Praia do Lazareto: Tubos da ELECTRA colocam banhistas em perigo

2/08/2012 01:54 - Modificado em 2/08/2012 02:26

Os cidadãos que frequentam a praia do Lazareto estão preocupados com alguns tubos instalados nessa zona que se transformaram em ratoeiras mortais. As condutas foram instaladas pela Electra, no âmbito de um projecto de dessalinização da água do mar naquela região. Mas o projecto orçado em 12 mil contos fracassou e agora os tubos com mais de 40m de profundidade estão sem tampa. Para os banhistas esta é uma situação que coloca em perigo a vida das pessoas.

 

Com a entrada do verão aumentou o movimento de pessoas na praia do Lazareto, o que mostra que a Laginha já não suporta o fluxo de banhistas. Os mindelenses encontraram no Lazareto uma alternativa para passarem o seu dia junto ao mar. Mas a verdade é que aliada ao movimento de cidadãos para aquela área nasceram quatro buracos que colocam em perigo a vida de quem procura essa praia.

Tudo porque a Electra instalou seis tubos para captação da água do mar naquela área, mas que estão inactivos e sem as respectivas tampas. A empresa de água lançou o projecto de dessalinização de água do mar, na ponta sul da ilha de São Vicente em 2006, sendo que a instalação das condutas custou cerca de 12 mil contos. Porém o projecto não passou dos furos de captação, porque a praia do Lazareto não possuiu um caudal que permitisse captar a água do mar.

Volvidos seis anos, os tubos não foram removidos do local e com a falta de tampas em alguns, a situação veio preocupar os moradores de Lazareto e os banhistas que frequentam a praia. Segundo Guilherme Lopes “temos que ter o máximo de cuidado com nos tubos destapados, porque uma queda pode ser fatal, uma vez que possuem cerca de 40 metros de profundidade. Neste sentido, quem vem com crianças ou pessoas idosas a esta praia tem que estar atento a elas, para evitar que caíam num desses buracos. E no caso dos mais pequenos por curiosidade poderão espreitar nos tubos e a situação terminar numa tragédia.”.

Maria Filomena reside no Lazareto partilha da opinião de Guilherme, mas considera que os furos transformaram-se em ratoeiras mortais. Maria assegura que “junto ao parque infantil do Lazareto nasceram quatro ratoeiras que colocam em risco a circulação de pessoas. A verdade é que um ou outro está visível, mas de resto existem os outros que são armadilhas para os visitantes. Por isso, a segurança dos meus filhos têm sido a palavra de ordem e sempre que noto a presença emigrantes ou turistas informou-os desse perigo”.

Por seu lado Miguel Ramos e Dilma Correia asseguram que há cerca de um mês que adoptaram o Lazareto como destino, por isso lançam um repto a Electra no sentido de tomarem medidas preventivas para eliminar o perigo na ponta sul da Baía do Porto Grande.

O NN contactou a Direcção da Electra na ilha de São Vicente que informou que que estão a trabalhar um plano para resolver a situação. Porém dizem que as condutas foram vandalizadas por indivíduos que frequentam o local que em três ocasiões taparam os furos, mas como se regista uma nova abertura dos tubos, a empresa está a concluir a construção de cápsulas em betão que irão resolver de vez o problema.

  1. Nuno Ventura

    Estes furos estão abertos há vários anos. Uma vez que não serviram o objectivo da ELECTRA, estes furos deviam ter sido cheios de areia e não tamponados. Aliás a autoridade marítima devia obrigar a ELECTRA a fazer isso removendo as extremidades da tubagem de ferro pelo menos até uma profundidade de metro e meio.

  2. djonny

    Se tapa 6 tubo k areia ou btal um cimentinho armado ê preciso um plano (e k te leva tont on) já no intende porke e ke Electra te ne estado e kel tá.
    paciença pa burrice

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.