Morte de Jailson Mota: ACP não encontrou indícios que incriminassem o condutor do táxi

3/03/2015 07:29 - Modificado em 3/03/2015 07:29

MotoqueiroDurante a Audiência Contraditória Preliminar, ACP, requerida pelo arguido condutor do táxi que colidiu com a mota conduzida pelo motoqueiro Jailson Mota em Julho do ano passado na estrada que dá acesso à Baia das Gatas, ficou provado que não houve indícios suficientes para levar a acusação em frente pelo que se decidiu não imputar o arguido do crime de que estava a ser acusado.

 

O condutor do táxi que em Julho do ano passado se envolveu num acidente que provocou a morte imediata do motoqueiro Jailson Mota na estrada da Baía das Gatas, estava a ser acusado da prática de crime de homicídio negligente. O Tribunal não conseguiu reunir indícios que incriminassem o taxista.

Ficou provado no Tribunal que a vítima Jailson Mota, conhecida por “Psic” realizou uma ultrapassagem e acabou por invadir a faixa de rodagem contrária colidindo assim com o táxi, provocando o acidente que resultou na morte do motoqueiro.

No que toca ao departamento criminal, o caso ficou encerrado e será remetido ao departamento Cível, onde os familiares poderão recorrer solicitando indemnização.

O caso ocorreu no dia 27 de Julho de 2014 na estrada da  Baía das Gatas. A vítima  seguia na companhia de outros motoqueiros quando perdeu o controlo da mota na recta a poucos metros da entrada da Baía das Gatas. Quando os Bombeiros chegaram ao local não havia mais nada a fazer, pois “o corpo estava sem vida, com  um grande corte na zona do peito até ao estômago, com as vísceras de fora e os braços  desfeitos”. Assim, teve de ser a Delegacia de Saúde  e a PJ a ordenarem o levantamento do cadáver.

O  acidente que resultou na morte do amante dos desportos radicais chocou toda a sociedade mindelense, tendo “Psic” deixado muitos amigos que o consideravam como uma pessoa educada e respeitadora, conhecido pela sua amabilidade e pela paixão que tinha pela mota e pelos desportos radicais.

Para os familiares e amigos, o malogrado era um rapaz conhecido por todos como um grande motoqueiro educado que respeitava todos. Era proprietário de uma oficina de mecânica em Chã de Alecrim onde reparava motas e, segundo os amigos, cativava os clientes.

Jailson Mota deixou três filhos, incluído um bebé de dez meses e a mulher com quem vivia na zona de Chã de Alecrim.

 

 

 

 

  1. ana

    Acordo ortográfico … Motociclista e motoqueiro … Muito bem

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.