Segurança Interna: quem assume a responsabilidade política depois de cortar cabeças administrativas

2/02/2015 08:03 - Modificado em 2/02/2015 08:03

julio correiaJúlio Correia, vice presidente da Assembleia Nacional,defendeu num post publicado no Facebook que devem ser assacadas responsabilidades políticas no “estranho caso da ‘fuga’ da penitenciária de S. Martinho e seus não menos estranhos desdobramentos exigem, no mínimo, um assumir de responsabilidades políticas.” 

Correia defende  que “Um dos aspectos da política é a coerência de assumir responsabilidades. Este aspecto longe de apoucar quem o faz, só afirma a sua dignidade”. E conclui o  post com um recado, mas sem  dar o nome aos bois “Não podemos estar nas coisas a qualquer preço e nem a qualquer custo.“ Embora Júlio Correia não tenha querido dar o nome aos bois, todos sabem que o nome desse boi é em primeiro lugar a ministra responsável pela segurança interna, Marisa Morais  e em segundo lugar o primeiro-ministro . E JMN sabe que muitas vozes ao seu redor exigem responsabilidades politicas sobre os casos do  atentado  contra o seu filho,  atentado abortado  contra a mulher do ex.procurador da república , assassinato da mãe de uma inspectora da PJ e a fuga e morte de um recluso  que fugiu da cadeia de São Martinho com uma AKM e 30 balas.  Isto porque já rolaram cabeças de responsáveis da segurança, mas só a nível administrativo e como Júlio Correia, muitos pensam que “Não podemos estar nas coisas a qualquer preço e nem a qualquer custo.”

Este online no inicio  do ano escolheu a Ministra do Interior como a figura negativa de 2014 e fundamentava “Ninguém pede à ministra das polícias e que responde pela segurança interna que coloque um polícia por cada habitante de São Vicente. O que se pede é que a Ministra não transforme em retórica e blá, blá, o medo, o temor que assola quem assistiu a nove assassinatos numa ilha com 50 mil habitantes. O que se pede é acção: resposta para os que se sentem inseguros e apreensivos”. Ou seja que assuma as suas responsabilidades.

 

 

  1. joao carlos

    Infelismente, nesta onda de encontrar culpados, muitos esquecem o conceito da violencia e da criminalidade. Uma coisa e a violencia, outra e criminalidade. Confundir actos individuais com um conjunto de actos e pura e simplesmente errado.

  2. CidadaoCV

    Epá … mais uma politiquizada deste Sr. Júlio Correia. Os politiqueiros falam o que lhes convém, quando lhes convém. Por algum motivo este senhor está a fazer este “desabafo”. E não é difícil de adivinhar. É a politiquice de sempre.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.