Migrantes “rohingya” vítimas de violações coletivas

2/06/2015 15:01 - Modificado em 2/06/2015 15:01

malasiaMulheres da minoria muçulmana “rohingya” cativas nos campos de tráfico humano na Tailândia e na Malásia foram sujeitas a violações coletivas pelos sequestradores. A agência estatal malaia Bernama cita uma sobrevivente, Nur Khaidha Abdul Shukur, a dizer que jovens mulheres eram levadas todas as noites a partir dos acampamentos na selva.

Nur Khaidha Abdul Shukur foi detida perto de Padang Besar, na Tailândia, tendo passado por esses campos de tráfico humano no final do ano passado, segundo as informações divulgadas na noite de segunda-feira pela agência de notícias. “Elas eram sujeitas a violações coletivas. Duas jovens ficaram grávidas”, disse.

A descoberta, no mês passado, de campos de tráfico humano – e dezenas de valas – primeiro na Tailândia e depois ao longo da fronteira na Malásia – desencadeou uma onda de choque e revolta no sudeste asiático.

Sete campos foram descobertos na Tailândia no início de maio e 33 corpos encontrados em valas comuns. No final do mês, a polícia malaia anunciou ter encontrado 28 campos do seu lado da fronteira e 139 valas, estando os restos mortais a ser ainda exumados.

Os muçulmanos “rohingya” são um minoria apátrida considerada pelas Nações Unidas como uma das mais perseguidas do planeta.

jn.pt

  1. Ema Rodrigues

    Ê essa a religião que pretendem trazer para Cabo Verde?
    Sejam sérios, pensam as consequencias que nos trazem

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.