De barbárie em barbárie, o terror do Boko Haram vai alastrando na Nigéria

16/01/2015 08:18 - Modificado em 16/01/2015 08:18
| Comentários fechados em De barbárie em barbárie, o terror do Boko Haram vai alastrando na Nigéria

boko haramNinguém voltou a entrar em Baga desde que, nos primeiros dias do ano, os extremistas islâmicos do Boko Haram tomaram a pequena cidade situada no Nordeste da Nigéria, atacando tudo e todos à passagem. Mas imagens de satélite obtidas por organizações de defesa dos direitos humanos testemunham uma destruição “catastrófica” em toda a zona e sugerem que o número de mortos terá sido tão elevado como davam a entender os relatos iniciais dos sobreviventes, que o Governo nigeriano classificou de “sensacionalistas”.

A violência na região, cada vez mais um feudo do grupo terrorista liderado por Abubakar Shekau, tornou-se há muito parte do quotidiano da Nigéria e os ataques da semana passada em Paris ajudaram a arrastar ainda mais para o rodapé do noticiário internacional a sangrenta ofensiva. Mas a Amnistia Internacional (AI) assegura que o que aconteceu entre os dias 3 e 7 de Janeiro “é o maior e mais destrutivo ataque” atribuído aos extremistas, que desde 2011 já mataram mais de dez mil pessoas.

Contrastando fotografias captadas do espaço antes e depois dos ataques, a organização concluiu que 3700 estruturas – casas, lojas, escolas – foram arrasadas em Baga e na vizinha cidade de Doron Baga, situada a menos de três quilómetros de distância, nas margens do lago do Chade, estratégica reserva de água que serve de fronteira natural aos territórios da Nigéria, Camarões, Chade e Níger. Em algumas aproximações mostradas, é possível observar como bairros que dias antes estavam apinhados de casas foram reduzidos a escombros, com a vegetação morta em volta indiciando que foi tudo queimado.

“Estas imagens mostram uma devastação de proporções catastróficas nas duas cidades, uma das quais quase desapareceu do mapa em apenas quatro dias”, disse Daniel Eyre investigador da Amnistia para a Nigéria, referindo-se a Doron Baga, que até ao ataque albergava o quartel da MNJTF, a força de intervenção que a Nigéria criou com os países vizinhos para combater o terrorismo. A organização calcula que só ali foram destruídas 3100 estruturas e a Human Rights Watch (HRW) – que divulgou, em simultâneo, imagens de satélite captadas na zona a 10 de Janeiro – estima que 57% da área total da cidade foi destruída, provavelmente entre a tarde de dia 3 e a manhã do dia seguinte.

Foi nesse dia que os homens do Boko Haram chegaram à localidade e depressa conquistaram a base militar. Militares e civis precipitaram-se na fuga, muitos tentando a sua sorte na travessia do lago – uma das fotografias obtidas pela AI mostra como nenhum dos barcos que dias antes estavam parados na margem lá continuava a 7 de Janeiro. Sobreviventes e responsáveis locais contam que alguns fugiram a nado e afogaram-se, outros ficaram isolados nas pequenas ilhas que se formam nas imediações, ao relento e sem comida.

Ao todo, 16 aldeias da zona foram devastadas e Baga acabou por cair numa segunda ofensiva, a 7 de Janeiro. As duas organizações dizem não ser, para já, possível saber quantas pessoas morreram (o Boko Haram controla a zona e não há comunicações com a cidade), mas a AI afirma que o grau de destruição e os relatos feitos por algumas das 20 mil pessoas que fugiram da zona sugerem que os radicais islâmicos “mataram centenas de civis” – após os ataques dirigentes locais falaram em dois mil mortos, um responsável do Exército disse que não teriam sido mais de 150, o Governo recusou comentar os números.

“Ninguém ficou para contar os cadáveres. Estávamos todos a correr para sair da cidade”, disse um habitante à HRW. “Eles mataram tanta gente. Vi talvez cem mortos em Baga quando fugia para o mato”, contou outro sobrevivente à Amnistia, que, entre as histórias aterradoras que recolheu, cita uma testemunha que garante que os extremistas disparavam indiscriminadamente contra crianças e mulheres, uma delas morta quando dava à luz. “Metade do bebé já tinha saído e ela morreu assim.”

Mas com o mundo a olhar para Paris os extremistas levaram um pouco mais longe a barbárie. Sábado, uma rapariga fez-se explodir num mercado de Maiduguri, capital do estado de Borno onde se concentram os que fugiram ao avanço dos radicais, matando 20 pessoas. Não teria mais de dez anos, a mesma idade que aparentavam duas meninas que morreram com explosivos atados ao corpo na cidade de Potiskum, no vizinho estado de Yobe, o que levantou a hipótese de o grupo estar a usar mulheres e crianças que continua a sequestrar como bombas humanas.

Mais de uma semana depois, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse não ter dúvidas de que o massacre constitui “um crime contra a humanidade” e classificou o Boko Haram como “uma das entidades terroristas mais malévolas e ameaçadoras da actualidade”. E, com as eleições à porta, o Presidente Goodluck Jonathan fez a sua primeira visita ao Nordeste da Nigéria desde que, em Março de 2013, decretou o estado de emergência nos três estados da região.

A medida não evitou, desde então, o aumento exponencial da violência e a expansão territorial dos radicais, pondo a nu as fragilidades de um Exército mal equipado e de quem a população local desconfia (são inúmeros os relatos de crimes cometidos por soldados) e o desprezo a que o Sul, rico em petróleo, tem votado a região. O Nordeste “tornou-se num feudo dos radicais, que atacam quando bem entendem, mesmo que não controlem a maior parte das localidades”, escreveu há dias o Le Monde, sublinhando que conquistas como as de Baga se destinam a criar condições para que o “califado” que Shekau proclamou na zona se concretize.

 

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.