Boavista : MP pede pena de prisão para homem acusado violar a filha

7/01/2015 06:43 - Modificado em 7/01/2015 06:43
| Comentários fechados em  Boavista : MP pede pena de prisão para homem acusado violar a filha

Justica1Amílcar Costa, acusado de violar a própria filha, foi julgado pelo Tribunal da Boa Vista.O Tribunal da Boa Vista procedeu, na manhã desta terça-feira de Amílcar Costa, técnico agro-pecuário de profissão, figura política que já desempenhou vários cargos na sociedade e que é acusado de ter violado a própria filha quando esta tinha 12 anos, crime agravado com penetração.

De acordo com a RCV Amílcar Costa é acusado do crime de violação agravado com penetração contra a própria filha. Segundo a ofendida, hoje com dezoito anos, o pai Amílcar Costa terá abusado sexualmente dela desde os doze anos. De acordo com o depoimento o arguido  terá, ainda de forma tentada, violado a sua afilhada.

As testemunhas do arguido realçaram o comportamento nobre de Amílcar Costa, uma figura muito respeitada e respeitador e servidor da sociedade.

Amílcar Costa foi professor, director da Escola Secundária da Boa Vista, fundador da Escola Euclides Costa, técnico agro-pecuário de formação, ex-coordenador local do MpD e ex-líder da bancada.

Meca, como é conhecido na Ilha das Dunas encontra-se em prisão preventiva há cerca de onze meses e preferiu remeter-se ao silêncio resolvendo pronunciar-se sobre o caso só depois de se ter ouvido as testemunhas, um acto entendido pela Procuradora do Tribunal da Boa Vista como uma estratégia inteligente, mas sem credibilidade no seu depoimento.

De acordo com o MP, o arguido incorre numa pena que vai de 4 anos a 12 anos de prisão, agravada por um terço, isto porque a vítima é a própria filha a quem deveria proteger. O MP pediu ainda que a vítima seja indemnizada no valor de um milhão de escudos.

Carlos Monteiro, advogado de defesa de Amílcar Costa, pediu que o seu cliente fosse absolvido do crime, argumentando que se trata de um arguido primário, com responsabilidades, que educou seis crianças e mais duas afilhadas, para além de crianças e adolescentes e de nunca ter manifestado tendências de desvio comportamental.

Conhecer-se-á a medida de coacção no próximo dia 21 de Janeiro, às catorze horas quando for pronunciada a leitura da sentença.

 

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.