O maior calote de Cabo Verde: TACV deve um bilhão e meio de escudos à ASA

9/07/2015 08:33 - Modificado em 9/07/2015 08:33

dividaA TACV é mesmo uma desgraça nacional. Para além das chatices eternas com que brinda os clientes, como o aumento abusivo das passagens, etc., é detentora do maior calote aplicado em Cabo Verde > deve à ASA 1,5 bilhões de escudos. Valor superior ao que a empresa foi buscar à banca internacional para financiar as obras que decorrem nos aeroportos do Sal e Boavista.

É um calote histórico e impagável. A TACV deve à ASA, empresa que faz a gestão dos aeroportos, mais de um bilhão de escudos. Em entrevista ao online oceanpress, o novo PCA da ASA, Sandro Brito, assume o montante e também a dificuldade de efectuar a cobrança, mas afirma que não vai desistir. A César o que é de César. Tenho de admitir que grande parte do trabalho que está a ser feito foi iniciado pela anterior administração. O anterior conselho de administração fez tudo ao seu alcance para resolver o problema. Muito do que estamos a fazer é dar continuidade ao seu trabalho.

Mas o certo é que a ASA não vê a cor do dinheiro, a começar pelo serviço de Handling que passou a prestar à TACV. Como se sabe, o Governo estendendo mais uma tábua de salvação à transportadora nacional, criou a CV Handling que absorveu parte dos trabalhadores e serviços que antes pertenciam à TACV. Só que a TACV não paga um tostão pelo serviço e a dívida vai aumentando. “Só à CV Handling, a TACV deve mais de 200 milhões de escudos, montante que se fosse pago possibilitaria à nova empresa executar o seu plano de investimentos previsto sem necessidade de recorrer à Banca e de se endividar”, diz Sandro Brito.

Mas há mais: a TACV não paga a taxa devida à ASA por cada bilhete de avião emitido. Ou seja, recebe o dinheiro que não é repassado à empresa que gere os aeroportos como determina a lei e a dívida vai aumento no mesmo sentido que aumentam as dores de cabeça dos gestores da ASA. “Bastava repassar e isso não acarreta custos porque já é um valor retirado do montante pago por cada bilhete de passagem mas, a companhia simplesmente não o faz”, esclarece Sandro Brito em entrevista ao Oceanpress.

  1. Julio Goto

    … para privatizar ou gerir a TACV o governo devia criar duas empresas .
    TACV domestico e TACV internacional.
    A domestica podia ser subcidiada pelo governo baixando o custo , aTACV internacional ficava ao Deus dara ate ser privatizada ou…
    Cair na falencia.

  2. Francisco andrade

    A culpa é da ASA que deixou a situação chegar a esse ponto. Eu como cidadão, não devo e não pago ( em impostos.. ou em aumento de passagem aérea)

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.