Júlio Correia: “Anda tudo doido”

10/07/2015 08:08 - Modificado em 10/07/2015 08:24

julio correiaO anúncio do fecho das portas a curto prazo da TACV não passa ao lado do deputado do PAICV, Júlio Correia. Este afirma que se trata de uma responsabilidade do Governo de Cabo Verde, mas defende que o PCA não deveria fazer tais declarações, mas sim procurar soluções e propostas para minimizar a fragilidade da empresa aérea nacional e afirma que “anda tudo doido”. Na sua página no Facebok, o vice-presidente da AN considera que a companhia aérea nacional “é um assunto de Estado e uma responsabilidade do Governo”.

Correia considera a situação ao questionar-se: “Há algum tempo a esta parte que se fala de uma eventual falência técnica da TACV. Será? Seria porquê? Entretanto, agora, com as recentes declarações vindas a público, a situação já de si grave, chega ao intolerável”. Correia aponta o dedo a João Pereira, pois no seu entender “a situação vivida pela TACV exige uma análise séria, um caso a reclamar a colocação de algumas perguntas que não se querem calar, já que a TACV é, antes e acima de tudo, uma questão de Estado e, por isso, uma responsabilidade do Governo”.

E é por estas e outras que o deputado do PAICV escreve: está tudo doido!

  1. Carlos Silva

    O PCA dos TACV disse que qualquer empresa que vende bilhetes de passagem abaixo do custo real do voo pode fechar as portas. Se assim os TACV estão fazer não é preciso que o Engº João Pereira Silva venha a praça publica para fazer essa afirmação. Todos sabem que agindo assim não é preciso fechar as portas, elas é que não abrem.

  2. Alerta Y-CV

    O problema dos TACV é, desculpa a franqueza, igual aos cabo-verdianos, no Plano Exterior. Não elegem a competitividade exterior como o mercado de um Pais insular e sem recursos próprios e falta de ousadia e atrofia mental, que não pode fazer escola, com esta mentalidade limitadora.
    Só a falta de reformas estruturais na Educação e apostar na Politica Externa como forma de alavancar a Economia e que leva o PCA a tabelar a TACV por baixo. O Capital Humano cabo-verdiano não tem expressão em Organizações Internacionais, porque não foi traçado uma política de longo Prazo neste domínio. É só ver a propaganda que se assiste com o fanatismo de oficialização do crioulo, como forma de atrasar um povo na sua integração num mundo global.
    No mundo atual, um excelente profissional, deve ter competências técnicas, experimentação operacional, não confundir com antiguidade na função e falar, pelo menos 3 línguas universais (com prioridade do inglês) e progredir constantemente. É preciso, acelerar o desenvolvimento de Cabo Verde, apostando em reformas estruturais para elevar o Pais, como a nossa Singapura de África. Porque não? Quem os elevou, a Singapura, com grandes reformas foi consultorias alemãs e multinacionais, como GNL, pagas no Orçamento do Estado.
    Singapura Airlines é a melhor companhia consolidada do Mundo, agora com concorrência de Emirates, TACV é uma companhia lucrativa, com boa reputação técnica e operacional, lembro que pertence ao grupo de 4 Companhias Africanas que pode ou podia sobrevoar o espaço aéreo norte-americano. Falta só uma estratégia comercial audaz e diria autista, the Sky is the limit!!!
    Lidar com a falta de visão e medo do PCA da TACV me irrita como líder e gestor, que apesar de sinais de inversão da cultura operacional e comercial, falta ousadia, muita OUSADIA, para “atacar” o mercado mundial. TACV já devia, estar com linhas cujo, epicentro é Lisboa, Londres, Paris, Tokyo, Shangai, Singapura, Joanesburgo, Abuja, New York, São Paulo e Rio de Janeiro. Ou seja, um projeto de 10 anos de linhas áreas integradas e com economia de escala mundial. Contratar o Eng.º Fernando Pinto é uma alternativa credível; que irá abandonar a TAP com a privatização é uma decisão que o Governo deveria tomar, já, já, já….eu pago imposto! E ver a despesa pública acima de 120% do PIB por, maioria das razões, as empresas públicas (TACV e ELECTRA) é frustrante. É passar um atestado de incompetência à todos nós, cabo-verdianos e cabo-verdianas
    É preciso mudar e pensar alto. Já somos pequenos, em termos de geografia e população, mas no mundo dos negócios, Sky is the limit! Favor mudar o CA e o Governo de Cabo Verde. Povo Soberano que ganhou liberdade económica em 1990.

  3. António Freire

    O JC está doido há muito tempo, os outros eu não sabia, mas se o Vice-Presidente da AN disse é porque ele sabe!!!entretanto, com aquele Estatuto que os deputados queriam aprovar, eu deveria ser muito mais inteligente e ter entendido isso!!! se calhar eu também tou ficando maluco.

  4. Julio Goto

    A TACV deveria ser dividida em duas empresas.
    TACV domestico e a TACV internacional
    A TACV domestica com o sua gerencia e subcidiado pelo governo num pazo de 5 anos
    para evitar aumento de tarifas.
    A TACV Internacional competiria no mercado internacional seguindo as regas do jogo.
    Acabar com a partidaricao e escolher competencia no 1. Lugar
    Diminuir as PARASITAS
    So assim a BOLA podera rolar no campo…

  5. Joao da Cruz Lopes

    Enquanto que as empresas cabovedianas sao administradas por comissarios politicos, nao se espera o melhor, lamentavelmente. Parece que nao ha pessoas competentes em Cabo Verde, meu Deus!!!

  6. Joao da Cruz

    Comissarios politicos nao podem ser considerados gestores

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.