Taxas de electricidade e água baixam 13 a 7 %: ADECO queria mais

1/04/2015 08:22 - Modificado em 1/04/2015 08:22

luzO Presidente do Conselho de Administração da Agência de Regulação Económica (ARE), Renato Lima, anuncia que as taxas de electricidade vão baixar, em média, de 12,92% e as de água 7,69%. Esses valores não satisfazem António Pedro Silva, Presidente da Associação de Defesa do Consumidor, ADECO. Contudo, as novas tarifas entram em vigor hoje, 1 de Abril e vigorarão até 30 de Junho.

O Presidente do Conselho de Administração da ARE disse à RCV que a baixa das tarifas da electricidade ronda, em média, 12,92% e da água 7,69% e justifica que “há uma maior redução na taxa da electricidade porque esta representa uma percentagem maior do volume dos negócios comercializados pela Electra e o preço referente aos dois produtos acaba por ditar a diferença dos valores da actualização das tarifas”. Renato Lima acrescenta que é uma revisão extraordinária que não acompanha apenas a baixa do preço do petróleo no mercado internacional, como também “tivemos em atenção o nível de perdas da Electra e a taxa de penetração das energias renováveis”. Porém, o Presidente do Conselho de Administração da ARE adianta que será realizada uma revisão mais profunda e mais ajustada à realidade no segundo semestre de 2015.

Todavia, os valores da baixa das taxas da electricidade e da água não satisfazem o Presidente da Associação de Defesa do Consumidor, ADECO, que disse à RCV que os consumidores continuam a ser lesados, visto que esta baixa de preço não corresponde aos interesses e ao preço justo que se deveria pagar pela electricidade e água em Cabo Verde. Sendo assim, António Pedro Silva considera que está em causa a competitividade do país, visto que a água e a electricidade são factores de produção essenciais para as empresas. Perante a insatisfação do Presidente da ADECO relativamente à redução das tarifas da electricidade e da água, Renato Lima, Presidente do Conselho de Administração da ARE assegura que a agência está aberta a analisar todos os contributos dos parceiros da regulação em local apropriado.

  1. saiko

    agora falta eh os bilhetos de barco e autocarro

  2. Carlos Silva - Ralão

    É preciso também baixar o IVA destes dois produtos de primeiríssima necessidade, para menos de 10%, já que é obrigação do estado fornecer estes dois produtos, de acordo com a Constituição de Cabo Verde. Diminuindo as regalias dos barões dos Administradores de algumas instituições e/ou empresas públicas que o Estado tem ações, poderemos ser mais justos com aqueles que nas eleições os colocam no poder, em que através das suas contribuição, bancam as respetivas ostentações de salários e subsídios.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.