John Kerry reconhece que será preciso negociar com Assad

16/03/2015 22:12 - Modificado em 16/03/2015 22:12
| Comentários fechados em John Kerry reconhece que será preciso negociar com Assad

siriaO secretário de Estado dos EUA, John Kerry, afirmou que a única solução para acabar com o conflito na Síria é negociar com Bashar al-Assad, deixando pela primeira vez em aberto a possibilidade de este se manter no poder.

Numa entrevista ao canal norte-americano CBS transmitida neste domingo, John Kerry afirmou que os EUA estão dispostos a aumentar a pressão sobre o regime sírio para que se inicie um processo de negociações com a oposição. Mas, ao contrário do que tem sido o discurso dos EUA sobre o conflito, John Kerry deixou de lado a exigência de uma transição política que afaste Assad por completo.

“No fim, teremos de negociar”, disse o secretário de Estado. Kerry afirmou também que estas negociações deveriam acontecer no contexto do primeiro encontro de Genebra. “Estivemos sempre dispostos a negociar no contexto do processo de Genebra I.”

Isto parece indicar alguma abertura dos EUA à permanência de Assad. A primeira das duas rondas de Genebra para a negociação de paz na Síria, em 2012, apontava para a formação de um Governo de transição, a ser determinado pelas forças envolvidas no conflito. Ou seja, apesar de as primeiras reuniões na cidade suíça não contemplarem a continuidade de Assad, também não exigiam que este deixasse o governo.

A longevidade do conflito sírio e a entrada em cena do autoproclamado Estado Islâmico são vistos como dois factores que podem ter pesado na decisão dos EUA em atenuar o discurso contra Assad. Jonathan Marcus, o correspondente diplomático da BBC, argumenta que o afastamento de Assad poderia dar força ao grupo jihadista. “O surgimento de um novo actor na Síria— a organização do Estado Islâmico — leva muitos especialistas a acreditar que, se Assad fosse afastado, o maior beneficiário seriam os jihadistas”.

Kerry não avançou que forma assumiria uma pressão adicional capaz de levar o Governo de Damasco a negociard de forma séria. Disse, contudo, que esse processo já se iniciou, e que conta agora com a ajuda da comunidade internacional. “Estou convencido que, com o esforço dos nossos aliados e outros, haverá uma pressão acrescida sobre Assad”, afirmou.

Bombas de cloro

Passaram-se quatro anos desde o início do conflito na Síria, em 2011, e não parecem existir ainda soluções políticas para um cessar-fogo. O ano de 2014 foi até ao momento o mais mortífero, devido, em parte, aos confrontos que envolvem o Estado Islâmico.

Existem agora indícios de que o grupo jihadista pode estar a usar armas químicas, especificamente gás de cloro – uma acusação que já foi feita ao exército de Assad. As autoridades da região semi-autónoma curda do Norte do Iraque anunciaram que o químico foi usado num ataque suicida do grupo jihadista, em Janeiro.

De acordo com a Reuters, que cita uma declaração das forças curdas, foram enviadas para análise amostras de solo e da roupa do homem que conduzia o carro armadilhado e que tentou, sem sucesso, atingir combatentespeshmerga na auto-estrada entre Mossul e a fronteira síria. As análises, alegadamente feitas num laboratório certificado pela União Europeia, revelaram uma elevada concentração de cloro, “o que sugere que o químico tenha sido adoptado como arma”.

Apesar de estas análises não terem sido ainda confirmadas por uma fonte independente, avança a Reuters, Washington já respondeu, afirmando que a utilização de armas químicas pode ser um indício de que os ataques aéreos da coligação liderada pelos EUA estão a levar os jihadistas a um “crescente desespero”.

 

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.