Merkel e Hollande reunidos de emergência em Berlim para discutir a Grécia

2/06/2015 15:07 - Modificado em 2/06/2015 15:07
| Comentários fechados em Merkel e Hollande reunidos de emergência em Berlim para discutir a Grécia

euroUma reunião de emergência, centrada na Grécia, entre líderes europeus, do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Central Europeu (BCE) decorreu, esta segunda-feira, na capital alemã, informaram fontes diplomáticas. Os cinco dirigentes europeus decidiram permanecer em “contacto estreito” nos próximos dias, entre si e com Atenas, informou o executivo alemão.

A chanceler alemã, Angela Merkel, o Presidente francês, e os dirigentes máximos da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, do Banco Central Europeu, Mario Draghi, e do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, reuniram-se em Berlim, entre as 20:30 e 23:00 de Lisboa.

Uma nota do Governo alemão especificou que os cinco fizeram o balanço das discussões havidas com Atenas e decidiram prosseguir esta análise “com mais intensidade” e permanecer “em contacto estreito nos próximos dias”, como têm estado nos últimos dias, “tanto entre si, como com o Governo grego”.

Segundo o diário alemão Die Welt, a reunião procurou construir “uma posição comum” para apresentar aos gregos “uma última oferta”.

O encontro não contou com a presença do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, que permaneceu em Atenas à espera “de um telefonema”.

Uma fonte diplomática revelou porém que os cinco dirigentes reunidos em Berlim não telefonaram a Tsipras.

Jean-Claude Juncker, em entrevista publicada segunda-feira no Suddeutsche Zeitung, não escondeu que a Grécia ia estar no programa das suas conversações com Merkel e Hollande. O seu encontro, oficialmente dedicado à economia digital, começou às 17:15 de Lisboa, e deveria prolongar-se com um jantar de trabalho.

Mas nem Lagarde nem Draghi, que chegaram depois do jantar, tinham visto a sua presença anunciada.

Esta cimeira inesperada realizou-se depois de uma conversa telefónica de Juncker, Merkel e Hollande com Tsipras, na noite de domingo, considerada “construtiva” pelo Governo alemão.

As negociações entre os gregos e os seus credores arrastam-se. Os credores — UE e FMI — reclamam reformas e cortes orçamentais, antes de desbloquearem uma última prestação do programa de financiamento, de 7,2 mil milhões de euros, dos 240 mil milhões estipulados desde 2010.

jn.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.