Ilha da Madeira : Familiares de jovens agredidos querem que a PN actue dentro dos limites da lei

14/05/2015 07:58 - Modificado em 14/05/2015 07:58

pnNa Ilha de Madeira, os familiares dos jovens agredidos por agentes da Polícia não se conformam com a forma como estes têm actuado. A indignação dos familiares deve-se “à agressão excessiva” e à detenção dos jovens fora de flagrante delito e sem motivos para tal. As mães com que o NN falou querem que a Polícia actue dentro dos limites da lei.

 

Os familiares dos jovens da Ilha de Madeira que falaram com o NN, dizem-se revoltados com a forma violenta com que os polícias têm actuado em relação aos seus filhos. Reconhecem o trabalho que a PN tem feito, mas querem que a sua actuação seja dentro da lei.

Afirmam estarem de acordo que os infractores paguem pelos erros cometidos, mas, “como manda a lei e não da forma como os polícias pretendem”.

Sandra Fonseca, irmã de um dos jovens agredidos, diz estar revoltada assim como as outras mães, pois o seu irmão que diz ser “um trabalhador, lutador” que nada teve a ver com o distúrbio na Praia de João Évora, foi agredido pela Polícia com pauladas nas costas e cacetadas na cabeça ficando sem condições para trabalhar.

Para a entrevistada, os polícias deveriam ser sim uma autoridade em quem a sociedade possa confiar, mas o que acontece é que as pessoas passaram a duvidar devido à forma como têm actuado. A mesma questiona, “onde é que a violência inicia? Será que a violência deve ser combatida com a própria violência?”.

Carlota, uma das mães, afirma que os polícias têm abusado do poder e comenta a agressão sofrida por um jovem que foi espancado pela Polícia e que teve de ser hospitalizado durante vários dias. “Pensamos estar a criar um filho para nos ajudar quando formos idosos, mas afinal criamos um inválido, porque são frequentemente agredidos pela Polícia”.

Embora acredite que a Polícia deva fazer o seu trabalho, acrescenta que têm agido de forma errada e que devem ser encontradas outras formas de correcção e não a agressão. A mesma defende que a agressão com pauladas na boca, nas costas e nas costelas deixando vários hematomas e sem disposição “não é forma de combater a violência e muito menos de se fazer justiça”.

O que mais indigna os familiares é que os jovens são detidos e agredidos em qualquer lugar mesmo encontrando-se fora de flagrante delito. São detidos, rendidos com agressão e soltos quando lhes apetece sem qualquer motivo.

Um caso recente foi a detenção de vários jovens que aconteceu na semana passada após o distúrbio na praia de João Évora. Segundo os entrevistados, um grande número de jovens foi detido sem qualquer motivo e alguns foram agredidos com bofetadas nos ouvidos, pois “os polícias suspeitaram que poderiam estar a planear uma briga”.

Indignadas com a situação, as mães deslocaram-se ao Comando para se inteirarem do sucedido e saberem quais os motivos da detenção. De acordo com Carlota, mãe e avó de alguns dos jovens, as mães foram ouvidas pelo Comandante que lhe disseram que “os polícias não têm o direito de agredir as pessoas, mas sim de fazerem o próprio trabalho”. Mesmo assim, as mães ficaram sem saber os motivos da detenção dos jovens que foram soltos horas depois.

Sandra entende que estando o processo entregue ao Ministério Público e a apresentação dos mesmos no próximo dia 14, os polícias não precisavam de chamá-los para responderem uma segunda vez.

Titiana, Carlota e Sandra Fonseca, mães e irmã de alguns dos jovens estão preocupadas com os jovens e apelam às autoridades para terem maior atenção e darem oportunidades aos jovens em vez de tentarem combater a violência com a mesma moeda.

A entrevistada entende que as autoridades policiais necessitam de uma formação, “porque um bom polícia não é apenas aquele que sabe atirar ou que agride as pessoas, mas sim aquele que sabe como e quando reagir”.

Os familiares consideram uma injustiça por parte dos polícias e pedem que a justiça funcione também para os polícias que transgredirem as leis. “Se existe lei, esta deve ser cumprida por todos, por isso, apelamos ao funcionamento e cumprimento das leis em ambos os lados”.

  1. verdade

    è por isso ke esse terra nós te continua assim. is jovens te continua te apronta e te faze o ke kis quizer pq sis familiares te proteges até quando is jovens te faze assalta, dá fitche cada um pancada e tem gente é ke te oia is te conheces mas sis mãe te jura pe tudo o ke é mas sagrade pq is tava detot konde policia te djaga is te pos pedra garrafa mas sis mãr ke te dá cara e nem ba pe comande ba deze ke foi sis fitche é ke taca kis policial.kond is te panhas moradores te deze esse lugar ta sabe.

  2. Policia

    se tivessem educados os filhos como deve ser estes não teriam tornados em delinquentes e por conseguinte teriam comportados como gente e evitado o sucedido. A policia fez muito bem

  3. UVID IMPE

    Exe pais e irmãos dexe delinquentes de Ilha de Madeira(PINTXA ANDOR) ja lembrame na adeptos de FCPorto,konde exe t da pancada,mata,da cacibody tudo t dret,konde policia t lombaxe ta mal,adeptos de Porto konde exe t ganha tudo dret,exe t perde culpa de arbitragens…resumindo um t contente de oia bsot t reclama de abuso tb….

  4. CidadaoCV

    Pois é … Com certeza nenhum dos que apanharam da polícia é santinho. E as mães tendem sempre a defender os filhos, mesmo que sejam os maiores delinquentes. Pode até ter tido algum exagero da polícia, mas os jovens pertencentes aos gangs, são delinquentes da pior espécie. Cometem as maiores atrocidades … até enfrentem, a polícia. Quantos polícias já foram brutalmente agredidos por jovens de Gangs? ….

  5. D´soncente

    Ix mãe te resoltód mod nenhum mãe kte kre oiá nada na cê fitche, ma ix rapaz te extód de fazê tcheu cosa desde assaltos até a agredi pessoas simplimente mod te dax vontade. P kem kte mandá boca de traboi dix plicia, dve reza p ix que agredi nenhum familiar dseu, ma se isso contecê duvnhame kem bo tba tchemá? Eh Plicia ix tais pessoas eh kte trabaiá dret conte eh bo fitche ou ote parente dbosa eh kte aprontá.Nô corrigi nox Fitche a tempe e a hora e nô para de passas nom na cabeça conte ex erra!!

  6. anonimo

    Gent k bsot manda boca inda por cima kem tem fitche na tchom és t dze mãe t pari fitch el k tá pari destino mundo é d voltas sberba cá tem bonk pá centa por iss cá bsot xtot li tá cola bem fet pá és fitche e t dze ke és mãe k sub educas,pq nenhum mãe k t crê oia se fitche na kel vida lá por iss bsot lava boca antes d julga cambada d gent friu sem noção és tá dze hoje é mi manha é bo ok…cada mãe é k sabe dor kel ta passa pá pol na tchom crial tenta pol na bom camim mas pront nem tut é fácil na vida…força e coragem pá és mãe pq um tá conxes dret e um sabe o ke kes tá passa…

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.