Suspeita de corrupção na cadeia da Ribeirinha : Juiz manda arquivar o processo

27/07/2012 14:33 - Modificado em 27/07/2012 14:33

Foi arquivado o processo que acusava o ex direcção da Cadeia de São Vicente e dois reclusos da prática do crime de corrupção. O juiz de instrução criminal emitiu um despacho de não pronúncia que iliba os seis cidadãos das suspeitas de ligação a um esquema de corrupção instalado no presídio. Por outro lado assegurou que os três agentes prisionais deverão retomar as funções que desempenhavam antes da abertura do processo.

O juiz Antero Tavares arquivou o processo que acusava os agentes prisionais, Manuel Cândido, Graciano Nicolácia e Rute Mendes, da prática do crime de corrupção passiva e os reclusos Lígia Furtado, Zé Pote e José Carlos, de corrupção activa.

A decisão do magistrado foi tomada com base nas provas conseguidas durante a realização da Audiência Contraditória Preliminar requerida pelos seis cidadãos, com o propósito de contestar os factos na acusação lavrada pelo Ministério Público.

Para o juiz nenhum dos factos que estavam na acusação que recaia sobre os ex director da Cadeia de São Vicente e os restantes intervenientes do processo ficaram provados na ACP. Esta decisão levou em conta as contradições que o tribunal obteve entre aquilo que as testemunhas da acusação disseram na fase de instrução e aquilo que pronunciaram na ACP.

Deste modo o magistrado no seu despacho de pronúncia deu por arquivado o processo devido a falta de provas verídicasque sustentassem a acusação que recaia sobre os três agentes prisionais e os três reclusos.A posição do juiz Antero Tavares foi partilhada pelo procurador regional, Vital Moeda que pediu a absolvição dos seis cidadãos.

Manuel Cândido está agora em liberdade, pelo que o juiz que presidiu ACP assegurou que este deverá retomar as suas funções de director da Cadeia de São Vicente. Bem como Graciano Nicolácia deverá ser instituído no cargo de chefe de segurança e Rute Mendes,chefe da ala feminina.

A decisão do juiz entrará em choque com o processo disciplinar instaurado pelo Ministério da Justiça e que culminou na suspensão temporária dos três agentes prisionais. Mas a verdade é que a defesa já interpôs um recurso e agora com o arquivamento do processo será pedido a revisão dos factos do processo disciplinar para que Manuel Cândido, Graciano Nicolácia e Rute Mendes voltam a assumir as suas funções na Cadeia de São Vicente.

 

  1. Cidadao

    Todos ficamos contentes quando a justiça demonstra ser independente, assim esses cidadaos nao foram mais vitimas de um processo politico e de vinganças pessoais pq de outro nao se tratava. Agora aqueles malvados que inventaram essa historia devem so envergonharem-se.quanto à rapariga que estudava Direito penso que nao era nada de mal, entao ela devia ser condenada a morte? nao aquilo se chamava insersçao social.

  2. João Paulo

    Assim vai a nossa justiça onde o crime compensa

  3. Odja bobo

    Assim prova-se que não havia nada que indicava para a prática de crime dos elementos da direcção da Cadeia de São Vicente. Bem haja a justiça cabo-verdiana. Agora deverão colocar uma acção contra o estado e pedir uma indemnização choruda!!! O Ministro da Justiça que provocou tudo isto, agora ficará com a cara de vergonha pela forma como o próprio conduziu o caso!!!! Agora deverá nomear novamente o Manuel Cândido e os demais que nada fizeram.. Eles foram perseguidos por este ministro incompetente

  4. Danisia Santos

    BRINCADERA PÁ, NESS TERRA JA K TEM JUSTIÇA, VERGONHA MESMO DA NOSSA JUSTIÇA

  5. Tafu

    Estamos feito esse juiz como o procurador estão cansados,precisam de férias urgentes,e também fazer uma sessão de descarrego porque ali há de certeza efeito de magia negra.O juiz Antero durante esse tempo teve a trabalha bem agora com esses ali não se brincam,e ainda há muitos processos graves para ele resolver,não se esquecendo o casa da Milena a família do assassino não é brinquedo,não prestam.Atenção.

  6. bnr

    esse juiz e procurador principalmente devem ser investigados… alguém deve saber o que eu quero dizer.

  7. MJS

    Está mais do que provado, de que em Cabo Verde, só os “ladrões de galinha” vão para a cadeia. No que se refere aos arguidos com processos de corrupção e principalmente quando há traficantes envolvidos no esquema , o processo ou os processos são arquivados por falta de prova!!!! Será que os magistrados têm medo dos traficantes ou será que são também uns autênticos corruptos? Com base no despacho do JUIZ sugeria aos arguidos que exigissem uma indemnização por injúria e difamação.

  8. hl

    O facto de não haver provas suficientes não quer dizer que não houve crime. portanto prevalece, sem provas suficientes o bandido vai para rua cometer mais crimes

  9. Petu Feru

    Kenha ki atxa ma trafikantis ka ta bai kadiâ… nton pamodi kie ka ta bai trafika? Si ta da dinheru. Palermas!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.