de surpresa. Concordei com os demónios e disse ao Titi para montarmos esse plano sim, a fim de apanharmos de surpresa o Inácio. No dia seguinte, o Titi me disse que ele iria buscar a Ester, porque com ela, ele conseguiria pegar o Inácio na sua armadilha, mais rápido. A seguir ele saiu e foi buscar a Ester. Passado aproximadamente 40 minutos, ele voltou com a Ester para o centro. No Dia seguinte fui procurar o Titi no quarto ao fundo, no apartamento de recuperação. O Titi me disse para ir chamar a Ester no apartamento das mulheres. Eu fui, chamei a Ester e fui com ela até o quarto do Titi. Quando chegamos no quarto, Ester disse ao Titi que o Inácio é atrevido e que ele gosta de fazer perguntas. Os demónios me disseram que o Inácio é atrevido mesmo. Concordei e disse à Ester que o Inácio é mesmo um atrevido, assim com ela tinha dito. Depois, saí do quarto e deixei a Ester e o Titi conversando. Mais tarde, fui procurar o Titi. Ele me disse que a Ester iria ficar com ele ali no apartamento de recuperação, e que o Inácio estava armado em atrevido, mas que se ele não concordasse que a Ester dormisse junto com ele, ele lhe mostraria o quanto vale. Os demónios me disseram que o Titi tinha razão e que o Inácio é atrevido. Concordei com os demónios e disse ao Titi que o Inácio é atrevido sim. Naquele momento senti muita fome. Logo os demónios me disseram para dizer ao Titi, que fosse até a Patrícia Grande ordenar-lhe em tom agressivo, que fizesse uma boa quantidade de sopinha e em pouco tempo, para comermos, e que se ela não fizesse, para que ele (Titi) batesse nela. Eu concordei com os demónios e disse ao Titi para assanhar na Patrícia, e ordenar-lhe que ela trouxesse uma boa quantidade de comida rápido, para comermos, e que se ela não fosse o Titi deveria açoitar-lhe. Logo o Titi mandou-me chamar a Patrícia; fui e disse-lhe para ir responder o Titi urgente. A Patrícia subiu logo, e assim que chegou ao quarto, o Titi lhe disse que tinha 20 minutos para fazer uma panela de comida para comermos urgente. Ele disse ainda que se ela não trouxesse rapidamente ela seria açoitada. A Patrícia foi rapidamente. Quando ela saiu eu disse ao Titti que ia até o meu quarto e que viria comer aquela sopa depois. Depois de 20 minutos voltei para encontrar o Titi e a Ester. Quando cheguei passado menos que um minuto a Patrícia chegou com uma panela de sopinha com Lentilha. Ela colocou a panela ali, e logo o Titi ordenou-lhe que saísse. A seguir nós tiramos comida e começamos a comer. Quando terminamos de comer, o Titi disse que isso é que é vida boa. Me disse também, que o que eu queria ele me dava para comer desde de que ficasse do seu lado. A Ester disse que o Inácio é atrevido, que certamente ele iria espreitar o que estava se passando. Os demónios me disseram que o Titi está certo e que se eu unisse com ele comeria como e o que eu quisesse e que o Inácio é atrevido assim como a Ester disse. Eu concordei com os demónios, e eu disse ao Titi que estava do seu lado e que a Ester tinha razão ao dizer que o Inácio é mesmo atrevido e que ele tinha mania de espreitar as pessoas. Depois eu disse ao Titi que eu ia para o meu quarto e viríamos mais logo ou no dia seguinte. No mesmo dia, à tardinha, fui ter com o Titi. Ele me disse que a Liu estava muito atrevida e que ele precisava bater-lhe no ouvido; logo os demónios me disseram que a Liu estava atrevida sim, que ela precisava ser batido no ouvido e para que eu incentivasse ao Titi a fazer isso. Concordei com os demónios e disse ao Titi que a Liu estava atrevida sim e para que ele fosse bater-lhe no ouvido. Ele respondeu e me disse, que não bateria a Lui no meio de pessoas, mas sim num lugar particular, de forma a evitar que isso chegasse ao ouvido do Inácio, visto que ele estava fingindo que estava manso, e para que o seu plano não caísse por água baixo. Depois eu saí dali. De cedo, no dia seguinte, voltei para o quarto do Titi no apartamento de recuperação. Ele me disse que estava tentando dar expediente para fazer o Branco voltar para a Praia antes dele (Titi) casar, para fazerem um trabalho rápido. Esse trabalho era tomar dinheiro e outras coisas nos irmãos da igreja. Os demónios me disseram para dar expediente no dinheiro para que o Branco viesse para a Praia. Concordei com os demónios, e disse ao Titi que se ele quisesse, eu daria expediente no dinheiro para o Branco vir para Praia. Logo no momento o Titi telefonou o Branco. Ele lhe disse que eu prometi que iria dar expediente no dinheiro para ele vir para a Praia. Ele disse ao Branco ainda, que o centro estava manso e que esse era o momento exacto para tomarem dinheiro e outras coisas nos irmãos da igreja. O Branco disse ao Titi que no momento não poderia vir para a Praia, porque ele acompanhava a Vera em muitas urgências, mas que ele poderia vir mais a frente. O Titi disse ao Branco que ele não sabia o que estava perdendo. Depois o Titi me disse para que eu fosse chamar a Ester no apartamento das mulheres. Fui chamar a Ester e fomos juntos para o quarto do Titi no apartamento da recuperação. Quando ela chegou o Titi beijou-a na boca, e nós (eu, Titi e Ester) assentamo-nos em cima da cama. O Titi disse à Ester que ele iria falar duro com o Inácio, que ele tinha que coloca-los juntos num quarto e que a Ester não iria ficar no apartamento das mulheres mais. Ele disse ainda à Ester, que quando ele fosse falar com o Inácio para que ela demonstrasse revolta também, dizendo que não queria ficar no apartamento das mulheres. O Titi mostrou-me uma faca oitenta que ele tinha dentro de uma banquinha. Ele disse que aquela faca era para que se o Inácio desse para doido ele a fincaria no peito do Inácio, e que esse não era a outra vez, que o plano não tinha dado certo, mas que deste vez, esse plano se concretizaria. Os demónios me disseram na mente que Titi estava certo sim e que desta vez esse plano para com o Inácio tinha que realizar. Concordei com os demónios, e disse ao Titi que ele estava certo e que desta vez o nosso plano para com o Inácio se realizaria. Depois o Titi apanhou a sua faca e foi junto com a Ester para o apartamento do Inácio. Passado 20 minutos aproximadamente, voltaram para o quarto e me encontraram ali esperando por eles. O Titi chegou no quarto muito irado. Ele me disse que o Inácio lhe disse que Ester mudaria do apartamento das mulheres, mas só se ela fosse ficar no seu apartamento junto com a Ramila, mas que depois de casarem eles teriam um quarto só para eles. O Titi disse que ele não aceitaria aquilo e que o Inácio teve sorte que estavam outras pessoas ali, porque senão, ele veria o quanto ele (Titi) vale. Depois saí do quarto e deixei o Titi e a Ester ali. No dia seguinte, eu fui achar o Titi no quarto. Ele me disse que iria casar com a Ester em breve. Ele disse ainda que casaria, mas que a igreja tinha que dar-lhe sapato, fato novo e todas as outras coisas necessárias para o casamento. O mesmo deveria acontecer em relação à Ester. Os demónios me incentivaram para dizer ao Titi que ele tinha que tomar coisas novas para o seu casamento, porque se fosse o Amândio ou a Vera, a igreja daria coisas novas; e para o Titi revoltar se ele não recebesse da igreja roupas novas e sapato novo para o casamento, até que a igreja decidisse em dar-lhe coisas novas. Concordei com os demónios, e disse ao Titi para pressionar a igreja para dar-lhe roupas novas para o casamento, e para revoltar com a igreja se não fizessem isso. No dia seguinte, o Titi me disse, que foi ter com o Inácio e que ele ameaçou-o, até que ele concordou em dar-lhe roupas, sapato novo e festa de casamento. Ele me disse ainda, que eu iria com ele escolher fato, enquanto a Liu iria com a Ester escolher roupa de noiva. Passados três dias, o Titi e a Ester vieram com as suas roupas e sapatos novos para o casamento. O Titi me disse que o Inácio disse que iria fazer-lhes uma festa com todas as coisas. Eles se casaram, e no mesmo dia, passaram a residir no apartamento das mulheres, aonde eu residia também. Posteriormente o Titi me disse, que o Inácio mandou que ele fosse tomar a minha cama para dar à Ester. Eu lhe dei, mas os demónios em mim me deram grande ódio do Inácio por causa disso. Eu concordei e fiquei com muito ódio e raiva do Inácio. No dia seguinte, o Titi me disse que depois do casamento com a Ester, foram dormir juntos e duraram a fazer sexo e que mulheres grávidas fazem sexo agradável. Logo ele me disse, porque é que eu não esconderia Ramila os remédios para que nós pudéssemos ter filhos; e que o Inácio não gosta que os irmãos tenham filhos, mas que no entanto ele tem filhos. Logo os demónios me disseram que o Titi estava certo em dizer-me para esconder os remédios da Ramila para que pudéssemos ter filhos, e que o Inácio é mau porque ele tem filho e não gosta que outros tenham filhos também. Concordei com os demónios e disse ao Titi que ele estava certo e que a partir desse dia eu esconderia os remédios da Ramila, porque eu tinha que ter o meu filho, assim como o Inácio já tinha o seu também. Naquele momento, os demónios me disseram para que eu fosse esconder a Ramila os remédios; eu concordei com eles, fui e escondi os remédios da Ramila.

No dia seguinte, eu acordei e fui para o quarto de Titi. Ele me disse para ficar atento na Eydira, para que quando ela saísse para escola, eu fosse informá-lo, para que assim ele pudesse revistar o seu quarto e apanhar ali, bons perfumes que ela tinha. Logo os demónios me disseram para controlar o momento em que a Eydira sairia para a escola, a fim de informar ao Titi, para que ele fosse apanhar coisas no quarto da Eydira, porque ela era má e armava sempre em bom. Concordei com os demónios e quanto ela partiu para a escola, chamei o Titi e disse-lhe para entrar no quarto naquele momento, porque a Eydira tinha saído para a escola. O Titi foi e saiu do quarto com um perfume e algumas moedinhas nas mãos e me disse para ficar calado; e eu lhe disse que não tinha problema. Naquele momento, o Titi saiu e fiquei no quarto com porta aberta junto com a Ester. Ela começou a falar-me mal do Inácio, dizendo-me que ele é atrevido, e que pretende controlá-los em todas as coisas. Os demónios me disseram que a Ester está certa e que o Inácio é atrevido sim. Concordei com os demónios e disse à Ester que ela estava certa e que o Inácio é atrevido sim. Depois, vi a Ester com uma panela que continha arroz, e vi também pão e leite. Os demónios me deram ânsia para que eu pedisse à Ester um bocadinho de comida. Concordei e pedi à Ester um pouco de comida. Ela me disse que aquela comida estava ali, mas, que ela já estava farta de comê-la, e que aquilo não era comida. Os demónios me disseram para dizer à Ester que eu também já estava farto de comer aquela comida quando estava na recuperação. Concordei e disse à Ester que eu também já estava farto de lentilhas e que até ainda estava “indogado” de comer lentilha. A Ester me disse para apanhar pão e leite e comer. Apanhei e comi. Depois, a Ester me disse que iria mandar o Titi bater na Lui, porque ela é atrevida e que a toda hora, ela perguntava-lhe que dia iria ter filho. Logo os demónios me disseram que a Liu é atrevida sim, e que eu deveria incentivar a Ester, para que ela mandasse o Titi bater nela, porque ela investiga coisas e vai contar ao Inácio. Passado algum tempo, o Titi chegou. A Ester lhe disse que deveria bater na Liu, porque ela está sempre a investigar coisas, e a procurar saber quando ela (Ester) iria ter filho para contar ao Inácio. O Titi disse à Ester para não preocupar que à noite ele açoitaria a Liu com pau, para mostrar-lhe que ela não tinha nada que ir fazer no seu quarto. Depois, saí de dentro do quarto e disse ao Titi que iria ter com a Ramila. No dia seguinte, de cedo, o Titi chamou-me dizendo que ele precisava de mim. Eu fui responder-lhe, e ele me disse que ontem à noite ele esbofeteou a Liu e bateu-lhe com pau nas mãos. Depois os demónios me disseram que a Liu é atrevida e que o Titi bateu nela bem batido. Concordei com os demónios e disse ao Titi que a Liu é atrevida e que ele bateu nela bem batido. A seguir, o Titi disse à Ester, para que ela fosse ter com o Inácio, e dizer-lhe que ele (Titi) estava a maltratá-la, para que dessa forma o Inácio falasse mal dele (Titi) em frente dela (Ester) e para que a Ester fosse contar-lhe e assim ele mataria o Inácio. Ele mandou a Ester e ela foi. Passado algum tempo, ela voltou e disse ao Titi, que o Inácio disse, para deixá-lo quieto, porque ele (Titi) pagaria pelas maldades que estava fazendo à Ester. Logo o Titi colocou uma faca dentro do bolso e disse à Ester que ele iria subir para o terraço aguentar o Inácio, para cravar-lhe uma facada. Naquele mesmo momento ele me disse para manter calado. Mais tarde, o Titi chamou-me no meu quarto e ele me disse para que eu controlasse o lugar, porque ele iria entrar novamente no quarto da Eydira, para apanhar algumas coisas ali. Os demónios me disseram para dizer ao Titi que não tinha problema e que ele podia entrar no quarto da Eydira. Concordei com os demónios e disse ao Titi que ele podia entrar que eu ficaria de vigia. Ele entrou no quarto e voltou com um creme nas mãos e foi directamente para o seu quarto. Logo eu fui para o meu quarto também.

Mais logo, a Ester chamou-me do seu quarto. Fui responder-lhe e ela começou a falar-me muito mal do Inácio. Ela disse-me que o Inácio é atrevido, que ele procura controlar-lhe a toda hora e que se ela fosse homem, como o Inácio, que ela lhe mostraria o quanto vale. Depois o Titi disse à Ester para não preocupar, porque o Inácio estava quase a cair na armadilha, e que ele o mataria de vez. A Ester disse ao Titi que já não queria permanecer mais no centro, para que ele desse expediente em sair, porque ela sentia como se estivesse numa cadeia (ela considerava o centro como uma cadeia) e que todas as pessoas procuravam mandar nela. Os demónios me disseram que a Ester estava certa e para que eu a incentivasse a não parar aqui. Concordei com os demónios e disse à Ester que ela estava certa e que aqui não dá para ficar. O Titi disse à Ester para não preocupar, mas que esperasse até que ele resolvesse aquele problema com o Inácio e assim sairiam do centro. Os demónios me disseram para dizer à Ester, para não preocupar e que o Inácio estava quase a cair na armadilha, que tínhamos preparado para ele. Concordei e disse à Ester para não preocupar porque o Inácio estava quase a cair na armadilha que eu e o Titi tínhamos preparado. Logo, o Titi me disse para ficar a vigiar o Inácio quando ele ia para o Terraço, para que fosse informar-lhe e assim ele subiria rápido e o mataria. Os demónios me disseram para dizer ao Titi que estava disposto a fazer esse trabalho de vigiar o Inácio em cima da casa e informar-lhe. Concordei com os demónios e disse ao Titi que estava disposto a controlar o Inácio e em avisar-lhe. A seguir a Ester voltou a falar muito mal do Inácio, dizendo que ele é atrevido. Depois saí do quarto de Titi e foi descansar. No dia seguinte, o Titi contou-me no seu quarto, que à noite quando fui deitar, ele açoitou a Eydira com pau de  vassoura nas mãos, porque ela fez necessidade e não colocou água. Os demónios em mim, me disseram que a Eydira tomou pau bem tomado. Concordei com os demónios e disse ao Titi que tinha feito um bom trabalho em açoitá-la. Depois, senti fome, os demónios me disseram para dizer ao Titi para dar expediente em arroz e Congo para comermos e para pressionar a Patrícia com ameaças, que se a comida não estivesse pronta rápida, ele (Titi) bateria nela. Concordei com os demónios e disse ao Titi para dar expediente em arroz com congo para comermos e para ameaçar a Patrícia que ele a açoitaria se a comida não estivesse pronta rápido. O Titi mandou-me chamar a Patrícia para responder-lhe urgente. A Patrícia foi junto comigo responder o Titi. Quando ela chegou, o Titi ordenou-lhe que desse expediente rapidamente em arroz e congo e trazer para o quarto, porque senão ela seria agredida com pau. Por volta de uma hora depois a Patrícia voltou com arroz e congo. Ela colocou aquela comida no quarto e nós comemos. Quando findamos de comer, o titi me disse que era ele quem mandava no centro e que eu poderia comer tudo o que queria, desde que eu o informasse, e que se alguém desse para doido ele o mataria. Eu saí do quarto e fui dar alguns expedientes. Num outro dia de cedo, o Titi me disse que uma menina que se chamava Aleida, tinha vindo da Boavista, que foi o Guto quem mandou-a para recuperação. Ele me disse ainda, que ela era uma grande prostituta e que ela arma em bom, mas que se ela desse para doida, ele a açoitaria bem açoitada. A Ester logo disse que viu aquela menina no Inácio e que ela tinha cara de prostituta e atrevida mesmo. Eu disse ao Titi e à Ester, que ainda não tinha visto aquela menina. Depois o Titi e a Ester disseram-me que eles iriam para Safende ver os seus amigos e que voltariam à noite.

 Num outro dia de cedo, eu estava no corredor do apartamento das mulheres e o Titi chamou-me para que fosse responder-lhe no quarto. Fui responder, logo ele me disse se eu não sabia que a Aleida e a Liu estavam namorando-se e que foi o Inácio quem contou-lhe que ele tinha apanhado as duas namorando-se. Logo os demónios me disseram que a Liu tinha cara de mulher que namorava mulher sim. Eu concordei e disse ao Titi que a Liu tinha cara de mulher que namora mulher sim. Os demónios me disseram para dizer ao Titi porque é que ele não batia nelas. Concordei e disse ao Titi porque é que ele não batia nelas por causa disso. Logo, o Titi mandou-me dizer-lhes que fossem responder-lhe mais logo na sala de recuperação. Eu perguntei-lhe o horário e ele me disse a partir de oito para as nove horas. A seguir fui informá-las. Voltei e informei ao Titi que já estavam de sobreaviso que deveriam esperá-lo no apartamento de recuperação a partir da hora combinada. Ele me disse que iria mostrar-lhes o quanto valia. A Ester disse ao Titi para bater nelas sem dor porque as duas eram atrevidas e prostitutas. Depois saí, e o Titi me disse para que eu fosse encontrar com ele no apartamento de recuperação quando faltava pouco para a hora da reunião, mas que naquele momento eu podia descansar um pouco. Quando faltavam aproximadamente 30 minutos para a reunião, fui encontrar o Titi no quarto, os demónios me disseram para dizer ao Titi para bater na Liu e Aleida sem dor nem piedade no coração, porque as duas eram maus; logo eu concordei com os demónios e disse ao Titi para bater nelas sem dor nem piedade no coração porque são maus. O Titi me disse que não tinha problema. Assim, ele me disse para irmos até o apartamento de recuperação, para que ele fosse bater nelas e dizer-lhes que tinha sido o Inácio quem mandou que elas fossem açoitadas, para levá-las a revoltarem contra o Inácio. Nós subimos para a recuperação e encontramos a Lui e Aleida ali. Ele começou logo a chamá-las de cachorras, putas e que não prestavam. Logo a seguir ele começou a açoita-las com pau de vassoura na mão e nas pernas. A Liu começou a chorar mas a Aleida aguentou um bom bocado mas no fim, ela chorou também. Os demónios me deram vontade de escarnecer delas, concordei e fiquei a escarnecer delas de forma escondida. Disseram-me ainda na mente que eles tomaram pau bem tomado. Concordei com os demónios, e na minha mente fiquei a dizer que tomaram pau bem tomado. Depois o Titi deu-lhes mais uma paulada, e disse-lhes que foi o Inácio quem ordenou que fossem açoitadas, porque estavam a namorar dentro do quarto. No fim, o Titi mandou a Lui calar a boca, e fomos cada um para o seu apartamento. Ele me disse para irmos deitar, e nós fomos. No dia seguinte de cedo, esqueci aonde tinha deixado a chave da porta do apartamento de mulheres. Por isso, fui pedir ao Inácio que me emprestasse o molho de chaves que ele tinha, para abrir a porta e que depois eu levaria de volta. Ele emprestou-me e disse para levá-lo de volta. Fui com as chaves e consegui abrir a porta. Logo os demónios me disseram tirar uma chave da nossa porta para mim. Concordei com os demónios e tirei uma chave para mim. A Seguir coloquei esse molho de chaves no chão do corredor e fui experimentar outra vez a chave que tinha tirado para confirmar se abria a porta mesmo. Nesse momento o Titi foi e tirou uma boa quantidade de chaves desse molho de chaves e colocou-as no bolso. Eu vi-o a tirar essa quantidade de chaves, e os demónios me disseram para não informar ao Inácio que eu e o Titi tínhamos tirado essas chaves. Concordei com os demónios, por isso, quando fui devolver o molho de chaves ao Inácio eu não lhe disse nada acerca do que tinha acontecido. Mais tarde o Titi me disse que o Samuel estava bloqueado. Eu disse-lhe que não sabia. Num outro dia de cedo, o Titi me disse que o Samuel tinha uma grande paixão pela Della. Ele me disse ainda, que o Samuel disse que tinha grande açoite para dar à Elsa sua mulher. Num outro dia ainda, que era um sábado, depois do culto, o Samuel e o Titi reuniram-se com o ministério de expia prática. Também convidaram-me a participar nessa reunião. Estavam presentes na reunião os seguintes elementos: Eu, Elsa, Titi, Samuel e todos os membros de expia prática. O Titi me disse que o assunto que iria ser tratado eram as chaves que ele tinha furtado depois que ele me tinha visto a furtar uma chave do molho de chaves que eu tinha tomado no Inácio. O Titi perguntou ao Clá se ele não tinha visto nenhum pecado no centro. O Clá disse que viu-me a bazar muito óleo na comida para comer. O Titi disse que os membros do ministério estavam em pecados e que viam pecados e não denunciavam. Ele me disse também que eu não iria passar ano novo no Fogo assim como eu pretendia. O Samuel tinha um pau na mão e ele disse que tinha esse pau para açoitar os irmãos. A seguir o Titi me disse para sair da reunião. Saí e fui para o meu quarto. Passado aproximadamente meia hora o Titi chegou na porta e me disse que ele precisava de mim, para eu abrir-lhe a porta. Eu abri e ele me disse para fazermos um acordo. Ele me disse que me deixaria ir para o Fogo, mas que eu deveria enviar-lhe 3000 mil escudos e que se eu não enviasse ele me mataria com pau. Eu disse-lhe que não tinha problema, que eu enviaria esse montante, e pedi-lhe o seu número de conta. Mais tarde tínhamos uma reunião com o Inácio em cima do terraço. Nessa reunião, o Samuel disse que estava bloqueado e que eu não iria para o Fogo porque tinha furtado chave. O Titi disse a mesma coisa. Quando saímos da reunião, voltei para o quarto. Os demónios me disseram para pedir ao Titi que me deixasse ir para o Fogo na condição que ele me tinha dito antes, e que assim que eu chegasse no fogo, enviaria os 3000 escudos como tínhamos combinados, para a sua conta. Concordei com os demónios e disse ao Titi para deixar-me ir para o Fogo como ele me tinha dito antes e que assim que eu chegasse no fogo, depositaria na conta aquele dinheiro que ele me disse. Ele me disse que não tinha problema, que ele iria falar com o Samuel e que eu iria para o Fogo sim. A seguir o Titi me disse que ele iria tomar o telemóvel da Ramila porque precisava dar Ester um telemóvel. Os demónios me disseram para dizer ao Titi que não tinha problema. Concordei com os demónios e disse ao Titi que não tinha problema. O Titi foi e ordenou à Ramila em tom agressivo, para entrega-lo aquele telemóvel. Os demónios em mim, me disseram para dizer à Ramila, para entregar aquele telemóvel. Concordei com os demónios e disse à Ramila para entregar esse telemóvel e logo a Ramila entregou aquele telemóvel ao Titi e ele saiu do meu quarto logo. Menos que 10 minutos, o Titi bateu na minha porta e me disse que eram Titi e Samuel quem estavam ali. Eu abri a porta, o Samuel me disse logo que eu iria para o Fogo, mas para eu tomar cuidado porque tinha dívidas com eles, e logo saíram do meu quarto. No outro dia de cedo, encontrei com a Eydira na porta principal, a Eydira disse-me que iria para o Fogo. Eu disse-lhe para irmos juntos, porque eu ia para o Fogo também. Ela me disse que não, porque iria de avão e que a Elsa já tinha comprado passagem ida e volta pra ela. Logo os demónios me disseram para informar ao Titi que a Eydira iria para o Fogo de avião e que tinha sido a Elsa quem tinha comprado a passagem ida e volta e que aquilo era uma injustiça. Concordei como os demónios, e disse ao Titi que tinha dito à Eydira para irmos para o Fogo juntos, mas ela me disse que iria de avião e que a Elsa já tinha comprado passagem ida e volta pra ela e que isso era uma injustiça. O Titi revoltou e disse imediatamente que a Eydira não iria para o Fogo. Disse ainda que iria açoitar a Elsa à frente dos ministros do ministério e que no dia seguinte, eu iria tomar o reembolso daquela passagem entregá-lo nas suas mãos. Depois disto, ele me disse que veríamos mais logo no momento da reunião. Fui para o quarto, e o Titi foi para o Terraço.

À noite o Titi me disse para que fossemos até a sala da reunião no apartamento da Elsa. Os demónios me disseram para ir rápido a fim de desmascarar a Eydira e a Elsa. Concordei e disse ao Titi para irmos. Chegamos no apartamento da Elsa e entramos. Quando entramos, estavam presentes na sala somente a Eydira o Tó e os ministros do ministério de bens e alguns ministros de outros ministérios. O Titi mandou-me contar que tinha pedido à Eydira para irmos para o Fogo juntos, mas que ela disse que iria de avião porque a Elsa já lhe tinha comprado passagem ida e volta. Eu contei à igreja. Logo o Titi pediu aos ministros que chamassem à Elsa para saberem a que horas ela voltaria para casa. A Elsa informou-os que voltaria mais um bocado. Enquanto estavam à espera da Elsa, o Titi disse aos ministros, com a Eydira presente, que a ela não iria viajar mais para o Fogo e para que no dia seguinte eu fosse tomar o reembolso daquela passagem e entrega-lo nas suas mãos. O Titi mandou-me que fosse deitar e que no dia seguinte daria expediente no que ele tinha dito. Eu disse-lhe que não tinha problema e que eu iria dar aquele expediente e fui deitar.

No dia seguinte, logo cedo, levantei-me e fui até o Titi e eu lhe disse que iria tomar aquele dinheiro no TACV. Ele me disse para que eu esperasse por ele, porque ele iria fazer algumas compras da igreja, e que iriamos juntos. Esperei por ele. Fomos eu, Titi, Noia, e Isaías no carro fazer compra na Praia. Quando chegamos ali, o Titi perguntou ao Isaías pelo dinheiro de compra. O Isaías deu-lhe uma parte do dinheiro, mas não lembro a quantia certa. Naquele momento eu e o Titi fomos fazer compra. Ele separou uma parte desse dinheiro e colocou num bolso separado e me disse para ficar calado. Os demónios me disseram também na mente para ficar calado, concordei com eles e fiquei calado. Depois eu disse ao Titi que eu iria buscar o dinheiro de passagem no TACV em cima do Plateau. Eu fui, e me deram nove mil e tal escudos. Eu entreguei ao Titi aquele dinheiro completamente. Ele tomou e colocou-o junto com aquele dinheiro que já tinha separado antes e ele voltou a ordenar-me para ficar calado. Os demónios me disseram também na mente para ficar calado eu concordei e fiquei calado. Depois terminamos as compras e voltamos para a casa. Em casa, arrumaram as compras na despensa do apartamento das mulheres. Eu ajudei-os a arrumar as compras ali e fui descansar. Mais tarde, o Samuel foi ter com o Titi no nosso apartamento. O Samuel disse ao Titi que assim que o Tó chegasse do trabalho, chamariam alguns irmãos para a sala da Elsa e os açoitariam e diriam que foi o Inácio quem mandou bater neles, a fim de levá-los a revoltar contra o Inácio. Depois o Titi disse ao Samuel, que ele deveria açoitar a Elsa também e que não deixasse somente para que ele e o Tó, porque a Elsa estava precisando levar pau, mas do próprio Samuel. Logo o Samuel disse ao Titi que assim que o Tó chegasse do trabalho começariam a espancaria. O Titi me disse, que o Samuel não gostava de açoitar a Della, porque ele gostava da Della e que a Della gostava dele também. Logo os demónios me disseram, para dizer ao Titi, se o nosso plano de caçar o Inácio ainda estava de pé. Concordei com os demónios e perguntei ao Titi se o nosso plano de caçar o Inácio ainda estava de pé. Ele me disse para não preocupar, que agora já éramos quatro e que o plano se realizaria mais rápido. Passado algum tempo, o Tó chegou do trabalho e foi encontrar com o Titi no seu quarto. O Tó cumprimentou-nos (a mim e ao Titi). Ele me disse para não sentir medo, que não mexeriam comigo, mas que eles não me levariam para reunião, para que os irmãos não desconfiassem. Ele me disse ainda que iriam pedir-me para fazer-lhes um trabalho. Os demónios me disseram logo, que o Tó estava certo, eu concordei e disse ao Tó que não tinha problema. Depois o Tó disse ao Titi para baterem nos irmãos sem medo dizendo-lhes que foi o próprio Inácio quem ordenou que fossem açoitados, a fim de levá-los a revoltar contra o Inácio. Passado algum tempo, o Samuel foi ter com o Titi e o Tó no apartamento. O Samuel disse-lhes, para baterem nos irmãos sem dor e para dizer-lhes que foi o Inácio quem ordenou que fossem açoitados, para que se revoltassem contra o Inácio, e para que assim dominassem na igreja. Depois, o Samuel disse ao Titi para irem começar a acção. Saíram e foram para o apartamento da Elsa, e eu fiquei no nosso apartamento aonde estava e fui deitar. No dia seguinte de cedo fui ter com o Titi no seu quarto, ele me disse que à noite eles bateram na Delicia, Liu e os outros irmãos que estavam ali, dizendo-os que foi Inácio quem ordenou que fossem açoitados para assim levá-los a revoltar contra o Inácio. Depois o Titi me disse que iria morar no safende junto com a Ester, mas que ele viria sempre para reuniões bater nos irmãos, e que aquele plano de matar Inácio ainda estava de pé. Ele me disse ainda, para vigiar todos os passos que o Inácio dava e avisar-lhe pelo telemóvel ou pessoalmente. Depois separamo-nos cada um para o seu lado.

No dia seguinte, eu e a Ramila viajamos para o Fogo. Passados três dias no Fogo, o Titi me telefonou furioso e me perguntou do nosso acordo. Eu lhe disse para não preocupar, que eu iria depositar o dinheiro na sua conta naquele exacto momento. Logo saí e fui depositar-lhe aquele dinheiro e lhe informei que já tinha depositado. Nesse momento, os demónios me disseram na mente para que eu dissesse ao Titi que não queria ficar mais na Praia, mas sim no fogo. Eu concordei com os demónios e disse ao Titi para falar com o Inácio que eu queria ficar no Fogo. O Titi me disse para não preocupar. Ele me disse para que eu voltasse para a Praia e que ele me daria expediente para voltar para o Fogo novamente. Depois de 10 dias, voltei para a Praia. Quando cheguei na Praia fui ter com o Titi na sua casa no Safende. Quando cheguei ali, eu lhe dei mais 2000 mil escudos. Os demónios me disseram para dizer ao Titi que não dissesse a ninguém e nem ao Inácio que eu lhe dei aquele dinheiro. Concordei com os demónios, e eu disse ao Titi para não dizer nada a ninguém e nem ao Inácio acerca do dinheiro que eu lhe dei. O Titi me disse que durante todos os dias em que eu estive no fogo, eles fizeram reuniões no centro com os irmãos, bateram neles durante as reuniões todos os dias, dizendo-lhes que foram pagos pelo Inácio para açoita-los, a fim de levar esses irmãos a revoltarem contra o Inácio. O Titi me disse também que venderam o computador da Ramila que o Samuel lhe tinha emprestado, mas que eu deveria ficar calado. Os demónios me disseram na mente para ficar calado e para dizer ao Titi que não tinha problema. Concordei com os demónios e disse ao Titi que não tinha problema, que eu ficaria calado. Depois, o Titi me disse que ele tinha uma faca para matar o Inácio, mesmo que ele fosse para a cadeia. Ele me disse ainda para vigiar o Inácio e que assim que ele (Inácio) estivesse folgado (sem alguém por perto), para comunicar-lhe (Titi), e que ele viria do safende e o mataria. Nesse momento, os demónios me disseram para dizer ao Titi que não tinha problemas e que eu estava do seu lado. Concordei com os demónios e disse ao Titi que não tinha problema e que eu estava do seu lado. Depois disse ao Titi que eu ia voltar para o Centro. E ele me disse que veríamos à noite quando fossem para a reunião. Voltei para casa. À noite o Titi chegou no centro. Ele foi para o apartamento das mulheres junto com o Samuel e o Tó. Depois, o Samuel disse que iriam açoitar os irmãos bem açoitados e que diriam que foi o Naty quem pagou-lhes para açoitá-los, a fim de levá-los a revoltar contra o Inácio e para que assim tomassem a igreja e mandassem nela. O Tó disse ao Titi que ele tinha vontade de matar o Inácio e jogá-lo do terraço. Ele me disse ainda, para manter calado e que ele não ouviria aquilo na boca de outras pessoas. Os demónios me disseram para eu dizer ao Tó que manteria calado e que o Inácio deveria morrer. Concordei com os demónios e eu disse ao Tó que manteria calado. Depois fui deitar e o Titi, Samuel e Tó foram para reunião. No dia seguinte de cedo, o Titi veio para o centro. Ele me disse em cima do terraço que à noite açoitaram os irmãos muito, e disseram-lhes que tinha sido o Inácio quem ordenou-lhes que fossem açoitados.

Posteriomente, o Tó me disse, que mandaram comunicar os irmãos de Renque que tinham uma reunião com eles e que eles iriam bater neles a vontade e dizer-lhes que foi o Inácio quem mandou açoitá-los, a fim de levar também a igreja do Renque a revoltar contra o Inácio. Depois o Titi saiu. Noutro dia de cedo, o Titi voltou para o centro e me disse que à noite espancaram os irmãos de Renque Purga, e disseram que foi o Inácio quem ordenou que fossem açoitados. Depois o Titi me disse que ele precisava dar o Inácio um bom pagamento, e que o pagamento era matar-lhe. Os demónios me disseram para dizer ao Titi que ele estava certo. Eu concordei com os demónios, e disse ao Titi que ele estava certo. O Titi me disse que iria deixar-me. Posto isto, passei alguns dias sem ver o Titi no centro. Perguntei ao Samuel e Tó porque é que o Titi não vinha mais para o centro, e o Samuel me disse que o Inácio colocou-o fora do centro, e que ele não deveria entrar mais no centro. O Samuel me disse que por não ter deixado o seu irmão Titi entrar centro, o Inácio arrependeria de ter nascido. Depois o Samuel saiu do meu apartamento. Os demónios me disseram para que eu fosse procurar o Titi no safende. Eu concordei e fui procurar o Titi no safende. Quando cheguei ali, cumprimentei-o e a sua mulher. O Titi me disse que o Inácio lhe expulsou injustamente do centro, mas que ele pagaria caro por ter feito aquilo. Depois eu disse ao Titi que viria para casa e para que ele ficasse com coragem e que eu o visitaria depois. Depois voltei para o centro. Quando cheguei no centro encontrei o Samuel e o Tó chateados na escada. O Samuel me disse que precisava do Inácio para matá-lo, que ele é mau porque expulsou o Titi do centro. Ele disse que tinha que matar o Inácio. Depois o Tó e o Samuel foram para o Seu lado e eu fui deitar-me. Passei aproximadamente 2 dias sem encontrar com o Tó e o Samuel. Num outro dia à noite, ouvi janelas a serem quebradas, ouvi o Inácio a dizer que iria chamar Polícia. Os demónios me disseram para ficar no quarto e não sair. Concordei com os demónios, fiquei dentro do quarto e não saí. De cedo, levantei-me, os irmãos me disseram que o Tó e o Samuel quebraram as janelas e que já não estavam no centro, mas sim na casa ao lado.

O Confesso

 

Cândido de Pina

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.