JCF responde sobre o novo estatuto “não sou surdo, nem cego”

31/03/2015 07:59 - Modificado em 31/03/2015 08:48

DCIM102MEDIAO Presidente da República questionado sobre o novo estatuto dos titulares de cargos públicos por estudantes que se reuniram com ele na Universidade de Coimbra disse que “não sou surdo, nem cego”.

O  povo  na rua espera é que JCF também não seja parvo para se afundar na canoa que os deputados da  UCID , do PAICV  e do MpD armaram a revelia  de quem  os elegeu. Ainda por cima  agora que se sabe que o povo nas ruas vai afundar a canoa.

Questionado por João Brito, doutorando em Economia que lhe pedia que vetasse o diploma JCF respondeu que “tenho três hipóteses: promulgar, vetar ou pedir a sua fiscalização constitucional”. Mas não revelou que decisão vai tomar. Recorde-se que o PR ao saber dos aumentos constantes do documento veio dizer que não sabia que ia ser aumentado. Segundo o novo estatuto que inclui também uma nova grelha salarial dos titulares dos cargos políticos, os ordenados são indexados ao do chefe de Estado, que passará a auferir, a partir da próxima legislatura (as legislativas decorrerão no primeiro trimestre de 2016), de 280 mil escudos  mais do que os actuais 170 mil escudos um aumento de 64%.

De toda a forma JCF não pode ignorar o apelo de milhares de cabo-verdianos que vem das ruas. Sabe que se não ficar do lado  dos manifestantes  faz  cair  o  único político que estes ainda respeitam e aí o rei fica nu e começa a fazer sentido falar da primavera crioula. Mas sabe que não existem motivos para pedir sua fiscalização constitucional porque o STJ enquanto Tribunal Constitucional chumbaria essa pretensão. Resta-lhe o  veto político  na certeza que o diploma seria  de novo aprovado no parlamento e ele teria que o aprovar  dessa vez. A promulgação imediata traz o  presidente para a canoa furada e leva-lhe a pôr em xeque a sua reeleição  em 2016 . E agora Jorge?

  1. AguinaldoFortes

    Se estas demonstrações nao tiverem nenhum resultado uma coisa ficou clara, muitos políticos cabo-verdianos e alguns ocupando posições chaves estão sofrendo de Alszheimer.
    Um texto psicológico deveria ser uma condição essencial para ocupação de cargos com tamanha responsabilidade.
    Ou trata-se em muitos desses casos de desonestidade, oportunismo e malabarismo?
    Os psiquiatras que o digam.

  2. atento S.Vicente

    AGORA QUE O REI VAI NU!! NÓS ESTAMOS DO TEU LADO JORGE !! TU É QUE SABES!! SE POSSO VOTAR EM TI MAIS UMA VEZ

  3. Hermes Correia

    Nem surdo nem cego mas pior, Senhor Presidente: – MUDO !!!

  4. CidadaoCV

    Pois é … PR tem na realidade duas opções. O Veto e a promulgação. A promulgação confirma de imediato o estatuto. O veto faria o estatuto voltar outra vez ao parlamento. Seria “dar uma segunda oportunidade” aos adéputados de reverem as sua “posições”, sendo que a segunda o PR não terá outra opção que promulgar. Mas o povo terá mais uma “batalha” em 2016, e este será a abstenção em massa ou Voto nulo em massa. Eu apelaria ao “VOTO RISCADO”. Seria uma cruz bem grande, á dimensão do boletim de voto. Seria uma ida em massa as urnas, mas só para riscar o beletim de voto, para ficar bem claro que o povo já não acredita mais em menhum partido político. Desta forma quem ganhar as eleições será com uma clara minoria dos votos.

  5. nady

    nu bai nos povo … gossi nu tem ki djunta na 1 so como ta fladu maioria ki ta ganha. e que venha 2016 nu ta tonda bai urna otro bes ,e vergonha pa un pais de kela de 3 mundo e ki ainda nhos cre gnha 200 e tal contos cantos alguen ca ta pui panela riba na se casa e nhos nhos cre pui de sobra como kel senhora fla anos nu ta vivi de ajuda externa e ki ta caba pa bai todo na ses bolsos e pocas vergonhas e depois bus ta odjas ta da entrivista ta fala de cboerdianos e gossi unde nhos pui cboverdianos.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.