AMP: “O Kriola só será autorizado a navegar quando as questões que preocupam os inspectores estiverem resolvidas“

16/04/2015 07:54 - Modificado em 16/04/2015 07:54

navio kriolaO presidente da Agência Marítima e Portuária, António Cruz durante uma conferência de imprensa no Mindelo, disse que Cabo Verde deve apostar numa embarcação de passageiros até ao mês de Julho.

De acordo com Cruz, a Agência Marítima e Portuária tem a responsabilidade de garantir a segurança das pessoas que utilizam os transportes de cargas inter-ilhas e a segurança do próprio navio em si. Para o presidente da AMP, “é uma missão importante que nós queremos cumprir”.

Segundo Cruz, em Cabo Verde, as autoridades nacionais ainda não disseram quanto é que custa um cabo-verdiano, uma vez que é preciso saber não só para que as pessoas possam investir em segurança, designadamente na área da administração marítima, mas também para que possam estar cientes mesmo em caso de acidentes. O trabalho da AMP, nas palavras do seu presidente, é salvaguardar a vida no mar e questiona o facto das regras aéreas serem respeitadas e as marítimas não, o que tem vindo a causar diversos transtornos.

 Cruz defende ainda que o país precisa urgentemente de um transporte de passageiros que ofereça as melhores condições de segurança. E o mais tardar até Junho.

Em relação ao navio “Kriola”, o presidente da AMP explica que tem neste momento vários problemas, como problemas de segurança, estruturais e de estabilidade e, quando se fala do problema estrutural, fala-se da estabilidade entre outros, nomeadamente de segurança do navio em si. “O navio só será autorizado a navegar quando efectivamente as questões que mais preocupam os inspectores e a AMP estiverem resolvidas”, garante Cruz.

O Ribeira de Paul, em fase de manutenção, deverá voltar a navegar nas próximas duas semanas, podendo ser uma alternativa na linha São Vicente/São Nicolau, a descoberto desde o dia 2 de Abril, desde que se respeitem as condições de segurança.

  1. saiko

    eu ja tinha chamado os presidentes das camaras atençao

  2. Olivio Pinto

    Acho que os engenheiros do estaleiro onde foram fabricados os dois ferrys, sabiam que viriam cruzar mares e não lagos de agua doce. O Criola está muito maltratado e foi por isso que os utentes da zona Praia/Fogo/Brava se recusaram a viajar mais nessa pocilga flutuante. Assim vieram buscar o Liberdade que estava novinho e bem cuidado….quem pode pode!!!
    Daqui a uns tempos o Criola estará bonito e limpo e será trocado na carreira pelo Liberdade, tudo na normalidade característica do nosso pais

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.