MJ não acredita na demissão em bloco dos inspectores da PJ

16/07/2015 07:54 - Modificado em 16/07/2015 07:54

PJO Ministro da Justiça José Carlos Correia, diz que a revisão da tabela remuneratória e o quadro de transição da Polícia Judiciária representam um aumento de cerca de quarenta e seis mil contos para o Orçamento do Estado de Cabo Verde.  

Questionado sobre a possibilidade da posição dos profissionais da Polícia Judiciária que ameaçam demitir-se em bloco no decurso deste mês, José Carlos Correia avança, em declarações à RCV, que lhe foi dada a garantia pelo próprio pessoal da PJ, que isso não vai acontecer.

Correia afirma que já falou com o pessoal da PJ e estes disseram que esta ideia de demissão em bloco é conversa de alguns e não de todos. “Portanto, não será todo o pessoal da PJ, que seguramente se vai demitir. Eu garanto que não será”. E deixa bem claro que mesmo que isso fosse possível, nenhum Estado funciona à base de chantagem. “Estado nenhum pode admitir a chantagem. Se os funcionários públicos entenderem que podem ganhar melhor noutros serviços, podem pedir a exoneração. Eu não vejo como é que o Estado pode não aceitar a exoneração”, reitera.

José Carlos Correia diz que entende as exigências da Polícia Judiciária, mas são exigências que o Orçamento do país não pode suportar, uma vez que estes exigem uma remuneração base de 85 mil escudos para o pessoal de investigação criminal logo no ingresso o que representa qualquer coisa como 46 mil contos para o Orçamento de Estado de Cabo Verde, considerando apenas a exigência do pessoal da PJ. “Isto representaria um aumento de cerca de 49 para 85. Perto de 40 contos de aumento salarial na base”.

“A perspectiva que eles próprios colocam é de que este aumento proporcional também se aplique ao pessoal dos outros níveis. O cálculo que a administração pública fez é que este impacte não é suportável pelo Orçamento de Estado de Cabo Verde, ou seja, se esse impacte não é suportável, o Ministro da Justiça não se pode comprometer, a não ser que haja um pronunciamento e uma orientação clara do Concelho de Ministros nesse sentido”.

Por outro lado, José Carlos Correia diz que é preciso haver uma perspectiva da progressividade.

“Não sendo possível dar o aumento que pedem, foi-lhes apresentada uma proposta tendo como base a progressividade, ou seja, “que se aumentasse um tanto este ano. Que o salário passasse, por exemplo, para 66 ou 70 mil escudos este ano e que haja um compromisso para que nos próximos Orçamentos de Estado do Governo que vier, se possa melhorar para níveis mais satisfatórios para o pessoal da Polícia Judiciária”.

“Esta proposta foi feita por mim insistentemente, mas eles não aceitaram”, concluiu.

  1. Jon Carlos

    O MJ tem razao. Mas ele tem de saber que aqueles que criaram a PJ, criaram na para fazer concorrencia a PN! So que a PN te quase 150 anos de existencia. Sao os verdadeiros Patriotas, quase que nao reinvindicam nada com nenhum Governo.!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.