Associação para a Regionalização de Cabo Verde defende modelo Ilha-Região

14/04/2015 07:54 - Modificado em 14/04/2015 07:54

regionalizaçãoA Associação para a Regionalização de Cabo Verde vai defender o modelo ilha-região durante a cimeira sobre a regionalização, que inicia hoje, dia 14, na cidade da Praia.

Em entrevista à RCV sobre a Cimeira da regionalização, Camilo Abu-Raya, presidente da Associação para a regionalização de Cabo Verde afirma que é preciso ter em conta as potencialidades de cada ilha e que “o debate da Cimeira sobre a Regionalização deve contar com o envolvimento de toda a sociedade”.

A Associação para a regionalização de Cabo Verde considera que dividir o país em grupos de ilhas, como Barlavento e Sotavento ou Norte e Sul não é boa ideia, tendo em conta os problemas que Cabo Verde enfrenta com a centralização.

A proposta modelo ilha-região como defende a Associação, é a melhor solução para o país, porque segundo o mesmo, “se continuarmos a seguir um modelo como Barlavento, Sotavento, ou regiões Norte e Sul, iremos continuar com o mesmo problema do centralismo”. Abu-Raya explica que a melhor opção é defender a regionalização como ilha-região e não por grupos.

Segundo Abu-Raya, é preciso levar em conta as potencialidades socioeconómicos de cada ilha uma vez que cada ilha, segundo o mesmo, tem capacidade de desenvolver as próprias potencialidades, “portanto, nós achamos que neste projecto, se Santo Antão certificar os seus produtos e desenvolver a sua agricultura e o turismo, esta ilha conseguirá viver com as suas potencialidades. Destacando também as particularidades de São Vicente como turismo, pequenas indústrias e desenvolvimento da pesca, São Vicente não teria necessidade de viver da ajuda externa, quanto mais Santiago, Boavista, ou as outras ilhas uma vez que todas têm condições, destaca.

Para que o processo da regionalização tenha sucesso, o Governo deve ter em conta aspectos como a melhoria no transporte Inter-ilhas e incentivar o sector privado e os emigrantes para que estes se envolvam cada vez mais no desenvolvimento do país, remata Abu-Raya, que diz ainda que os políticos parecem insensíveis aos problemas que Cabo Verde enfrenta neste momento.

  1. VERDADE

    A VERDADE, E QUEM QUISER BASTA OUVIR OS PRÓPRIOS ELEMENTOS DA DIRECÇÃO DO GRUPO,DIZIA A VERDADE É QUE NEM OS DEFENSORES DA IDEIA SABEM QUE REGIONALIZAÇÃO PARA CABO VERDE

  2. Ismael Alcântara

    Show-off do Governo de Cabo Verde e do seu partido PAICV para preparar as próximas eleições que, em princípio, estão perdidas por este partido. O que eu vejo aqui é um sequestre por parte dos partidos políticos da regionalização, transformando-a em bandeira de propaganda eleitoral. A única regionalização que faz sentido em Cabo Verde é a regionalização política no modelo ilha/região. Qualquer outra que não esta jamais irá eliminar as assimetrias regionais e combater o centralismo.

  3. Lino Mota

    Não há dúvidas que a regionalização bem feita é a única saída para o deselvolvimento de Cabo Verde. Nada de enganos nem artimanhas politicas. Regionalização e ponto final.
    Eu vejo a regionalização assim e a titulo de exemplo:Cada instituição teria de ser autónoma, dependendo duma central onde se prestaria contas; ou seja, INPS do Sal faria seu trabalho de acordo com as leis, sem depender de nenhuma outra ilha mas, prestando contas à central. E assim seria para todas as instituições.

  4. none

    Untom bsot qre dze qe ilhas como Maio BoaVista, Brava, Fogo, Sao nicolau e se um continua te fcade fora é so cidade da praia e Sao vicente.Is outras 9 ilhas têm capacidade pa tma conta de sis cabeça qe bsot bem fazem rir.Es é um utopia qase impossivel de concretiza mais facil Sao Vicente tma se autonomia do qe isso acontece ou ser viavel aja paciência só qel falta de infrestuturas qe is outras 8 ilhas tem te faze ês sonho desfazê na ar

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.