Reviravolta no caso do pastor António Pinto: investigação quer provar a tese do hímen complacente

29/06/2015 08:20 - Modificado em 29/06/2015 08:20

investigação2O exame médico realizado à menor de 15 anos, que acusa o Pastor da Igreja Baptista de abuso sexual, revelou que a vítima é virgem. Mas de acordo com técnicos e pessoas que tiveram acesso ao exame médico estamos perante um caso de hímen complacente. Ou seja depois do acto sexual o hímen volta ao normal e só rompe na altura do parto.

A defesa que o caso da jovem que denunciou o pastor António Pinto de abuso sexual com penetração seria um caso de hímen complacente já tinha sido defendida por alguns comentaristas anónimos do NN. Ao investigarmos essas pistas encontramos pessoas ligadas ao processo que defendem que “ os exames médicos mostram que estamos perante um caso de hímen “. Adiantam que tanto “o primeiro exame feito no Hospital Batista de Sousa, como o segundo feito a 13 de Maio pelo médico legista mostram que a jovem pode ter tido relações sexuais, mas que é um caso de hímen complacente.

No site Sexologia Clínica, a ginecologista explica que “o hímen é uma membrana elástica. Entretanto, o complacente tem muita elasticidade e volta ao normal. A sua função é mais social que qualquer outra coisa, pois é tradicionalmente considerado como “o marco da virgindade feminina”. Em certos casos, o hímen pode apresentar uma elasticidade aumentada “e não rompe com a penetração. Isto chama-se hímen complacente, pois apenas se rompe no parto normal quando a pressão é maior do que a penetração”. Se for este o caso da menor estamos perante um caso polémico e bastante delicado, muitas vezes não compreendido por leigos. Segundo técnicos questionado por este online “ o exame médico que está no processo e que levou o juiz a considerar que “não houve desfloramento “ apenas atesta, o que não quer disser que “a vítima seja virgem. “ Nesta perspectiva este assunto é, por enquanto, mais um assunto médico que jurídico. É bom que a Policia Judiciária e o Ministério Publico consigam “demostrar e provar que se está na presença de um caso de hímen complacente “. Isto para convencer o juiz a mudar aposição que assumiu quando decidiu colocar o pastor sobre TIR “com base no exame ginecológico, que estava anexado ao processo, fls 71 considera que este “deita por terra a tese que a menor “ foi desflorada pelo arguido”. Isto porque o exame revela que a data de 13 de Maio de 2015 a menor é virgem “

A defesa por seu lado pegou na mudança da medida de coacção e no exame de 13 Maio para clamar pela inocência do seu cliente. Mas nestes casos, abuso de menores, a defesa diz que anda “as cegas “ por que não tem acesso ao processo e a outros factos. E novidade neste processo é a tese do hímen complacente que pode vir a ser defendida pela acusação. E se assim for começa-se a entender porque o MP, pese a estranheza da defesa, defendeu que arguido deveria permanecer em prisão preventiva.

 

 

 

 

  1. Julio Cardoso

    Ja havia comentado neste jornal que a menor havia sido examinada e que apresentava sinais de ter havido relações sexuais mas sem desfloramento porque ela é uma das poucas “mulheres” no mundo que tem o hímen complacente. Houve penetração sim só que não houve rompimento do hímen. O primeiro exame provou que houve relações sexuais o segundo também só que o ginecologista do 2º não se lembrou desse “hímen complacente” caindo na asneira cultural de que só há desfloramento com o rompimento do himen.

  2. Julio Cardoso

    Para lembrar aos mais incautos o seguinte: Uma mulher que nunca tenha tido relações sexuais com penetração na vagina mas que tenha vida sexual activa com penetração anal e sexo oral É VIRGEM? Uma lésbica que nunca se envolveu sexualmente com um homem e que nunca teve penetração mas com vida sexual activa com a sua parceira, ela É VIRGEM? Um gay que nunca se deitou com uma mulher mas tem vida sexual activa com o companheiro, ELE É VIRGEM? Esses advogados sem escrúpulos deviam ir pra cadeia também!

  3. Francisco andrade

    Deus te ajude pastor António Pinto.
    Enfim,tem pessoas que te querem na cadeia de qualquer jeito. Eu dou a maior força, e quero que estejas em liberdade educando teu filho. Amém

  4. Clara Medi

    (Extraído da Wikipédia)

    Abuso sexual de menor
    EditarVigiar esta página

    Abuso sexual de menor, abuso sexual infantil ou abuso sexual de crianças é uma forma de abuso infantil em que um adulto ou adolescente mais velho usa uma criança para estimulação sexual.[1] [2] Formas de abuso sexual infantil incluem pedir ou pressionar a criança a se envolver em atividades sexuais (independentemente do resultado), exposição indecente (dos órgãos genitais, mamilos femininos, etc) para uma criança com a intenção de satisfazer os seus próprios desejos sexuais, ou para intimidar ou aliciar a criança, ter contato físico sexual com uma criança, ou usar uma criança para produzir pornografia infantil.[1] [3] [4]

  5. Informado

    Antes de mais, gostaria de esclarecer alguns factos sobre este assunto. 1) O acusado António Pinto NÃO É e NUNCA mais será “pastor” da Igreja Baptista. Assim que o caso veio à tona, ele demitiu-se…o máximo que o senhor jornalista pode dizer é “ex-pastor”.
    2) O acusado António Pinto NEM sequer é membro da Igreja Baptista. A Igreja EXPULSOU-o perante o número de testemunhas fidedignas (algumas de há 20 anos). 3) Ainda existem dezenas (ou mais) de vítimas legítimas desse PREDADOR.

  6. Ema Rodrigues

    Não queria estar no lugar do Pastor que devia ser exemplar como homem e como predicador. Mas o himen complacente estraga o juizo da Justiça se se basearem nele para decidir.
    Atenção !!!
    Conheço um caso de himen complacente que não rompeu depois de dois partos. Caso excepcional? Nada sei o porquê mas sei do realidade.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.